Saúde

Pancreatite canina: veterinário tira todas as dúvidas sobre essa doença inflamatória que pode ser muito grave

Pancreatite em cachorro é uma doença grave, mas tem cura e tratamento.
Pancreatite em cachorro é uma doença grave, mas tem cura e tratamento.

A pancreatite canina é uma doença muito grave e que pode debilitar bastante o animal. Ela ocorre a partir de uma inflamação no pâncreas, que é um órgão fundamental para o equilíbrio do organismo. Diarreia, vômitos, apatia e febre são os sinais mais comuns. Mas não se assuste! A pancreatite em cachorro tem tratamento e é possível prevenir a doença de forma muito simples: basta não deixar nenhum alimento humano ao alcance e resistir a tentação de dar um restinho da sua comida ao seu cachorro. Se você notar cachorro com diarreia, o que fazer em seguida é essencial para evitar as complicações da doença. Para entender mais as causas, sintomas e tratamento da pancreatite canina, entrevistamos o médico veterinário e endocrinologista Gabriel Mora, que atende na Clínica Vet Popular.

Patas da Casa: Como o animal pode pegar a pancreatite canina?

GM: A pancreatite em cachorro pode ser adquirida por alguns motivos. Um deles é uma ingestão rica em carboidratos e gorduras, ou seja, naquele dia que seu animal invadiu a cozinha e comeu um monte de alimentos descontroladamente há um risco maior em desenvolver a inflamação pancreática. Lembre-se que o pâncreas, além de produzir insulina, um hormônio importante para a manutenção da glicemia, também libera no intestino algumas enzimas para a digestão de alimentos. Quando há uma ingestão alta de gorduras, por exemplo, o pâncreas tem que trabalhar muito para dar conta da digestão. Isso gera tanto esforço que ele inflama, causando a famosa pancreatite em cachorro.

Outras causas podem estar relacionadas com doenças sistêmicas crônicas, como distúrbios hormonais, principalmente o Diabetes mellitus (doença que não permite que o pâncreas produza insulina) e o Hiperadrenocorticismo (doença que libera muito cortisol, o hormônio do estresse, na circulação).

PC: Quais são os sintomas da pancreatite em cachorro?

GM: Os sinais clínicos mais comuns da pancreatite canina são:

  • Dor abdominal;
  • Ofegância (principalmente por conta da dor, o animal respira muito rápido);
  • Posição de prece (o animal baixa as patas dianteiras e mantém as traseiras levantadas, parecendo que está rezando - esse sinal é para que seja aliviada a dor abdominal);
  • Febre;
  • Cachorro vomitando e com diarreia;
  • Falta de apetite;
  • Aumento ou diminuição da ingestão de água.

PC: Como funciona o diagnóstico da pancreatite? Cachorro precisa fazer quais exames?

GM: O diagnóstico da pancreatite canina pode ser iniciado com a suspeita clínica do desconforto abdominal. O profissional veterinário solicitará exames de sangue específicos para avaliar a funcionalidade do pâncreas e solicitará um ultrassom do abdômen- neste exame, poderá avaliar a inflamação do pâncreas, que pode apresentar algumas estruturas anatômicas alteradas. O check-up sanguíneo total também é importante, pois caso a pancreatite em cachorro seja uma consequência de alguma doença crônica, é necessário diagnosticar e tratar para melhorar o funcionamento do pâncreas.

Descubra se você é um cachorro ou um gato!

É só preencher e começar! sem cadastros ou formulários.

No fim de semana, você é o amigo que...?

As férias estão chegando! Vai viajar?

Chegou a hora de escolher a comida! Quem é você?

Que música você escolhe para arrasar no karaokê?

E sobre seus cuidados de beleza?

Vai ficar em casa com o mozão? Você prefere:

Ihhh, você recebeu uma crítica no trabalho… Como reage?

