Saúde

Veterinário explica tudo sobre a úlcera de córnea em cães

A úlcera de córnea em cães parece inofensiva, mas pode trazer graves consequências para a visão do cãozinho
A úlcera de córnea em cães parece inofensiva, mas pode trazer graves consequências para a visão do cãozinho

Se um cisco no olho já é capaz de causar bastante incômodo, imagina uma ferida a região ocular? Assim como acontece com os humanos, os animais também podem sofrer com esse tipo de problema, como é o caso da úlcera de córnea em cachorro, lesão ocular bastante perigosa e que pode deixar o cãozinho cego se não for tratada adequadamente. Mas como surge a enfermidade e quais são as opções de tratamento para esse tipo de úlcera em cachorro? Que cuidados são necessários após a cirurgia e como é possível prevenir a úlcera de córnea? Para esclarecer todas essas questões, o Patas da Casa conversou com a Anna Carolina Tinti, que é médica veterinária do Hospital Vet Popular. Veja o que ela disse a seguir!

Úlcera de córnea em cães: o que é e como o problema se desenvolve?

A córnea é a região mais externa dos olhos dos cães e, por isso, fica mais exposta e vulnerável a diversos tipos de problemas. “Trata-se de uma estrutura transparente que permite a passagem de luz e que protege o olho. Uma lesão nessa região pode causar uma ulceração (ferida), comprometendo a função ocular”, explica a veterinária.

Embora seja um problema relativamente comum, é fundamental buscar a ajuda de um especialista para evitar que o quadro piore ainda mais: “É um dos tipos de problemas oculares mais comuns na medicina veterinária e pode levar o animal à cegueira se não tratada precocemente”. Vale destacar ainda que esse tipo de úlcera em cachorro pode ser superficial ou profunda, e a gravidade da ferida deve ser analisada imediatamente.

As causas da úlcera de córnea são variadas

Como os cães são animais naturalmente curiosos e que gostam de interagir bastante com o ambiente ao seu redor, qualquer contato inesperado com os olhos pode resultar numa ferida. “As causas mais comuns da úlcera de córnea são: lesões ou traumatismos, presença de corpo estranho ou contato com substâncias tóxicas. O problema também pode ocorrer devido à deficiências no canal lacrimal, deformidade anatômicas oculares, presença de tumores oculares ou palpebrais e infecções”, revela Anna Carolina.

Além disso, a médica veterinária destaca que cães braquicefálicos são mais predispostos a esse tipo de problema por causa da anatomia ocular. Como os olhos desses cachorros são “saltados”, a exposição maior do globo ocular favorece as agressões externas. Por isso é muito comum ocorrer a úlcera de córnea em raças como Shih Tzu, Pug, Bulldog Francês e Lhasa Apso.

Faça o quiz e descubra se você tem alergia a gato!

É só preencher e começar! sem cadastros ou formulários.

question quiz stamp

Como você fica ao chegar na casa de um amigo que tem um gato?

Question Header Background
question quiz stamp

O que acontece quando se aproxima de gatinhos na rua ou em feiras de adoção?

Question Header Background
question quiz stamp

As crises alérgicas costumam acontecer:

Question Header Background
question quiz stamp

O que acontece quando você fica perto de alguém que está com a roupa cheia de pelos de gato?

Question Header Background
question quiz stamp

Como seu corpo reage ao entrar em contato com um filhotinho de gato na rua?

Question Header Background
question quiz stamp

Quais são os seus sintomas mais comuns durante uma crise alérgica?

Question Header Background
question quiz stamp

O que você faz para melhorar um quadro de alergia?

Question Header Background

É bem provável que você tenha alergia a gatos e precise consultar um especialista As crises alérgicas fazem parte da sua rotina, mas será que é por causa dos gatos? Passe livre para ter um gatinho: você não tem alergia aos bichanos!
    A úlcera de córnea em cães Shih Tzu, Bulldogs e Pugs é muito comum
    A úlcera de córnea em cães Shih Tzu, Bulldogs e Pugs é muito comum

    Mais Lidas

    Cinomose: tem cura, o que é, quais os sintomas, quanto tempo dura... Tudo sobre a doença de cachorro!
    Saúde animal

    Cinomose: tem cura, o que é, quais os sintomas, quanto tempo dura... Tudo sobre a doença de cachorro!

