close
Saúde

Fluidoterapia em gatos: tudo que você precisa saber sobre o tratamento usado em gatos renais crônicos

A fluidoterapia em gatos é um tratamento capaz de promover a hidratação em gatos com perda de água no organismo
A fluidoterapia em gatos é um tratamento capaz de promover a hidratação em gatos com perda de água no organismo

Você já ouviu falar em fluidoterapia em gatos? Muito comum em casos de insuficiência renal em gatos, a fluidoterapia em felinos é um tratamento de suporte que promove a hidratação do animal. É um procedimento versátil que pode ser aplicado de diversas maneiras e com fluidos específicos para cada situação. Para tirar todas as dúvidas sobre a fluidoterapia em gatos, o Patas da Casa conversou com a veterinária especialista em gato e dona do Diário Felino Jéssica de Andrade. Se você tem um gato com insuficiência renal ou apenas quer saber mais sobre esse tratamento, reunimos todas as informações importantes sobre o assunto.

O que é fluidoterapia em gatos?

A fluidoterapia em gatos é um tratamento de suporte que tem como principal objetivo regular a quantidade de água e eletrólitos no corpo. Jéssica Andrade explica que a fluidoterapia em felinos é eficaz quando os níveis de água no corpo estão baixos: "O objetivo do tratamento é hidratar o paciente que encontra-se em estado de desidratação”. Os benefícios da fluidoterapia em gatos, portanto, são corrigir desequilíbrios de eletrólitos e água, suplementar calorias e nutrientes, restaurar volumes dos líquidos e trazer de volta à condição de normalidade.

Casos de doença renal em gatos costumam se beneficiar do uso da fluidoterapia

A fluidoterapia em gatos é indicada em quadros de desidratação. Nos casos de insuficiência renal em gatos, é um dos tratamentos de suporte mais indicados. Isso porque o gato com insuficiência renal tem dificuldade em filtrar o sangue corretamente, o que acarreta no acúmulo de substâncias que normalmente são eliminadas pela urina. Com a fluidoterapia, gatos com problema renal têm a concentração dessas substâncias diminuídas e se mantêm hidratados. Esse foi o caso da Mia, a gatinha da jornalista Ana Heloísa Costa. A bichana já lida com a temida doença renal crônica em gatos há quase um ano. “Ela tem a função renal bastante comprometida, então não consegue filtrar tão bem os líquidos e acaba ficando muito enjoada por ter um nível mais alto de toxinas no sangue que o normal. Além disso, gatos com condições renais ruins perdem mais líquido do que deveriam, então têm tendência a desidratar”, explica a tutora.

O procedimento da fluidoterapia em felinos garante a reposição e o equilíbrio de substâncias no corpo

Existem três etapas no processo de fluidoterapia em gatos. A primeira é a reanimação, geralmente necessária em casos mais urgentes, repondo substâncias perdidas normalmente em casos de choques, vômito e diarreia intensas. A segunda etapa da fluidoterapia em felinos é a reidratação, com a reposição do volume de água e eletrólitos. Por fim, a última etapa da fluidoterapia em gatos é a manutenção, com o objetivo de manter os fluidos a níveis normais.

O soro subcutâneo em gatos e a via venosa são as principais formas de aplicação da fluidoterapia

É importante saber como a fluidoterapia em gatos pode ser aplicada. “A primeira [forma de aplicação] é a administração de soro por via venosa, feita exclusivamente em internamento ou procedimentos hospitalares”, explica a especialista. A via venosa é eficiente e rápida, mas o bichano precisa ser bem monitorado. A aplicação do soro subcutâneo em gatos é a segunda forma possível e uma das mais comuns. “Aplicamos o soro no animal na região subcutânea (entre a pele e musculatura). Pode ser aplicado em consultório em poucos minutos e permite que o animal absorva esse conteúdo durante as horas seguintes”. Ela não é muito indicada para casos de desidratação moderada a grave, mas é bastante eficaz em casos mais leves.  

