close
Saúde

Anatomia do gato: tudo que você precisa saber sobre os sistema esquelético e muscular dos gatos

Atualizado · 21 de março de 2022 · 18h13

Publicado · 21/03/2022 · 18h13

O esqueleto do gato junto com a musculatura são responsáveis pela sustentação do corpo do animal
O esqueleto do gato junto com a musculatura são responsáveis pela sustentação do corpo do animal

O que você sabe sobre a anatomia do gato? Poucas pessoas se interessam por esse tipo de assunto e acreditam que apenas biólogos ou profissionais ligados à área veterinária devem se aprofundar neste tópico. Se você tem um gatinho em casa, é muito importante entender como o corpo dele funciona, assim como os cuidados que são necessários com cada parte dele- e é aqui que entra a anatomia do gato. Ossos e músculos raramente são levados em consideração nessas horas, mas também cumprem uma função fundamental no organismo dos pets.

Que tal entender um pouco mais sobre o esqueleto felino e sua musculatura? Para te ajudar nessa missão, o Patas da Casa reuniu as principais informações sobre o assunto, como função, quantidade de ossos de gato e várias outras curiosidades da anatomia felina. Vem com a gente!

Anatomia do gato: conheça os principais sistemas do corpo do seu pet

Antes de se aprofundar na musculatura e esqueleto de gato, é bom ter uma ideia geral de como funciona e quais são os principais sistemas que compõem o organismo felino. Por isso, confira algumas informações importantes sobre as funções e características de cada parte do corpo dos bichanos abaixo:

  • Sistema esquelético e muscular:

A estrutura esquelética é a principal responsável pela sustentação do corpo e também tem a função de proteger os órgãos internos e tecidos moles. Além disso, funciona como uma reserva de sais minerais. Já o sistema muscular garante os movimentos do gato, promove a estabilidade corporal, auxilia no fluxo sanguíneo e na regulação da temperatura corporal, assim como faz parte do preenchimento do corpo, garantindo ainda mais a sua sustentação. Uma curiosidade é que os músculos do gato tem uma incrível capacidade de contração, funcionando de forma bem semelhante a uma mola.

  • Sistema nervoso:

O sistema nervoso dos gatos é bem semelhante ao dos humanos, sendo composto por cerca de 250 milhões de neurônios no córtex cerebral. Essas ligações entre os nervos e neurônios é o que coordena e regula todos os movimentos do corpo, sejam eles voluntários ou involuntários. Ou seja, é o sistema nervoso central, localizado no cérebro do gato, que controla todas as sensações e mobilidade do indivíduo. Alguns exemplos de movimentos involuntários são a respiração, batimentos cardíacos e processo digestivo. Já os movimentos voluntários normalmente acontecem por conta de estímulos externos, como sons e cheiros.

  • Sistema digestório:

O sistema digestivo do gato é formado por vários órgãos que são importantes durante o processo de digestão, como boca, faringe, esôfago, estômago, pâncreas e intestino delgado e grosso. Ele é o grande responsável pela quebra de alimentos e líquidos em partículas menores que garantem a absorção dos nutrientes pelo organismo, sendo fundamental para a manutenção da saúde do gato.

  • Sistema cardiorrespiratório:

O sistema respiratório tem como principal função realizar a troca gasosa com o ambiente, liberando gás carbônico e captando gás oxigênio. Mas, além da função respiratória, também possui sensibilidade olfativa que ajuda a decifrar os diferentes odores, e atua na defesa do organismo. Ou seja, se tiver algum alimento estragado por perto, o focinho do gato é capaz de perceber e alertá-lo para não ingerir aquilo.

Já o sistema cardiovascular é formado por vasos sanguíneos e pelo coração, que é responsável por bombear sangue para todo o corpo. Eles trabalham em conjunto para garantir que todas as células recebam nutrientes e oxigênio para funcionarem normalmente.

  • Sistema urinário e reprodutor:

O sistema urinário dos gatos é formado por rins, ureteres, bexiga e uretra. Enquanto os rins e os ureteres constituem o trato urinário superior, a bexiga e a uretra fazem parte do trato urinário inferior. A principal função desse sistema é produzir, armazenar e eliminar a urina, que é composta por vários compostos tóxicos para o organismo felino. É isso que garante o estado de equilíbrio do corpo e de outros sistemas do gato.

Por outro lado, o sistema reprodutor é composto por órgãos sexuais femininos e masculinos que têm a função de auxiliar na reprodução da espécie.

Quais raças de cachorro mais combinam com você?

É só preencher e começar!

Question Quiz Stamp

Depois do expediente de trabalho na sexta, o que você gosta de fazer?

Question Header Background
Question Quiz Stamp

Como seria o seu domingo perfeito?