    Uma das partes mais difíceis de ter um cachorro em casa é o momento em que eles adoecem — e isso piora quando a doença é das mais sérias, como a cinomose. Causada por um vírus, se não for tratada da forma correta, a cinomose em cães pode ser fatal não apenas para o que foi infectado primeiramente, mas para todos os que estiverem em contato com ele. Para entender um pouco mais sobre o que é cinomose canina, seus sintomas, causa e o tratamento, o Patas da Casa conversou com a veterinária Kelly Andrade, do Paraná. Dê uma olhada, aqui embaixo, nas instruções da profissional!

    Feridas em cachorro: veja as mais comuns que atingem a pele do animal e o que pode ser
    Saúde animal

    Feridas em cachorro: veja as mais comuns que atingem a pele do animal e o que pode ser

    As feridas em cachorro podem ter muitas causas e é preciso avaliar a gravidade da situação. Se o seu cão surgiu algum arranhão ou machucados de leve depois de brincar muito com outros animais, o melhor é observar, mas se as feridas na pele do cachorro apareceram do nada você precisa ficar atento e buscar ajuda veterinária. Pode ser um caso de dermatite, alergia de contato ou até picada de algum parasita. O Patas da Casa preparou um guia com as feridas de cachorro mais comuns. Vamos conferir?

    Gato no cio: de quanto em quanto tempo acontece e quanto tempo dura?
    Saúde animal

    Gato no cio: de quanto em quanto tempo acontece e quanto tempo dura?

    Gatos são animais conhecidos pelas suas frequentes fugas quando estão no cio, mas você sabe por quê? Sabe a partir de qual idade a fêmea pode ter o primeiro cio? Esse período pode ser bastante estressante para o felino - e também para o dono -, pois o comportamento do animal muda bruscamente. Está preparado e já está ciente de quanto tempo dura o cio do gato? Nessa matéria vamos tirar essas e outras dúvidas sobre o assunto. Vem com a gente!

    Doença do carrapato: sintomas, tratamento, tem cura... Tudo sobre o parasita em cachorros!
    Saúde animal

    Doença do carrapato: sintomas, tratamento, tem cura... Tudo sobre o parasita em cachorros!

    A doença do carrapato é uma das mais conhecidas entre os pais de pet e também uma das mais perigosas para os cachorros. Transmitida pelo carrapato marrom, bactérias e protozoários invadem a corrente sanguínea e os sintomas variam de acordo com o grau da doença e podem causar coloração amarela na pele e mucosas, distúrbios de coagulação, manchas vermelhas espalhadas pelo corpo, sangramento nasal e, em casos mais raros, problemas neurológicos e até mesmo a morte do cachorro. Para ajudar a esclarecer dúvidas sobre a doença do carrapato, o Patas da Casa entrevistou a veterinária Paula Ciszewsi, de São Paulo. Confira abaixo!

    Úlcera de córnea: cachorro costuma apresentar lacrimação excessiva como sintoma

    Para identificar a úlcera de córnea em cães não é muito difícil. De acordo com a veterinária, os sintomas mais comuns são dor intensa, lacrimação excessiva, sensibilidade à luz, enoftalmia (retração anormal do olho) e blefarospasmos (espasmos musculares ao redor dos olhos). “Em alguns casos, também pode ocorrer inchaço local e aparecimento de vasos sanguíneos na córnea”, acrescenta.

    Ao perceber um ou mais sintomas, é necessário marcar uma consulta com o veterinário para a confirmação do diagnóstico. Nesse meio tempo, é importante tomar conta do cãozinho para que ele não lesione o olho ainda mais. “Os sintomas e histórico clínico são muito importantes para o diagnóstico, além da utilização do teste de fluoresceína. Esta substância é aplicada em gota ou fita no olho afetado e vai colorir de verde a zona da úlcera da córnea”, explica a profissional.

    Úlcera de córnea em cães: tratamento vai depender da gravidade do problema

    Existem duas opções de tratamento para a úlcera em cachorro, que é com o uso de medicamentos ou por meio de uma intervenção cirúrgica para a correção da úlcera de córnea. “O tipo de tratamento dependerá da gravidade da úlcera de córnea. Úlceras superficiais podem ser tratadas com antibiótico tópico (colírio) e remoção da causa. Colírios cicatrizantes também podem ser indicados para acelerar o processo de cura. As úlceras se resolvem em aproximadamente uma semana”, orienta a médica veterinária.