Você é um cachorro! Você é um gato! Você é um gatorro!
    Pancreatite canina: animal com a doença costuma ficar internado para um tratamento mais intenso
    Pancreatite canina: animal com a doença costuma ficar internado para um tratamento mais intenso

    Mais Lidas

    Gato no cio: de quanto em quanto tempo acontece e quanto tempo dura?
    Saúde animal

    Gato no cio: de quanto em quanto tempo acontece e quanto tempo dura?

    Gatos são animais conhecidos pelas suas frequentes fugas quando estão no cio, mas você sabe por quê? Sabe a partir de qual idade a fêmea pode ter o primeiro cio? Esse período pode ser bastante estressante para o felino - e também para o dono -, pois o comportamento do animal muda bruscamente. Está preparado e já está ciente de quanto tempo dura o cio do gato? Nessa matéria vamos tirar essas e outras dúvidas sobre o assunto. Vem com a gente!

    Cinomose: tem cura, o que é, quais os sintomas, quanto tempo dura... Tudo sobre a doença de cachorro!
    Saúde animal

    Cinomose: tem cura, o que é, quais os sintomas, quanto tempo dura... Tudo sobre a doença de cachorro!

    Uma das partes mais difíceis de ter um cachorro em casa é o momento em que eles adoecem — e isso piora quando a doença é das mais sérias, como a cinomose. Causada por um vírus, se não for tratada da forma correta, a cinomose em cães pode ser fatal não apenas para o que foi infectado primeiramente, mas para todos os que estiverem em contato com ele. Para entender um pouco mais sobre o que é cinomose canina, seus sintomas, causa e o tratamento, o Patas da Casa conversou com a veterinária Kelly Andrade, do Paraná. Dê uma olhada, aqui embaixo, nas instruções da profissional!

    Cachorro ofegante: quais problemas o sintoma pode indicar?
    Saúde animal

    Cachorro ofegante: quais problemas o sintoma pode indicar?

    Encontrar o cachorro ofegante não é uma questão incomum na vida dos tutores. Normalmente, os peludos ficam mais cansados depois de um longo passeio ou brincadeiras, mas quando não houve nenhum estímulo é preciso ficar atento. Observe alguns sinais do cachorro ofegante: língua pra fora pode indicar calor ou cansaço, agora se o sintoma estiver acompanhado de tremores ou cachorro com dificuldade de respirar, o ideal é levá-lo imediatamente ao veterinário. Para saber como diferenciar e se há necessidade de buscar ajuda médica, nós conversamos com Ricardo Duarte, que é docente do curso de Medicina Veterinária do Centro Universitário FMU, de São Paulo.

    Vermífugo para cachorro: veterinária tira todas as dúvidas sobre o intervalo de uso do remédio
    Saúde animal

    Vermífugo para cachorro: veterinária tira todas as dúvidas sobre o intervalo de uso do remédio

    Você certamente já ouviu falar em vermífugo para cães. Mas sabe, exatamente, para que ele serve? Quem tem animal de estimação precisa estar atento a uma série de cuidados para manter a saúde do bichinho em dia - e usar esse remédio no período certo é uma dessas medidas indispensáveis para a proteção do pet. Como o nome já indica, o medicamento previne doenças causadas por vermes, como a Dirofilaria immitis, Toxocara canis e Giárdia sp.

    PC: Como é o tratamento do cachorro doente? Por quanto tempo a pancreatite dura? 

    GM: O tratamento de escolha será sempre internação. Principalmente se estiver causando todos os sinais clínicos, como no caso de um cachorro com diarreia e cachorro vomitando. Esse animal precisa receber fluidoterapia em tempo integral (algo que ajuda muito a tirar a inflamação pancreática e viabilizar que os medicamentos façam efeito); receber analgésicos para a dor, com injeções a cada 6 ou 8 horas ou de forma contínua se a dor for muito forte; e antibióticos para melhorar o funcionamento pancreático e estabilizar as bactérias intestinais. No caso de vômito e diarreia, cachorro deve tomar remédio e receber uma alimentação pobre em gordura.

