Verme

Vermífugo para cachorro: veterinária tira todas as dúvidas sobre o intervalo de uso do remédio

 O vermífugo para cães é um medicamento indispensável para deixar a saúde do seu pet em dia
O vermífugo para cães é um medicamento indispensável para deixar a saúde do seu pet em dia

Você certamente já ouviu falar em vermífugo para cães. Mas sabe, exatamente, para que ele serve? Quem tem animal de estimação precisa estar atento a uma série de cuidados para manter a saúde do bichinho em dia - e usar esse remédio no período certo é uma dessas medidas indispensáveis para a proteção do pet. Como o nome já indica, o medicamento previne doenças causadas por vermes, como a Dirofilaria immitis, Toxocara canis e Giárdia sp. Porém, ainda existem muitas dúvidas sobre a dosagem ideal de vermífugo para cães filhotes, os intervalos de uso e se ele deve ser administrado antes ou depois da vacina para não comprometer sua eficácia. Para entender melhor sobre essas e outras questões sobre vermífugo para cachorro, continue com a gente e confira a matéria com dicas da veterinária Marcela Nauman:

Vermífugo para cães: conheça as principais doenças que o medicamento previne

Não é à toa que é indicado dar vermífugo para cães filhotes já nos primeiros dias de vida: assim como as vacinas, esse remédio é indispensável para manter o pet protegido de doenças - no caso, aqui, causadas por vermes. As três principais complicações que são evitadas pelo uso medicamento são as seguintes:

1 - Giárdia: Causada por um protozoário do gênero giárdia, a giárdiase é uma infecção que vem acompanhada de sintomas como dor abdominal e diarreia ou fezes pastosa com odor bem desagradável. Em cães adultos, os sintomas podem ser mais difíceis de serem identificados.

2 - Dirofilaria canina: Popular doença conhecida como verme do coração, a Dirofilariose canina é causada pelo parasita Dirofilaria immiti. Os sintomas, que só costumam aparecer em estágios mais avançados, incluem tosse crônica, insuficiência cardíaca, dificuldade para respirar, perda de peso e fadiga.

3 - Toxocara canis: Apesar dos sintomas leves, como diarreia e distensão abdominal, pode levar o animal à morte se não for tratada adequadamente. Ela é causada pelo nematódeo toxocara canis.

4 - Larvamigrans cutânea: Conhecida como bicho geográfico, essa verminose cria lesões na pele do cachorro como se estivesse desenhando um mapa - o que justifica o nome popular. Além disso, também causa vermelhidão, muita coceira, e ataca o intestino.

Vermífugo para cães filhotes: quantas doses? Antes ou depois da vacina?

Como você já sabe, é importante fazer uso de um vermífugo já nos primeiros dias de vida do seu pet! Segundo a veterinária Marcela Nauman, a vermifugação já pode ser iniciada com 15 dias de vida - dividida em três doses para que não haja risco de que o animal com verminose sofra uma obstrução intestinal. “Eu sempre faço em doses intermediárias - que seria 75% no primeiro dia; 85% no segundo dia; e 100% no terceiro. 15 dias depois, a gente faz um reforço da dose - e aí, sim, se as fezes estiverem normais ao longo desses três dias, eu faço logo a dose cheia”, esclarece. E para quem tem dúvidas sobre a necessidade de repetição do remédio após 15 dias, a profissional explica o motivo: “é preciso fazer isso para fechar o ciclo do parasita. A gente só consegue eliminar o parasita quando ele chega na fase adulta - então, normalmente, protocolamos dessa maneira”.

Ao contrário do que muitas pessoas pensam, o remédio para verme não compromete a eficácia da vacina; na verdade, ele até ajuda a deixar o animal com o organismo mais forte e preparado para absorver a devida proteção que vem junto com ela. Sendo assim, uma dica importante é não deixar para vermifugar o seu filhote só depois da vacinação. Você pode, inclusive, fazer os dois no mesmo dia se assim preferir (e se não tiver feito a aplicação do vermífugo nos primeiros 15 dias de vida, já que a vacina só pode ser dada a partir dos 45 dias); só não é recomendado postergar o uso do remédio de verme porque ele é fundamental para manter a saúde do cãozinho em dia.