    No caso de uma profunda úlcera em cães, tratamento é bastante semelhante a este método terapêutico, mas se a lesão ultrapassar mais da metade da espessura da córnea, a melhor solução é a cirurgia. A recuperação e cicatrização dura cerca de um mês. “Em ambos os casos, o animal deve usar o colar elizabetano durante todo o período de tratamento, pois devido ao incômodo e dor local, é comum os animais coçarem e causarem mais danos no local”.

    Para quem gosta de procurar alternativas mais acessíveis, como um remédio caseiro para úlcera de córnea em cães, é importante ter atenção. Esse tipo de atitude pode prejudicar ainda mais a visão do seu amigo, ainda que a intenção seja das melhores. Jamais pense em automedicar seu pet, pois a supervisão de um veterinário faz toda a diferença para cuidar da saúde do cachorro.

     

    Úlcera de córnea em cães: tratamento deve ser orientado por médico veterinário
    Úlcera de córnea em cães: tratamento deve ser orientado por médico veterinário

    Cirurgia de úlcera de córnea em cães requer cuidados no pós-operatório

    Nos casos mais severos em que a cirurgia é a única opção, o tutor deve se preparar financeiramente e ter alguns cuidados no pós-cirúrgico. Assim como a maioria dos procedimentos, quando se trata da cirurgia de úlcera de córnea em cães, valor pode variar de acordo com o profissional e com a gravidade da situação. Além disso, a solicitação de exames complementares e o uso de remédios durante a recuperação também acabam interferindo no resultado final.

    Sobre os cuidados com o cão, Anna Carolina destaca: “É importante o animal ficar de repouso, usar o colar elizabetano até o dia da alta cirúrgica, evitar banhos para evitar que produtos tóxicos entrem em contato com os olhos e manter rigorosamente o tratamento e orientações prescritas pelo médico veterinário”.

    Como prevenir a úlcera de córnea em cães?

    Existem algumas formas de evitar que a úlcera canina afete o seu amigo de quatro patas. Uma delas é supervisionando sempre todas as brincadeiras do cãozinho, principalmente se ele faz parte do grupo de raças braquicefálicas, para garantir que nenhum objeto vai entrar em contato com o globo ocular do animal. “Também é importante evitar o contato com substâncias tóxicas aos olhos”, recomenda Anna Carolina. Produtos químicos, como shampoos humanos, estão incluídos nessa lista, assim como produtos de limpeza. 

    Além disso, outro cuidado muito importante é realizar visitas regulares ao médico veterinário para um check-up geral. Assim é possível realizar uma avaliação do globo ocular para identificar alterações que podem levar ao surgimento de uma úlcera de córnea em cães, conforme a especialista explica.

    Redação: Juliana Melo

    Bexiga do gato: tudo que você precisa saber sobre o trato urinário inferior dos felinos

    Próxima matéria

    Bexiga do gato: tudo que você precisa saber sobre o trato urinário inferior dos felinos

    Vira-lata: tudo o que você precisa saber sobre os cães sem raça definida (SRD)
    Adoção

    Vira-lata: tudo o que você precisa saber sobre os cães sem raça definida (SRD)

    O vira-lata é o cachorro mais querido e presente nos lares brasileiros. E não é pra menos, né? Esperto, brincalhão e cheio de amor para dar, ele é um ótimo candidato a transformar a sua casa em um lugar mais divertido e, de quebra, ser um companheiro para todas as horas. Oficialmente chamado de sem raça definida (SRD), o cachorro vira-lata não tem uma origem clara e possui características que o tornam único. O cãozinho SRD desperta muitas dúvidas entre os tutores: quanto tempo vive um vira-lata? 

