A panleucopenia felina é uma doença muito grave que traz sérias consequências para a saúde de gatos domésticos e selvagens. Com um desenvolvimento muito rápido no organismo, o parvovírus felino provoca a diminuição dos glóbulos brancos (uma condição chamada leucopenia), afetando assim todo o sistema imunológico do gato, inclusive prejudicando as defesas contra o próprio vírus.

Teste seus conhecimentos sobre a saúde de gato!

Preencha todos os campos para participar.

É só preencher e começar!

Escolha uma opção abaixo

Não tenho pets
Tenho cão
Tenho gato
Tenho cão e gato
Autorizo receber comunicações e publicidade da NESTLÉ®.

Para tirar todas as dúvidas sobre contaminação e desenvolvimento da panleucopenia felina, conversamos com a médica veterinária Fernanda Serafim, cirurgiã e clínica geral pós-graduada em clínica médica de pequenos animais. Confira!

O que é panleucopenia felina?

Conhecida popularmente como “cinomose em gatos”, esse não é o termo correto para denominar a panleucopenia felina. Cinomose é, na verdade, uma doença viral que acomete apenas cães. Já a panleucopenia felina é específica para gatos, tem um alto índice de mortalidade e é uma doença de gato que precisa de atenção por ser muito perigosa para animais que não foram vacinados. “Trata-se de uma doença viral causada pelo parvovírus felino. Os gatos jovens e sem imunidade prévia apresentam maior risco de desenvolverem a doença”, explica a veterinária Fernanda Serafim.

Como ocorre a contaminação da panleucopenia felina?

O vírus que causa a panleucopenia felina é eliminado pelas fezes, urina e saliva dos animais. O parvovírus felino pode permanecer por meses em um ambiente, mesmo depois do gatinho já ter sido curado, e é bem resistente. A especialista Fernanda destaca que a contaminação pode ocorrer, principalmente através de “brigas, alimentos contaminados, contato direto com fezes, urina, saliva e vômito, contato no ambiente infectado e brinquedos e comedouros compartilhados”.

Por isso, se você tem outro animal em casa, o ideal é separá-lo do gato doente imediatamente. Eles não podem, de forma alguma, dividir qualquer objeto. Mesmo o animal que não apresenta características da panleucopenia felina deve ser levado ao veterinário para realização de exames laboratoriais. 

Como saber se meu gato está doente? Veja os sintomas da panleucopenia felina!

Para saber se o seu gatinho pode estar diante de um caso de panleucopenia felina, sintomas devem ser observados atentamente. Os principais sinais da doença são:

  • Desidratação intensa
  • Icterícia
  • Diarreias, com ou sem presença de sangue
  • Anorexia
  • Febre alta
  • Vômitos
  • Depressão

Caso o seu gatinho não seja vacinado e apresente qualquer um desses sinais, é fundamental levá-lo ao veterinário o mais rápido possível. Como a ação do vírus é muito rápida e, geralmente, devastadora, o tratamento imediato pode salvar a vida do seu felino.

 

Gato com panleucopenia felina bem abatido

Atenção com gata prenha: panleucopenia felina pode afetar os filhotes

 

O cuidado deve ser redobrado caso tenha uma gatinha grávida. Em caso de infecção pelo vírus, a doença pode atingir os filhotes. “Quando a doença acomete gatas prenhas, na maioria das vezes os filhotes são afetados congenitamente pela panleucopenia, podendo causar hipoplasia cerebelar congênita”, diz a veterinária. A hipoplasia pode levar o gato filhote a não conseguir se locomover direito, com tremores na cabeça e dificuldade de se manter em pé.

 

Panleucopenia Felina: o gato filhote pode ser afetado ainda na barriga da mãe, adquirindo problemas de locomoção e tremores na cabeça.Gato doente: o felino com panleucopenia apresenta sintomas como anorexia, febre e diarreia.Cinomose em gato, na verdade, panleucopenia felina. É importante diagnosticar desde o início para evitar que o seu gatinho chegue no pior estágio da doença, que é quando as vias nasais são comprometidas.

 

Como diagnosticar panleucopenia felina?

O diagnóstico da panleucopenia felina é feito, principalmente, por meio de exames laboratoriais. O exame de sangue em gatos, também chamado de hemograma, é o que costuma apontar a doença. É a partir dele que o veterinário checa informações variadas, como um gato com plaqueta baixa ou até se há linfócitos baixos em gatos. No caso da panleucopenia felina, o principal indicativo é o número de células de defesa do corpo, que são os leucócitos.

Panleucopenia felina: tratamento é direcionado para os sintomas

A panleucopenia felina tem cura e os animais que desenvolvem a enfermidade, após serem curados, se tornam imunes à doença. Mas, para isso, é necessário investir no tratamento correto do vírus. “O tratamento é de suporte, justamente por não existir um medicamento que mate o vírus. O tratamento consiste em antibioticoterapia de amplo espectro, uso de fluidoterapia em gatos intravenosa e suplementação nutricional”, explica a especialista.

É importante ressaltar que durante o tratamento da panleucopenia felina o gato infectado deve ficar de quarentena. Caso você tenha tido um gato com panleucopenia felina, é muito importante fazer um controle do ambiente antes de pegar outro felino.

Quanto tempo dura a panleucopenia felina?

Como a panleucopenia felina tem cura, uma dúvida comum é quanto tempo a doença pode afetar o animal. Geralmente, os bichanos sobreviventes podem continuar eliminado o vírus por um período de até cinco meses por meio das fezes. Por isso, seguindo o tratamento indicado pelo veterinário, o animal pode se recuperar e ficar curado.

Como prevenir a panleucopenia felina?

A única forma de prevenir a doença é com a vacina de gato. “A prevenção é feita através do protocolo vacinal, que começa quando o animal ainda é filhote e anualmente deve ser feito o reforço da vacina”, esclarece a especialista. Caso o felino não tenha sido imunizado e contraia a doença, ele precisa passar por todo o tratamento para, só então, receber a vacina.

Publicado originalmente em: 28/10/2019

Atualizado em: 26/09/2023