A Ana Heloísa costuma fazer a aplicação na Mia em casa mesmo: “Aplico o soro de forma subcutânea, ou seja, com uma agulha grossa que fura apenas a pele da Mia e deposita a quantidade de soro prescrita pela vet entre o músculo e a pele. Fica uma 'bolinha' do tamanho de um limão embaixo da pele assim que faço o tratamento. O músculo vai absorvendo esse líquido aos poucos”. A fluidoterapia em gatos pode ser, ainda, aplicada por via oral. Vale lembrar que esse tratamento não serve apenas para felinos. A fluidoterapia subcutânea em cães também é eficaz no tratamento do cachorro desidratado.

Faça o teste e descubra qual a personalidade dominante do seu gato!

É só preencher e começar!

Question Quiz Stamp

Como seu gato reage com a chegada de visitas em casa?

Question Header Background
Question Quiz Stamp

Você está pensando em adotar mais um gatinho. Qual seria a reação do seu felino?

Question Header Background
Question Quiz Stamp

Você precisa levar seu gato ao veterinário e na fila ele encontra outro felino. Como ele reage?

Question Header Background
Question Quiz Stamp

Seu gato fica incomodado quando as portas de casa ficam fechadas?

Question Header Background
Question Quiz Stamp

Como seu gato se comporta com os outros animais da casa?

Question Header Background
Question Quiz Stamp

Você acabou de chegar em casa depois de muito tempo fora. O seu gato:

Question Header Background
Question Quiz Stamp

Seu gato deitou em cima da sua cama e dormiu. Qual a sua reação, humano?

Question Header Background
Question Quiz Stamp

Como seu gato se comporta na hora de se alimentar?

Question Header Background

Gato-humano! Seu gato não perde a oportunidade de estar ao seu lado Gato solitário! Seu gato tem uma personalidade mais quieta e reservada Gato-gato!  Seu gato gosta da companhia de outros felinos Gato curioso! Seu gato está sempre em busca de novas aventuras Gato caçador! Seu gato tem os instintos selvagens mais aflorados
    Fluidoterapia em gatos: a gata Mia precisa ser posicionada em um cantinho para não fugir
    Fluidoterapia em gatos: a gata Mia precisa ser posicionada em um cantinho para não fugir
    O uso da guia para gatos ajuda a controlar melhor o animal para a aplicação, já que eles podem tentar fugir
    O uso da guia para gatos ajuda a controlar melhor o animal para a aplicação, já que eles podem tentar fugir
    O soro subcutâneo em gatos é absorvido pelo organismo aos poucos, por isso é normal ficar uma "bolinha" no local da aplicação
    O soro subcutâneo em gatos é absorvido pelo organismo aos poucos, por isso é normal ficar uma "bolinha" no local da aplicação
    Na hora do procedimento, a bolsa do soro pode ficar posicionada em qualquer lugar que seja um pouco mais alto
    Na hora do procedimento, a bolsa do soro pode ficar posicionada em qualquer lugar que seja um pouco mais alto
    Fluidoterapia em gatos: a gata Mia precisa ser posicionada em um cantinho para não fugir
    O uso da guia para gatos ajuda a controlar melhor o animal para a aplicação, já que eles podem tentar fugir
    O soro subcutâneo em gatos é absorvido pelo organismo aos poucos, por isso é normal ficar uma "bolinha" no local da aplicação
    Na hora do procedimento, a bolsa do soro pode ficar posicionada em qualquer lugar que seja um pouco mais alto

    Mais Lidas

    Cinomose: tem cura, o que é, quais os sintomas, quanto tempo dura... Tudo sobre a doença de cachorro!
    Saúde animal

    Cinomose: tem cura, o que é, quais os sintomas, quanto tempo dura... Tudo sobre a doença de cachorro!

    Uma das partes mais difíceis de ter um cachorro em casa é o momento em que eles adoecem — e isso piora quando a doença é das mais sérias, como a cinomose. Causada por um vírus, se não for tratada da forma correta, a cinomose em cães pode ser fatal não apenas para o que foi infectado primeiramente, mas para todos os que estiverem em contato com ele. Para entender um pouco mais sobre o que é cinomose canina, seus sintomas, causa e o tratamento, o Patas da Casa conversou com a veterinária Kelly Andrade, do Paraná. Dê uma olhada, aqui embaixo, nas instruções da profissional!