Question Header Background
Question Quiz Stamp

Como você fica em um dia de chuva?

Question Header Background
Question Quiz Stamp

Como seria a viagem ideal nas férias?

Question Header Background
Question Quiz Stamp

Como você costuma encontrar os amigos?

Question Header Background
Question Quiz Stamp

Qual o seu tipo de exercício favorito?

Question Header Background
Question Quiz Stamp

Como é a sua rotina matinal?

Question Header Background
Question Quiz Stamp

Como é a sua agenda no fim de semana?

Question Header Background

Schnauzer e Shih Tzu são raças mais independentes Golden Retriever e Yorkshire gostam de companhia Border Collie e Jack Russell Terrier são aventureiros
    A anatomia do gato permite que ele tenha habilidades para saltar e escalar
    A anatomia do gato permite que ele tenha habilidades para saltar e escalar

    Mais Lidas

    Cinomose: tem cura, o que é, quais os sintomas, quanto tempo dura... Tudo sobre a doença de cachorro!
    Saúde animal

    Cinomose: tem cura, o que é, quais os sintomas, quanto tempo dura... Tudo sobre a doença de cachorro!

    A cinomose canina é uma das doenças de cachorro mais perigosas e sérias, principalmente porque pode afetar cães de todas as idades e raças e é altamente contagiosa. O que causa cinomose é um vírus da família Paramyxovirus, e quando o animal não é tratado da forma correta, a doença pode até ser fatal (não apenas para o que foi infectado primeiramente, mas para todos os que estiverem em contato com ele). 

    Feridas em cachorro: veja as mais comuns que atingem a pele do animal e o que pode ser
    Saúde animal

    Feridas em cachorro: veja as mais comuns que atingem a pele do animal e o que pode ser

    As feridas em cachorro podem ter muitas causas e é preciso avaliar a gravidade da situação. Se o seu cão surgiu algum arranhão ou machucados de leve depois de brincar muito com outros animais, o melhor é observar, mas se as feridas na pele do cachorro apareceram do nada você precisa ficar atento e buscar ajuda veterinária. Pode ser um caso de dermatite, alergia de contato ou até picada de algum parasita. O Patas da Casa preparou um guia com as feridas de cachorro mais comuns. Vamos conferir?

    Gato no cio: de quanto em quanto tempo acontece e quanto tempo dura?
    Saúde animal

    Gato no cio: de quanto em quanto tempo acontece e quanto tempo dura?

    Gatos são animais conhecidos pelas suas frequentes fugas quando estão no cio, mas você sabe por quê? Sabe a partir de qual idade a fêmea pode ter o primeiro cio? Esse período pode ser bastante estressante para o felino - e também para o dono -, pois o comportamento do animal muda bruscamente. Está preparado e já está ciente de quanto tempo dura o cio do gato? Nessa matéria vamos tirar essas e outras dúvidas sobre o assunto. Vem com a gente!

    Encontrou sangue nas fezes do cachorro? Veja os problemas que o sintoma pode indicar
    Saúde animal

    Encontrou sangue nas fezes do cachorro? Veja os problemas que o sintoma pode indicar

    Encontrar sangue nas fezes do cachorro é um sinal de que algo está fora do normal. O cocô com sangue em cachorro é uma questão que deve ser sempre levada a sério. Há diversas razões para isso acontecer, desde um episódio momentâneo - mais simples de resolver - até doenças mais graves - como a gastroenterite hemorrágica ou câncer em cães. 

    Quantos ossos tem um gato?

    O esqueleto de um gato tem, em média, 244 ossos e é dividido em duas partes: o esqueleto axial e o apendicular. No entanto, esse número pode variar de animal para animal, pois o número de ossos depende de uma série de fatores. A idade do gato é uma delas, uma vez que o crescimento e desenvolvimento de um felino provoca a fusão de alguns elementos ósseos, de forma que um gatinho mais jovem costuma ter mais ossos do que um gato já adulto.

    Outros fatores que podem influenciar na resposta de quantos ossos tem um gato são o sexo e o tamanho da cauda, já que essa região pode conter de 18 a 24 vértebras.

    De maneira geral, o esqueleto do gato axial contém:

    • Crânio
    • Mandíbula
    • Esterno
    • 13 costelas e coluna vertebral (7 vértebras cervicais, 13 torácicas, 7 lombares, 3 sacrais e de 18 a 24 caudais)

    Já o esqueleto apendicular compreende os ossos dos membros superiores e inferiores, e contém em cada membro torácico a escápula, o úmero, o rádio, a ulna, 8 ossos carpais, 5 ossos metacarpais e 3 falanges em cada dedo. Para completar, os gatos também contam com o osso pélvico, que é responsável pela sustentação dos membros pélvicos, onde estão presentes fêmur, patela, tíbia, perônio, fíbula, 7 ossos tarsais, 4 metatarsais e as falanges.

