Saúde

Disfunção cognitiva canina: veterinário neurologista explica as características da síndrome

A disfunção cognitiva canina costuma atingir, principalmente, o cão idoso. Saiba mais sobre o problema!
A disfunção cognitiva canina costuma atingir, principalmente, o cão idoso. Saiba mais sobre o problema!

Ter um cachorro idoso que não responde mais a certos comandos, que voltou a fazer xixi e cocô no lugar errado ou que parece ter perdido um pouco da noção espacial pode ser mais sério do que se imagina. A síndrome da disfunção cognitiva canina é uma condição que costuma atingir cães mais velhos, principalmente a partir dos 7 anos de idade, e que acaba impactando bastante a vida desses animais. “O quadro refere-se a um conjunto de alterações comportamentais, que refletem a perda da capacidade de aprendizado, memória, atenção e noção espacial do cão”, explica o veterinário neurologista André Azevedo, do Rio Grande do Sul. Veja o que mais ele nos contou sobre o assunto!

Disfunção cognitiva: cão idoso está mais propenso a desenvolver o problema

Envelhecer é um processo natural, mas que pode deixar o cachorro idoso mais vulnerável a certos problemas, como a disfunção cognitiva canina. “É uma doença neurodegenerativa, que leva a uma perda da capacidade cognitiva maior do que seria considerada normal para a idade, podendo levar a estados de grave demência”, explica André. Segundo o especialista, alguns estudos ainda estão sendo feitos para tentar identificar a causa exata do problema, que ainda não foi totalmente esclarecida. “Alguns até encontraram semelhanças com a doença de Alzheimer em humanos. Porém, o mecanismo exato que desencadeia a síndrome ainda não foi totalmente elucidado”.

Outros estudos também chegaram a levantar a hipótese de que fêmeas, animais castrados e cães de pequeno porte também seriam mais suscetíveis à doença, mas ainda não houve a confirmação disso. “O que se sabe com certeza é que, quanto mais velho o cão, maior o risco de desenvolver a síndrome da disfunção cognitiva canina. Cães epilépticos também têm maior risco de desenvolver a doença, e bem mais cedo quando comparados a cães normais”.

8 sintomas da disfunção cognitiva canina

Mudança do padrão de sono, dormindo durante o dia e permanecendo ativo à noite;

• Diminuição da interação com os donos e outros animais da casa;

• Desorientação, ficar perdido pela casa ou preso atrás de móveis e portas;

• Ansiedade;

• Andar compulsivo, principalmente à noite;

• Urinar ou defecar no local errado;

• Perda de aprendizado e memória, como o esquecimento de comandos que já sabia;

Ficar latindo ou chorando em excesso, principalmente à noite.

Quais raças de cachorro mais combinam com você?

É só preencher e começar! sem cadastros ou formulários.

Depois do expediente de trabalho na sexta, o que você gosta de fazer?

Como seria o seu domingo perfeito?

Como você fica em um dia de chuva?

Como seria a viagem ideal nas férias?

Como você costuma encontrar os amigos?

Qual o seu tipo de exercício favorito?

Como é a sua rotina matinal?

Como é a sua agenda no fim de semana?

Schnauzer e Shih Tzu são raças mais independentes Golden Retriever e Yorkshire gostam de companhia Border Collie e Jack Russell Terrier são aventureiros
    O cachorro idoso diagnosticado com a doença precisa de estímulos físicos e mentais para retardar a progressão do quadro
    O cachorro idoso diagnosticado com a doença precisa de estímulos físicos e mentais para retardar a progressão do quadro

    Mais Lidas

    Cinomose: tem cura, o que é, quais os sintomas, quanto tempo dura... Tudo sobre a doença de cachorro!
    Saúde animal

    Cinomose: tem cura, o que é, quais os sintomas, quanto tempo dura... Tudo sobre a doença de cachorro!

    Uma das partes mais difíceis de ter um cachorro em casa é o momento em que eles adoecem — e isso piora quando a doença é das mais sérias, como a cinomose. Causada por um vírus, se não for tratada da forma correta, a cinomose em cães pode ser fatal não apenas para o que foi infectado primeiramente, mas para todos os que estiverem em contato com ele. Para entender um pouco mais sobre o que é cinomose canina, seus sintomas, causa e o tratamento, o Patas da Casa conversou com a veterinária Kelly Andrade, do Paraná. Dê uma olhada, aqui embaixo, nas instruções da profissional!

    Gato no cio: de quanto em quanto tempo acontece e quanto tempo dura?
    Saúde animal

    Gato no cio: de quanto em quanto tempo acontece e quanto tempo dura?

    Gatos são animais conhecidos pelas suas frequentes fugas quando estão no cio, mas você sabe por quê? Sabe a partir de qual idade a fêmea pode ter o primeiro cio? Esse período pode ser bastante estressante para o felino - e também para o dono -, pois o comportamento do animal muda bruscamente. Está preparado e já está ciente de quanto tempo dura o cio do gato? Nessa matéria vamos tirar essas e outras dúvidas sobre o assunto. Vem com a gente!