    Feridas em cachorro: veja as mais comuns que atingem a pele do animal e o que pode ser
    Saúde animal

    Feridas em cachorro: veja as mais comuns que atingem a pele do animal e o que pode ser

    As feridas em cachorro podem ter muitas causas e é preciso avaliar a gravidade da situação. Se o seu cão surgiu algum arranhão ou machucados de leve depois de brincar muito com outros animais, o melhor é observar, mas se as feridas na pele do cachorro apareceram do nada você precisa ficar atento e buscar ajuda veterinária. Pode ser um caso de dermatite, alergia de contato ou até picada de algum parasita. O Patas da Casa preparou um guia com as feridas de cachorro mais comuns. Vamos conferir?

    Gato no cio: de quanto em quanto tempo acontece e quanto tempo dura?
    Saúde animal

    Gato no cio: de quanto em quanto tempo acontece e quanto tempo dura?

    Gatos são animais conhecidos pelas suas frequentes fugas quando estão no cio, mas você sabe por quê? Sabe a partir de qual idade a fêmea pode ter o primeiro cio? Esse período pode ser bastante estressante para o felino - e também para o dono -, pois o comportamento do animal muda bruscamente. Está preparado e já está ciente de quanto tempo dura o cio do gato? Nessa matéria vamos tirar essas e outras dúvidas sobre o assunto. Vem com a gente!

    Doença do carrapato: sintomas, tratamento, tem cura... Tudo sobre o parasita em cachorros!
    Saúde animal

    Doença do carrapato: sintomas, tratamento, tem cura... Tudo sobre o parasita em cachorros!

    A doença do carrapato é uma das mais conhecidas entre os pais de pet e também uma das mais perigosas para os cachorros. Transmitida pelo carrapato marrom, bactérias e protozoários invadem a corrente sanguínea e os sintomas variam de acordo com o grau da doença e podem causar coloração amarela na pele e mucosas, distúrbios de coagulação, manchas vermelhas espalhadas pelo corpo, sangramento nasal e, em casos mais raros, problemas neurológicos e até mesmo a morte do cachorro. Para ajudar a esclarecer dúvidas sobre a doença do carrapato, o Patas da Casa entrevistou a veterinária Paula Ciszewsi, de São Paulo. Confira abaixo!

    O volume e o tipo de soro usados na fluidoterapia em felinos variam de acordo com cada situação

    No tratamento de fluidoterapia em gatos, a via, o tipo e a quantidade de fluido a ser aplicado variam em cada caso. “Um paciente desidratado possui diversas gravidades. Casos mais graves de desidratação exigem obrigatoriamente a realização da fluidoterapia venosa, realizada no internamento. Em casos mais leves ou crônicos, optamos pela fluidoterapia subcutânea que não exige internação do paciente”, explica Jéssica. Dentre os tipos de fluidos mais comuns, a veterinária destaca o soro subcutâneo em gatos ou ringer com lactato. Além disso, de acordo com cada paciente, podem ser adicionados aos fluidos outros medicamentos. Para aplicar a fluidoterapia em gatos de forma adequada, é preciso prestar atenção em todo histórico de saúde do animal. “É levado em conta as funções hepática e renal e patologias preexistentes para escolher qual tipo de fluido. Para o volume, é considerado a espécie (varia entre cão e gato), peso e nível da desidratação”, esclarece Jéssica.

    O excesso de soro subcutâneo em gatos pode trazer complicações

    A indicação de volume aplicado na fluidoterapia em gatos deve ser respeitada para que o tratamento tenha efeito e não aconteçam problemas. Uma quantidade menor não garante o restabelecimento da hidratação corporal. Já aplicar demais também pode trazer complicações. “Hidratar um animal em excesso pode causar consequências graves, como o acúmulo de líquido em áreas do corpo que não deveriam. Todo tratamento deve ser estabelecido por um médico veterinário de acordo com o diagnóstico do paciente”, explica a especialista.

    Gato com insuficiência renal precisa de aplicações de soro contínuas

    O tratamento de fluidoterapia em gatos geralmente pode ser interrompido quando o quadro de desidratação se torna estável. Porém, existem situações que acometem o gato - problema renal, por exemplo - que precisam de acompanhamento frequente. “Existem doenças, como por exemplo a insuficiência renal em gatos, onde o gato mantém um estado de desidratação crônico, não conseguindo manter sozinho a hidratação normal. Por isso, esse tratamento acaba sendo realizado pelo restante da vida do animal”, explica Jéssica.