    Quanto tempo demora para calcificar um osso de gato após uma fratura?

    A calcificação nada mais é do que um processo biológico que consiste no depósito de sais de cálcio durante a formação dos ossos. Gato quando sofre uma fratura ou lesão óssea - como um gato com rabo quebrado -, muitos tutores se perguntam quanto tempo demora para calcificar um osso do pet. O processo pode ser um pouco demorado: em cerca de duas semanas já ocorre a união das extremidades da fratura com a parte do osso de gato que ficou intacta. Seis semanas depois, a fissura desaparece. No entanto, o processo de calcificação, que é a última fase, pode durar alguns meses e precisa de acompanhamento veterinário. 

    Esqueleto de gato: por não possuírem clavícula, os felinos conseguem se contorcer e entrar em qualquer lugar
    Esqueleto de gato: por não possuírem clavícula, os felinos conseguem se contorcer e entrar em qualquer lugar

    5 doenças que podem atingir os ossos do gato

    1) Displasia coxofemoral

    Trata-se de uma malformação na articulação do quadril, de forma que a cabeça do fêmur (osso da perna) não se encaixa perfeitamente em uma área da pelve, chamada de acetábulo. Isso gera uma instabilidade articular e dificulta a locomoção, pois o movimento é prejudicado. Um dos principais sinais que indica a displasia coxofemoral em gatos é quando o animal fica manco, sente dor e não consegue andar direito.

    2) Luxação de patela

    É uma doença ortopédica que acontece quando há o deslocamento da patela da sua posição normal, causando um desencaixe na sua articulação. Esse quadro é caracterizado por dor e insegurança em apoiar a pata. Ele é mais frequente em gatos obesos, mas também pode ser causado por quedas, traumas e acidentes.

    3) Doença articular degenerativa

    Conhecida também como osteoartrose, a doença articular degenerativa (DAD) é um problema cada vez mais frequente nos ossos de gato. É uma patologia crônica caracterizada pela deterioração da cartilagem articular e dos tecidos que envolvem a articulação. Causa muita dor, rigidez e pode levar até mesmo a perda da função.

    4) Osteomielite

    É uma inflamação que afeta um ou mais ossos do gato, e pode ser crônica ou aguda. Geralmente, é causada por uma infecção bacteriana ou fúngica que acomete fraturas expostas ou quando ocorre exposição óssea por tempo prolongado.

    5) Tumores ósseos

    O tumor em gatos é um outro problema que não pode ser descartado, e na maioria das vezes quando a região afetada é o osso, o tumor costuma ser maligno. O mais comum é o osteossarcoma, e ele pode ser diagnosticado por meio de exames de imagem solicitados pelo médico veterinário.

    Anatomia felina: músculos desempenham papel importante na flexibilidade do gato

    Os ossos do gato combinados com as articulações e músculos conferem uma alta flexibilidade aos felinos. Como a coluna vertebral não tem ligamentos, e sim músculos no seu lugar, os discos vertebrais e a coluna como um todo são super flexíveis. É isso que permite que o gato observe atentamente tudo que acontece ao seu redor, podendo girar a cabeça em várias direções.

    Outro ponto importante é que os felinos não possuem clavícula, mas uma cartilagem que ligada ao músculo que permite que eles consigam se mover, esticar o corpo, contorcer e entrar em lugares mais estreitos. É por conta disso que eles têm a incrível habilidade de se esconderem nos lugares mais improváveis, e até mesmo em espaços bem reduzidos.

    A musculatura desses animais também conta com uma alta capacidade de expansao e contração, de forma que seu corpo às vezes parece até uma mola. Essa, inclusive, é a razão pela qual os gatos conseguem saltar até sete vezes a sua altura e atingir cerca de 50 km/h em distâncias mais curtas - duas curiosidades de gato super interessantes!

    Redação: Juliana Melo

    Anatomia felina: tudo sobre a respiração do gato, funcionamento do sistema respiratório, gripe em gatos e mais

    Próxima matéria

    Anatomia felina: tudo sobre a respiração do gato, funcionamento do sistema respiratório, gripe em gatos e mais

    Galgo Afegão: tudo que você precisa saber sobre a raça de cachorro
    Grandes

    Galgo Afegão: tudo que você precisa saber sobre a raça de cachorro

    O Galgo Afegão, também chamado de Afghan Hound, é um cachorro originário do Oriente Médio com aparência exótica e charmosa, difícil de passar despercebido. O que poucas pessoas sabem é que, por trás da postura elegante e independente do cão Afegão, existe um ótimo companheiro de quatro patas, cheio de energia para gastar e amor para dar. Mas o que é necessário saber sobre essa raça de cachorro antes de comprar ou adotar um exemplar? Como é a personalidade do Afghan Hound e que cuidados são necessários com o cãozinho? 