    Feridas em cachorro: veja as mais comuns que atingem a pele do animal e o que pode ser
    Saúde animal

    Feridas em cachorro: veja as mais comuns que atingem a pele do animal e o que pode ser

    As feridas em cachorro podem ter muitas causas e é preciso avaliar a gravidade da situação. Se o seu cão surgiu algum arranhão ou machucados de leve depois de brincar muito com outros animais, o melhor é observar, mas se as feridas na pele do cachorro apareceram do nada você precisa ficar atento e buscar ajuda veterinária. Pode ser um caso de dermatite, alergia de contato ou até picada de algum parasita. O Patas da Casa preparou um guia com as feridas de cachorro mais comuns. Vamos conferir?

    Doença do carrapato: sintomas, tratamento, tem cura... Tudo sobre o parasita em cachorros!
    Saúde animal

    Doença do carrapato: sintomas, tratamento, tem cura... Tudo sobre o parasita em cachorros!

    A doença do carrapato é uma das mais conhecidas entre os pais de pet e também uma das mais perigosas para os cachorros. Transmitida pelo carrapato marrom, bactérias e protozoários invadem a corrente sanguínea e os sintomas variam de acordo com o grau da doença e podem causar coloração amarela na pele e mucosas, distúrbios de coagulação, manchas vermelhas espalhadas pelo corpo, sangramento nasal e, em casos mais raros, problemas neurológicos e até mesmo a morte do cachorro. Para ajudar a esclarecer dúvidas sobre a doença do carrapato, o Patas da Casa entrevistou a veterinária Paula Ciszewsi, de São Paulo. Confira abaixo!

    Entenda como é feito o diagnóstico da doença nos cachorros

    Se você tem um cachorro idoso que começou a apresentar um ou mais sintomas de disfunção cognitiva, talvez seja o momento de buscar a ajuda de um profissional. “O diagnóstico é feito pelo médico veterinário baseado na idade do animal, histórico e sinais clínicos compatíveis com a doença, associado à exclusão de outras patologias que podem provocar sintomas parecidos, como desordens metabólicas ou tumores cerebrais”, conta André. Além disso, conforme o neurologista indica, também é possível realizar um exame de ressonância magnética, que cumpre papel importante nessa análise. Com a ressonância, é possível descartar outras doenças cerebrais e reforçar o diagnóstico da disfunção cognitiva canina.

    Existe tratamento para a disfunção cognitiva nos cães?

    Embora não exista cura para a disfunção cognitiva, com o diagnóstico confirmado é possível iniciar tratamentos capazes de retardar a progressão da doença e dar mais qualidade de vida ao cachorro idoso. “As opções incluem dietas e suplementos nutricionais específicos, medicamentos e acupuntura, tratamentos que podem ser orientados pelo médico veterinário de seu cãozinho”, sugere o veterinário.

    Além disso, outra medida que pode ser bastante eficiente é investir em atividades voltadas para o estímulo físico e mental do animal. Existem várias opções, como os brinquedos interativos para cachorro que ajudam a estimular as habilidades cognitivas. Interações sociais (seja com humanos ou com outros animais), comedouros interativos, exercícios físicos regulares e ensinamento de truques e outros comandos básicos são pontos importantes no tratamento da doença.

    Check-ups e estímulos físicos e mentais podem prevenir a disfunção cognitiva canina

    Segundo o especialista, a principal recomendação para prevenir a doença são atividades de estimulação física e mental, já que esse tipo de exercício é o que mantém o cérebro ativo e retarda a progressão da demência. Outra medida preventiva que também pode ser acrescentada são as consultas de check-up regulares. Assim, é possível ter certeza de como está a saúde do cachorro idoso e até mesmo realizar o diagnóstico precoce da doença, o que certamente ajuda bastante no tratamento. “Muitos donos acabam confundindo os sintomas típicos da disfunção cognitiva com sinais de envelhecimento e só procuram ajuda quando a doença já está muito avançada”, alerta André. Por isso, caso haja qualquer indício ou suspeita de que o seu cãozinho está com disfunção cognitiva canina, não deixe de levá-lo ao veterinário! O acompanhamento médico é fundamental nesse momento.

    Redação: Juliana Melo

    Cachorro estressado: 8 sinais de que o estresse está afetando a saúde do pet

    Próxima matéria

    Cachorro estressado: 8 sinais de que o estresse está afetando a saúde do pet

    Síndrome do gato paraquedista: veterinária explica as características e perigos dessa condição
    Saúde

    Síndrome do gato paraquedista: veterinária explica as características e perigos dessa condição

    Se você tem um bichano e nunca ouviu falar da síndrome do gato paraquedista - também chamada de síndrome do gato voador -, chegou a hora de saber mais sobre o assunto. Essa, na verdade, é uma condição bastante comum e que pode afetar animais de todas as idades e, como o próprio nome indica, tem totalmente a ver com “voar nas alturas”, que é algo que os gatos adoram fazer. Para esclarecer as principais dúvidas sobre o assunto, o Patas da Casa entrevistou a médica veterinária Bruna Oliveira, que é especialista em felinos. Veja só o que ela nos contou!