    Cane Corso: tudo que você precisa saber sobre a raça de cachorro gigante de origem italiana
    Grandes

    Cane Corso: tudo que você precisa saber sobre a raça de cachorro gigante de origem italiana

    Um dos cãezinhos mais surpreendentes é o Cane Corso. Embora ele não seja tão popular quanto outras raças de cachorro grande, como o Labrador e o Golden Retriever, o Cane Corso é dono de um enorme coração e tem uma personalidade incrível. Algumas pessoas podem até se intimidar com o tamanho e a postura imponente do doguinho, mas só quem convive com um Cane Corso sabe como estes cães são adoráveis e carinhosos.

    Fox Terrier: características físicas, personalidade, cuidados e muito mais... saiba tudo sobre a raça
    Pequenos

    Fox Terrier: características físicas, personalidade, cuidados e muito mais... saiba tudo sobre a raça

    Os cães do grupo Terrier fazem sucesso por onde passam, e com o Fox Terrier não é diferente. Ele representa perfeitamente as raças de cachorro desse grupo: é animado, ativo, cheio de energia, habilidoso e, claro, incrivelmente fofo. Muitas pessoas chegam a confundi-lo com o Fox Paulistinha, uma raça de Terrier originária do Brasil que descende do cruzamento do Fox Terrier com outros cães. No entanto, esses dois doguinhos são bem diferentes entre si, especialmente no que diz respeito à pelagem e traços físicos.

    Saiba tudo sobre o gato Himalaia: origem, características, personalidade, cuidados e muito mais
    Raças

    Saiba tudo sobre o gato Himalaia: origem, características, personalidade, cuidados e muito mais

    O gato Himalaia é, sem dúvidas, uma das raças mais queridinhas e desejadas pelos amantes de felinos. Ele reúne em sua genética a mistura de outras duas raças que são muito populares: o gato Persa e o Siamês. Ou seja, é carisma e fofura em dose dupla! Além disso, esse gatinho tem uma personalidade super dócil e tranquila, sendo a companhia perfeita para quem sempre sonhou em ter um bichinho de estimação. Se esse é o seu caso, ou se você já tem um gato do Himalaia e quer conhecer tudo sobre ele, essa matéria vai te ajudar bastante. 

    Ver Todas >

    Síndrome de Wobbler: entenda mais sobre a doença que afeta raças de cachorros grandes
    Saúde animal

    Síndrome de Wobbler: entenda mais sobre a doença que afeta raças de cachorros grandes

    A síndrome de wobbler é uma doença que afeta principalmente raças de cachorro de grande porte. Ela atinge as vértebras e a medula espinhal do cachorro, desencadeando problemas neurológicos e de locomoção. O tratamento precisa ser o mais rápido possível, pois a síndrome de wobbler pode avançar para estágios mais graves e trazer consequências sérias ao animal. .

    Veja 5 fatos sobre a cadela no cio que você precisa saber
    Saúde animal

    Veja 5 fatos sobre a cadela no cio que você precisa saber

    A cadela no cio pode ser um momento delicado tanto para o tutor como para o pet. O período acaba gerando muitas curiosidades e dúvidas como: “com quantos meses a cadela entra no cio?” ou “de quanto em quanto tempo a cadela entra no cio?”. Saber as respostas para todos esses questionamentos vai ajudar o tutor do cachorro a lidar com o período. 

    Tumor venéreo transmissível: 5 coisas que você precisa entender sobre o TVT
    Saúde animal

    Tumor venéreo transmissível: 5 coisas que você precisa entender sobre o TVT

    O tumor venéreo transmissível, que também é chamado de TVT, tumor de Sticker ou sarcoma infeccioso, é uma neoplasia pouco conhecida pelos pais de pets. Esse problema de saúde costuma ser mais comum em animais abandonados, mas nada impede que cachorros que vivam em apartamento sejam infectados pela doença venérea. O TVT em cães é grave e fácil de ser transmitido.

    Bronquite em gatos: 5 sinais da doença respiratória que atinge os felinos
    Saúde animal

    Bronquite em gatos: 5 sinais da doença respiratória que atinge os felinos

    Muitas podem ser as causas de um gato tossindo, desde uma bola de pelo presa na garganta até uma alergia a alguma substância que ele teve contato. Porém, na maioria dos casos, o gato com tosse é sinal de problema respiratório - que pode ser leve, como uma gripe simples, ou grave, como uma pneumonia. Dentre as doenças respiratórias que mais acometem os bichanos, a bronquite felina é uma das que precisam de mais atenção. 

    Ver Todas >