    Durante a aplicação da fluidoterapia, gatos podem ficar estressados

    Durante o tratamento de fluidoterapia, gatos podem ficar um pouco inquietos. Apesar de não ser dolorido para o animal, a agulha pode assustá-lo. “A Mia quase sempre reclama da perfuração, chega a rosnar e às vezes tenta me morder. Quanto mais calma e rápida eu conseguir ficar, melhor para o processo”, conta Ana Heloísa. Com o tempo, o gato vai se acostumando. Seguir algumas dicas, como uso de coleiras e guias para gatos, ajuda a deixar o pet mais tranquilo. Outra dica é fazer muito carinho no bichano para que ele se sinta mais confortável. Petiscos oferecidos como reforço positivo também podem ser usados.

    Apesar de não ser dolorido, o gato pode ficar agitado e estressado durante a aplicação do soro subcutâneo
    Apesar de não ser dolorido, o gato pode ficar agitado e estressado durante a aplicação do soro subcutâneo

    O soro subcutâneo em gatos pode ser aplicado pelo próprio tutor

    Principalmente nos casos de doença renal crônica em gatos, é comum que o tutor passe a aplicar o soro subcutâneo em gatos ele mesmo. Para isso, é preciso ter cautela e seguir exatamente as orientações do veterinário. Caso ainda não esteja pronto para aplicar o soro subcutâneo em gatos, é melhor esperar até se sentir confiante. A tutora Ana Heloísa demorou cinco meses para conseguir aplicar sozinha. “Nos primeiros 4 meses do tratamento, eu a levava para fazer a fluidoterapia no veterinário três vezes por semana. Mesmo comprando o soro em farmácia especializada e pagando apenas pela aplicação, o custo era bastante alto. Mas eu não me sentia pronta ainda para aplicar em casa, sozinha. Só no quinto mês é que peguei dicas com vets, observei muito a aplicação e consegui”, conta. 

    Mesmo tendo mais prática com a aplicação do soro subcutâneo em gatos, é normal que vez ou outra o tutor não consiga colocar. “Até hoje, 8 meses depois, ainda há semanas que não consigo fazer o furo e mantê-la paradinha por 10 minutos (por que em casa ela fica muito mais arisca que na clínica, então é mais difícil). Quando isso acontece, eu acabo levando para fazer na clínica ou tento alguma técnica diferente”, explica Ana Heloísa. 

    Fluidoterapia em gatos tem resultados positivos?

    A fluidoterapia em gatos é um tratamento de suporte que ajuda a restabelecer as condições de hidratação do animal de maneira rápida e eficaz. Os resultados costumam ser muito positivos. Ana Heloísa explica que a fluidoterapia em gatos ajudou Mia a ter uma saúde muito melhor: “Ela tinha perdido uns 30% do peso quando estava sem tratamento, não queria comer mais nada e passava o dia todo deitada. Depois do soro e da troca de ração recomendada pela veterinária, ela ganhou mais peso e hoje leva uma vida normal, feliz”. A tutora também conta que, além de ajudar a deixar a Mia mais saudável, a fluidoterapia em gatos ainda foi uma forma de aproximar as duas. “Acaba sendo um momento exclusivo com ela, com muito carinho e cuidado", conta.

    Redação: Maria Luísa Pimenta 

    Piodermite canina: 10 perguntas e respostas sobre a doença que atinge a pele do cachorro

    Próxima matéria

    Piodermite canina: 10 perguntas e respostas sobre a doença que atinge a pele do cachorro

    Galgo Afegão: tudo que você precisa saber sobre a raça de cachorro
    Grandes

    Galgo Afegão: tudo que você precisa saber sobre a raça de cachorro

    O Galgo Afegão, também chamado de Afghan Hound, é um cachorro originário do Oriente Médio com aparência exótica e charmosa, difícil de passar despercebido. O que poucas pessoas sabem é que, por trás da postura elegante e independente do cão Afegão, existe um ótimo companheiro de quatro patas, cheio de energia para gastar e amor para dar. Mas o que é necessário saber sobre essa raça de cachorro antes de comprar ou adotar um exemplar? Como é a personalidade do Afghan Hound e que cuidados são necessários com o cãozinho? 