    Síndrome vestibular canina: veterinária desvenda as características da doença
    Saúde

    Síndrome vestibular canina: veterinária desvenda as características da doença

    Dentre as várias doenças neurológicas que podem afetar os cachorros, uma das mais preocupantes é a síndrome vestibular canina. A doença, que é dividida em duas categorias, atinge o sistema vestibular do animal, que é fundamental para manter o equilíbrio e a orientação espacial do seu amigo. Por isso, é importante saber reconhecer os sintomas dessa patologia, as principais causas e como tratá-la. 

    Gastroenterite canina: veterinária explica as características, sintomas e tratamento da doença
    Vômito

    Gastroenterite canina: veterinária explica as características, sintomas e tratamento da doença

    A gastroenterite canina é uma doença que pode ser causada por uma série de fatores e, dependendo do tipo, pode debilitar o animal o suficiente para ser fatal. Um dos principais diagnósticos de quando você tem um cachorro vomitando ou cachorro com diarreia em casa, ela pode ser tratada com facilidade se for detectada cedo e, em alguns casos, pode até ser prevenida. Para falar e entender um pouco mais sobre a gastroenterite em cachorro, nós conversamos com a veterinária Débora Nunes

    Vulvovaginite em cadelas: veterinário explica as causas do problema e como é feito o tratamento
    Saúde

    Vulvovaginite em cadelas: veterinário explica as causas do problema e como é feito o tratamento

    A vulvovaginite em cadelas é um quadro inflamatório mais comum do que se pensa e que pode atingir as cachorras em qualquer fase da vida, inclusive filhotes. Essa doença pode ser causada por diferentes fatores, e, dependendo da causa, o tratamento pode variar. Por isso, ao observar qualquer vestígio de corrimento saindo da vagina da cadela, é importante ficar atento. Para esclarecer possíveis dúvidas sobre o assunto, entrevistamos o médico veterinário Frederico Lima, do Rio de Janeiro. Veja só o que mais ele disse sobre a vulvovaginite canina a seguir!

    Ver Todas >

    Quais são os cuidados com gatos renais crônicos?
    Saúde animal

    Quais são os cuidados com gatos renais crônicos?

    Se você é um gateiro, com certeza já ouviu falar sobre o perigo das doenças renais nos felinos. Se os cuidados são importantes em qualquer fase de vida do pet, no caso de um gato com insuficiência renal a preocupação é maior ainda. A insuficiência renal em gatos é uma doença que acomete principalmente os felinos idosos, mas também pode ser comum em outras idades e também na raça de gato Persa, que possui predisposição genética para esse tipo de problema. 

    Icterícia em cães: entenda o que é o problema e os sinais mais comuns
    Saúde animal

    Icterícia em cães: entenda o que é o problema e os sinais mais comuns

    Se você nunca ouviu falar na icterícia em cães, chegou a hora de entender um pouco mais sobre o problema que, embora não seja uma doença, é um sinal clínico que pode indicar que a saúde do cachorro não vai muito bem. Mas então, como identificar a icterícia canina e quais são as principais causas associadas a esse sintoma?

    Quais são as doenças de cachorro mais comuns no verão e como evitá-las?
    Saúde animal

    Quais são as doenças de cachorro mais comuns no verão e como evitá-las?

    Com a chegada do verão, é necessário redobrar os cuidados com o cachorro e também com a sua saúde. Os peludos costumam aproveitar bastante essa época, já que os passeios e banhos de mar ou piscina são mais frequentes. No entanto, a mudança de rotina vem acompanhada de uma grande preocupação, que é a proliferação de certas doenças de cachorro que ocorrem nessa época. Otite canina, desidratação e até mesmo infestação de pulgas e carrapatos são problemas bastante comuns no verão. 

    Verme em cachorro filhote: veja os sinais mais comuns de que o cãozinho está sofrendo com verminoses
    Saúde animal

    Verme em cachorro filhote: veja os sinais mais comuns de que o cãozinho está sofrendo com verminoses

    Os filhotes de cachorro são muito mais propensos a sofrerem com verme. Além da contaminação facilmente ocorrer pela amamentação, os filhotes ainda estão desenvolvendo o sistema imunológico e diversas funções do organismo. É por isso que a primeira dose do vermífugo para cachorro filhote deve ser feita aos 30 dias de vida, com reforço mensal até os seis meses, para garantir a saúde do pet. 

    Ver Todas >