    PC: O animal ainda precisa de cuidados específicos depois que o tratamento da pancreatite canina acaba? 

    GM: Depois que o animal estabilizou da dor e o pâncreas voltou a funcionar, ele pode ser levado de volta para casa. O tempo de internação é muito relativo, vai depender de quanto tempo o animal está com a inflamação, quais alimentos ele ingeriu ou do tipo de doença que pode ter causado a pancreatite, se for o caso. Há animais que conseguem ficar estáveis com dois dias de internação. Já os mais graves podem precisar ficar sete dias ou mais. 

    Quando o animal vai para casa, precisa de cuidados medicamentosos ainda. Vai precisar continuar tomando os antibióticos que iniciaram na internação, analgésicos, remédios que controlam vômitos e alimentos específicos para um pós internação de pancreatite.

    PC: Um cachorro com pancreatite pode ficar em contato com outros animais? 

    GM: No caso da pancreatite, cães podem ficar em contato com outros animais sem problemas, pois não é um processo patológico infeccioso. Mas lembrem-se que se o animal que teve pancreatite comeu um alimento que não podia e o outro animal também pode ter tido esse contato. Então, há necessidade de ficar de olho para evitar que o outro animal também desenvolva a mesma patologia. 

    PC: Como prevenir a pancreatite canina? 

    GM: Para a prevenção da pancreatite em cachorro, o tutor deve sempre levar em consideração que o alimento gorduroso pode ser o principal causador da doença. É preciso um cuidado para o animal não chegar perto de comidas “proibidas”. A realização de exames periódicos (de preferência, a cada 6 meses) previne doenças crônicas, como Diabetes e Hiperadrenocorticismo, que podem em algum momento desenvolver a pancreatite por causar excesso de produção do pâncreas. Uma boa alimentação e um controle do organismo com a visita ao veterinário conseguem propiciar ao seu animal uma melhor qualidade de vida e diagnósticos precoces.

    Redação: Júlia Cruz

    Hipotireoidismo e hipertireoidismo em gatos: qual a diferença, como identificar e quais os tratamentos?

    Próxima matéria

    Hipotireoidismo e hipertireoidismo em gatos: qual a diferença, como identificar e quais os tratamentos?

    Insuficiência renal em gatos: veterinária tira todas as dúvidas sobre essa doença grave que atinge os felinos!
    Saúde

    Insuficiência renal em gatos: veterinária tira todas as dúvidas sobre essa doença grave que atinge os felinos!

    A insuficiência renal em gatos é uma doença que pode ser muito comum quando falamos de felinos. Sem cura, o problema precisa de acompanhamento constante e cuidados especiais para evitar complicações. Apesar de ser uma doença grave, o gato com problema renal pode ter qualidade de vida. Para tirar as dúvidas sobre a insuficiência renal em gatos, o Patas da Casa conversou com a médica veterinária Débora Nunes, do Rio de Janeiro. Vem conferir!

    Esporotricose em gatos: conheça mais sobre essa doença grave que pode atingir os felinos
    Saúde

    Esporotricose em gatos: conheça mais sobre essa doença grave que pode atingir os felinos

    A esporotricose em gatos é uma das doenças mais graves que pode atingir os felinos. Isso porque ela evolui muito rápido para a fase disseminada, causando sérios riscos à vida do gatinho. Provocada por um fungo presente em vegetações, a “micose” apresenta feridas bem características na pele do felino, sendo esse um dos principais sintomas da doença. Apesar da complexidade da infecção, o tratamento correto é capaz de curar essa doença de gato. Esporotricose também pode ser prevenida com alguns cuidados específicos no dia a dia do seu felino. Para saber mais sobre a doença, nós conversamos com o médico veterinário Frederico Lima, do Rio de Janeiro.