    Cane Corso: tudo que você precisa saber sobre a raça de cachorro gigante de origem italiana
    Grandes

    Cane Corso: tudo que você precisa saber sobre a raça de cachorro gigante de origem italiana

    Um dos cãezinhos mais surpreendentes é o Cane Corso. Embora ele não seja tão popular quanto outras raças de cachorro grande, como o Labrador e o Golden Retriever, o Cane Corso é dono de um enorme coração e tem uma personalidade incrível. Algumas pessoas podem até se intimidar com o tamanho e a postura imponente do doguinho, mas só quem convive com um Cane Corso sabe como estes cães são adoráveis e carinhosos.

    Boiadeiro de Berna ou Bernese Mountain: tudo o que você precisa saber sobre a raça porte grande
    Grandes

    Boiadeiro de Berna ou Bernese Mountain: tudo o que você precisa saber sobre a raça porte grande

    O Bernese Mountain é um cachorro grande com um charme irresistível. No Brasil, ele também é conhecido como Boiadeiro de Berna, Boiadeiro Bernês ou apenas Bernese, para os íntimos. Embora não seja um dos mais populares, esse cãozinho tem várias qualidades: ele é muito ágil, atlético, companheiro e já foi muito utilizado como cão de pastoreio no passado. Como a raça Bernese surgiu na Suíça, também tem alta resistência às baixas temperaturas.

    Pequinês: tudo o que você precisa saber sobre a raça de cachorro pequeno
    Pequenos

    Pequinês: tudo o que você precisa saber sobre a raça de cachorro pequeno

    Para quem procura por raças de cachorro pequeno, o Pequinês pode ser a companhia perfeita. Além de se adaptar muito bem a apartamentos e outros espaços reduzidos, esse pequeno cãozinho é dotado de uma personalidade carinhosa, amigável e extremamente leal aos seus humanos. Apesar da baixa estatura, o cachorro Pequinês também é super corajoso, e uma das maiores provas de que tamanho não é documento. 

    Ver Todas >

    Dirofilariose canina: saiba mais sobre o verme do coração que atinge os cães
    Saúde animal

    Dirofilariose canina: saiba mais sobre o verme do coração que atinge os cães

    A dirofilariose canina é uma doença silenciosa que pode afetar gravemente a saúde dos pets. Conhecida popularmente como a patologia do verme do coração, a transmissão da doença acontece por meio de uma simples picada de mosquito e pode levar o cachorro a óbito de maneira repentina. Para lidar com a dirofilariose, todo cuidado é pouco! 

    Gato com FIV pode conviver com outros gatos?
    Saúde animal

    Gato com FIV pode conviver com outros gatos?

    A FIV felina é considerada uma das doenças mais perigosas. Além de toda a preocupação ao resgatar ou adotar um gatinho, existe outra questão que precisa de cuidado: a fácil transmissão. Existem testes que detectam a patologia, e é necessário realizá-los antes de levar um novo gato para casa - especialmente se tiver outros gatos. O gato com FIV pode acabar transmitindo a doença para os outros residentes se não houver nenhum tipo de cuidado.

    Vermes em gatos: saiba mais sobre a dirofilariose felina
    Saúde animal

    Vermes em gatos: saiba mais sobre a dirofilariose felina

    A dirofilariose em gatos é uma doença em que os parasitas se alojam na corrente sanguínea do pet e pode chegar até o coração - por isso também é chamada de doença do verme de coração. O problema é uma das doenças causadas por tipos vermes de gato. A dirofilariose também pode atingir os cães e é temida por ser uma complicação de saúde muito perigosa para ambos os pets. 

    Dermatofitose em gatos: saiba mais sobre essa doença muito comum e silenciosa
    Saúde animal

    Dermatofitose em gatos: saiba mais sobre essa doença muito comum e silenciosa

    A dermatofitose em gatos é uma doença de pele silenciosa, porém muito comum de acontecer com os felinos. Mesmo que muitas vezes seja difícil de ser identificada, essa doença é altamente contagiosa e é classificada como uma zoonose, ou seja, também é transmissível para os humanos. Por isso, saber mais sobre os sintomas de dermatofitose é muito importante não só para o bem-estar de seu gato, como também do próprio tutor.

    Ver Todas >