    Cane Corso: tudo que você precisa saber sobre a raça de cachorro gigante de origem italiana
    Grandes

    Cane Corso: tudo que você precisa saber sobre a raça de cachorro gigante de origem italiana

    Um dos cãezinhos mais surpreendentes é o Cane Corso. Embora ele não seja tão popular quanto outras raças de cachorro grande, como o Labrador e o Golden Retriever, o Cane Corso é dono de um enorme coração e tem uma personalidade incrível. Algumas pessoas podem até se intimidar com o tamanho e a postura imponente do doguinho, mas só quem convive com um Cane Corso sabe como estes cães são adoráveis e carinhosos.

    Boiadeiro de Berna ou Bernese Mountain: tudo o que você precisa saber sobre a raça porte grande
    Grandes

    Boiadeiro de Berna ou Bernese Mountain: tudo o que você precisa saber sobre a raça porte grande

    O Bernese Mountain é um cachorro grande com um charme irresistível. No Brasil, ele também é conhecido como Boiadeiro de Berna, Boiadeiro Bernês ou apenas Bernese, para os íntimos. Embora não seja um dos mais populares, esse cãozinho tem várias qualidades: ele é muito ágil, atlético, companheiro e já foi muito utilizado como cão de pastoreio no passado. Como a raça Bernese surgiu na Suíça, também tem alta resistência às baixas temperaturas.

    Pequinês: tudo o que você precisa saber sobre a raça de cachorro pequeno
    Pequenos

    Pequinês: tudo o que você precisa saber sobre a raça de cachorro pequeno

    Para quem procura por raças de cachorro pequeno, o Pequinês pode ser a companhia perfeita. Além de se adaptar muito bem a apartamentos e outros espaços reduzidos, esse pequeno cãozinho é dotado de uma personalidade carinhosa, amigável e extremamente leal aos seus humanos. Apesar da baixa estatura, o cachorro Pequinês também é super corajoso, e uma das maiores provas de que tamanho não é documento. 

    Ver Todas >

    Cio de cachorro: 6 curiosidades comportamentais sobre a fêmea nesse período
    Saúde animal

    Cio de cachorro: 6 curiosidades comportamentais sobre a fêmea nesse período

    Durante o cio de cadela, a cachorra passa por algumas mudanças comportamentais. Isso acontece porque nesse período há um aumento nos níveis de hormônios, o que acaba influenciando diretamente o comportamento da cachorra. Assim, o momento do cio de cachorro fêmea acaba sendo um momento sensível tanto para ela quanto para o tutor. Entender o que se passa com a cadela no cio é o primeiro passo para aprender a lidar melhor com o pet nesse período.

    Gato com diarreia: o que fazer?
    Saúde animal

    Gato com diarreia: o que fazer?

    O gato com diarreia é motivo de preocupação, pois este é um forte indicativo de que algo não vai bem no sistema digestivo do seu felino. A diarreia em gatos pode atingir desde o filhote ao gato adulto e saber como prevenir ou agir neste momento, até a próxima visita ao veterinário, pode ajudar o seu pet a lidar com esse problema que pode ser muito desagradável aos felinos e tutores. O Patas da Casa reuniu algumas informações muito importantes para ajudar você, que busca evitar mais sofrimento ao felino, mas não sabe oque fazer ao ver seu gato com diarreia.

    Fezes de cachorro com gosma: o que pode ser?
    Saúde animal

    Fezes de cachorro com gosma: o que pode ser?

    Normalmente, o cocô de cachorro apresenta uma coloração amarronzada e consistência firme. Quando sua aparência se torna diferente, é importante ligar o sinal de alerta. Um dos problemas mais observados é a presença de sangue nas fezes do cachorro. Porém, existe outra condição comum que chama a atenção: as fezes de cachorro com gosma. Existem diversos motivos por trás dessa condição. Muitas vezes, as fezes de cachorro com muco são apenas consequência de mudanças alimentares. 

    Infecção no pênis de cachorro: o que é, quais as causas e o que fazer
    Saúde animal

    Infecção no pênis de cachorro: o que é, quais as causas e o que fazer

    Devido a sua sensibilidade e exposição, o pênis de cachorro, sem um cuidado e higiene adequados, pode desenvolver algumas infecções. Além de ocasionar graves ferimentos ao órgão do animal, esses males podem comprometer o pênis do cachorro e trazer muita dor, principalmente no momento de urinar. Para evitar este sofrimento ao seu pet, é importante inspecionar a saúde geral do animal.

    Ver Todas >