    Dogo Argentino: tudo o que você precisa saber sobre essa raça de cachorro grande
    Grandes

    Dogo Argentino: tudo o que você precisa saber sobre essa raça de cachorro grande

    Você já ouviu falar no Dogo Argentino? Essa é uma raça de cachorro que teve origem em um país vizinho ao nosso, a Argentina. Embora pareçam sérios, os cães desta raça são uns amores e têm tudo para te conquistar, principalmente se o que você procura é um amigo de quatro patas bem leal e parceiro. Mas antes de comprar ou adotar um cachorro desta raça, que tal conhecê-lo um pouco mais a fundo? 

    Babesiose canina: o que é e sintomas mais comuns. Saiba tudo sobre esse tipo da doença do carrapato!
    Carrapato

    Babesiose canina: o que é e sintomas mais comuns. Saiba tudo sobre esse tipo da doença do carrapato!

    Os carrapatos são o pesadelo de qualquer dono de cachorro! Além de provocar coceiras, alergias e outros incômodos, o parasita também é responsável por transmitir doenças muito graves aos cães. Mesmo que seja algo relativamente comum entre os animais, o problema não deve ser subestimado pelos tutores. A doença do carrapato, como é popularmente conhecida, pode se manifestar de quatro maneiras diferentes, dependendo da espécie do parasita infectado. A Babesiose canina é uma das principais formas de manifestação da enfermidade. Por isso, preparamos um guia completo sobre tudo o que você precisa saber!

    Ver Todas >

    Gato idoso pode desenvolver Alzheimer?
    Saúde animal

    Gato idoso pode desenvolver Alzheimer?

    A idade também chega para os animais de estimação. No caso de um gato idoso, a atenção com alimentação e saúde deve ser redobrada nessa fase da vida. No entanto, às vezes mesmo com tantos cuidados, alguns problemas se tornam inevitáveis, como é o caso da demência em gatos. Você já se perguntou se gato tem Alzheimer alguma vez? Na verdade, a condição é conhecida no universo veterinário como Síndrome da Disfunção Cognitiva, uma condição que apresenta sinais semelhantes ao Alzheimer em humanos. 

    O que a doença do carrapato causa no organismo do cachorro?
    Saúde animal

    O que a doença do carrapato causa no organismo do cachorro?

    Cuidar da saúde do cachorro é dever de todo tutor! Por isso, às vezes até mesmo uma simples alteração no apetite do animal pode ser indicativo de que tem algo de errado com o seu amigo de quatro patas. Quando se trata da doença do carrapato, cachorro pode apresentar diferentes sintomas do quadro. O problema pode se manifestar de várias formas no organismo do cachorro - algumas mais comuns do que outras. 

    8 mitos e verdades sobre a saúde dos gatos
    Saúde animal

    8 mitos e verdades sobre a saúde dos gatos

    Quando se trata da saúde de gato, uma coisa é certa: todo o cuidado é pouco. Embora exista a lenda de que os bichanos possuem sete vidas, alguns cuidados específicos influenciam diretamente no bem-estar e, principalmente, na expectativa de vida do seu amigo. Ainda assim, é comum que alguns tutores tenham dúvidas sobre as medidas necessárias para proteger o seu pet e evitar as principais doenças de gato, especialmente os gateiros de primeira viagem. 

    Batimentos cardíacos de cachorro: qual a frequência considerada normal e como medir?
    Saúde animal

    Batimentos cardíacos de cachorro: qual a frequência considerada normal e como medir?

    Todo mundo sabe que os cães são donos de um enorme coração, sempre dispostos a dar muito amor e carinho para quem quiser receber. Contudo, é sempre importante ficar atento a possíveis alterações no coração de cachorro, e saber como medir os batimentos cardíacos do animal pode ajudar bastante nessas horas. Mas então, como analisar isso da forma correta? Qual é a frequência considerada normal quando se trata dos batimentos cardíacos de um cachorro?

    Ver Todas >