Quando se trata da saúde do gato, todo cuidado é pouco. Embora a maioria dos pets cresça de forma saudável, não podemos ignorar que o organismo dos felinos também pode desenvolver diversas doenças preocupantes, como é o caso da micoplasmose felina. O nome pode parecer complicado, mas o quadro nada mais é do que um tipo de anemia que pode se agravar com o decorrer do tempo. Para compreender melhor como essa doença se manifesta no corpo dos gatos, quais são os seus principais sintomas e como é feito o tratamento da micoplasmose felina, o Patas da Casa entrevistou o médico veterinário Matheus Moreira. Veja o que ele nos disse e tire todas as suas dúvidas sobre a enfermidade a seguir!

Quais raças de cachorro mais combinam com você?

Preencha todos os campos para participar.

É só preencher e começar!

Escolha uma opção abaixo

Não tenho pets
Tenho cão
Tenho gato
Tenho cão e gato
Autorizo receber comunicações e publicidade da NESTLÉ®.

O que é a micoplasmose felina e como ocorre a transmissão da doença?

A micoplasmose em gatos, também conhecida como anemia infecciosa felina, é uma doença que não é tão comum. “O mycoplasma é uma bactéria com potencial para causar anemia e outras condições debilitantes em felinos domésticos. No entanto, na maioria das vezes trata-se de um quadro subclínico, fazendo com que o felino não apresente sintomas de que está infectado”, explica o veterinário. Apesar disso, vale destacar que o mycoplasma felino pode se manifestar de forma mais aguda, provocando uma anemia que varia de leve a grave. Quando isso ocorre, os sintomas são mais claros de que algo não vai bem com a saúde do pet.

Sobre a transmissão da doença, Matheus esclarece: “Pode ocorrer por meio de feridas causadas por mordeduras, transfusão sanguínea e transplacentária. Contudo, a forma mais comum é vetorizada por artrópodes hematofagos, tendo como principal vetor a pulga”. Justamente por isso, deve-se ter um cuidado especial com possíveis infestações de pulgas e carrapatos e com as mordidas durante brigas de gatos (principalmente no caso de felinos que não são castrados e saem da casa com frequência).

Algumas pessoas podem até se perguntar se a micoplasmose felina passa para humanos, mas somente os felinos sofrem com essa infecção. Além do mais, outra observação importante feita pelo médico veterinário é que animais infectados com retrovírus (FIV/FELV) são mais predispostos a desenvolver e demonstrar os sinais clínicos.

7 sintomas da micoplasmose em gatos para ficar atento

A maioria dos gatos não costuma apresentar sintomas clínicos de que está com micoplasmose felina, não havendo a necessidade de tratamento. “Nesses casos, geralmente o mycoplasma só é detectado em exames de rotina”, conta Matheus. Porém, conforme a doença começa a se manifestar e se agravar, podem ser percebidos alguns sinais, como:

• Anemia

Falta de apetite

• Perda de peso

• Mucosas pálidas

• Depressão

• Baço aumentado

Icterícia (somente em alguns casos, caracterizada por deixar as mucosas amareladas)

 

A melhor forma de prevenir a micoplasmose felina é evitar infestações de pulgas e carrapatos no gato

A melhor forma de prevenir a micoplasmose felina é evitar infestações de pulgas e carrapatos no gato

 

 

Micoplasma em gatos: como é feito o diagnóstico?

 

“Temos dois métodos de diagnóstico para o mycoplasma em gatos: o primeiro deles é o esfregaço sanguíneo que é feito por meio da coleta de sangue da ponta de orelha, mas que é pouco usado devido a baixa sensibilidade. Em segundo lugar, dispomos também da técnica PCR, que é a mais utilizada e mais confiável para detectar o patógeno no gato”, revela o médico. Por isso, é muito importante procurar a ajuda de um profissional qualificado e de confiança sempre que houver algo de errado com a saúde do seu gatinho. Essa é a maneira mais segura e eficiente de se obter o diagnóstico correto e, em seguida, começar o tratamento mais adequado para cada caso (se houver necessidade para tal). Embora a micoplasmose felina nem sempre seja sintomática, as consultas de rotina podem ajudar a identificar qualquer tipo de anomalia no animal.

Cura da micoplasmose felina só é possível com tratamento adequado

Felizmente, a micoplasmose felina tem cura se for tratada corretamente, segundo Matheus: “É possível atingir a cura clínica da doença. O tratamento é feito por meio de antibióticos e medicações de suporte, que serão indicadas de acordo com os sintomas apresentados”. Dependendo da gravidade do quadro, o especialista ressalta que pode ser necessário realizar uma transfusão sanguínea. 

Também vale destacar que, embora a recidiva dessa doença não seja muito comum, pode ocorrer. De toda forma, é importante não ceder às tentações de automedicar seu pet, pois isso pode acabar sendo prejudicial para a saúde do animal. Procure sempre a ajuda de alguém qualificado, mesmo que seu bichinho já tenha passado por esse problema antes.

É possível prevenir a micoplasmose felina?

É totalmente possível tomar algumas medidas preventivas quando o assunto é a micoplasmose felina! Como o principal vetor dessa doença é a pulga, então a melhor maneira de evitar que seu amigo de quatro patas seja infectado é afastar qualquer possibilidade de infestação dos parasitas. O uso de coleiras antipulgas pode ser bastante útil, além de limpezas frequentes no ambiente em que o gato vive. castração de gato é outra medida que acaba ajudando na prevenção da micoplasmose felina (e várias outras doenças também), já que o gato diminui as tentativas de fugas e, consequentemente, a possibilidade de brigas com outros felinos na rua. 

Redação: Juliana Melo