Descubra se você é um cachorro ou um gato!

É só preencher e começar! sem cadastros ou formulários.

No fim de semana, você é o amigo que...?

As férias estão chegando! Vai viajar?

Chegou a hora de escolher a comida! Quem é você?

Que música você escolhe para arrasar no karaokê?

E sobre seus cuidados de beleza?

Vai ficar em casa com o mozão? Você prefere:

Ihhh, você recebeu uma crítica no trabalho… Como reage?

Você é um cachorro! Você é um gato! Você é um gatorro!
     Vermífugo para cães filhotes: a primeira dose pode ser dada já nos primeiros 15 dias de vida
    Vermífugo para cães filhotes: a primeira dose pode ser dada já nos primeiros 15 dias de vida

    Mais Lidas

    Gato no cio: de quanto em quanto tempo acontece e quanto tempo dura?
    Saúde animal

    Gato no cio: de quanto em quanto tempo acontece e quanto tempo dura?

    Gatos são animais conhecidos pelas suas frequentes fugas quando estão no cio, mas você sabe por quê? Sabe a partir de qual idade a fêmea pode ter o primeiro cio? Esse período pode ser bastante estressante para o felino - e também para o dono -, pois o comportamento do animal muda bruscamente. Está preparado e já está ciente de quanto tempo dura o cio do gato? Nessa matéria vamos tirar essas e outras dúvidas sobre o assunto. Vem com a gente!

    Cinomose: tem cura, o que é, quais os sintomas, quanto tempo dura... Tudo sobre a doença de cachorro!
    Saúde animal

    Cinomose: tem cura, o que é, quais os sintomas, quanto tempo dura... Tudo sobre a doença de cachorro!

    Uma das partes mais difíceis de ter um cachorro em casa é o momento em que eles adoecem — e isso piora quando a doença é das mais sérias, como a cinomose. Causada por um vírus, se não for tratada da forma correta, a cinomose em cães pode ser fatal não apenas para o que foi infectado primeiramente, mas para todos os que estiverem em contato com ele. Para entender um pouco mais sobre o que é cinomose canina, seus sintomas, causa e o tratamento, o Patas da Casa conversou com a veterinária Kelly Andrade, do Paraná. Dê uma olhada, aqui embaixo, nas instruções da profissional!

    Cachorro ofegante: quais problemas o sintoma pode indicar?
    Saúde animal

    Cachorro ofegante: quais problemas o sintoma pode indicar?

    Encontrar o cachorro ofegante não é uma questão incomum na vida dos tutores. Normalmente, os peludos ficam mais cansados depois de um longo passeio ou brincadeiras, mas quando não houve nenhum estímulo é preciso ficar atento. Observe alguns sinais do cachorro ofegante: língua pra fora pode indicar calor ou cansaço, agora se o sintoma estiver acompanhado de tremores ou cachorro com dificuldade de respirar, o ideal é levá-lo imediatamente ao veterinário. Para saber como diferenciar e se há necessidade de buscar ajuda médica, nós conversamos com Ricardo Duarte, que é docente do curso de Medicina Veterinária do Centro Universitário FMU, de São Paulo.

    Doença do carrapato: sintomas, tratamento, tem cura... Tudo sobre o parasita em cachorros!
    Saúde animal

    Doença do carrapato: sintomas, tratamento, tem cura... Tudo sobre o parasita em cachorros!

    A doença do carrapato é uma das mais conhecidas entre os pais de pet e também uma das mais perigosas para os cachorros. Transmitida pelo carrapato marrom, bactérias e protozoários invadem a corrente sanguínea e os sintomas variam de acordo com o grau da doença e podem causar coloração amarela na pele e mucosas, distúrbios de coagulação, manchas vermelhas espalhadas pelo corpo, sangramento nasal e, em casos mais raros, problemas neurológicos e até mesmo a morte do cachorro. Para ajudar a esclarecer dúvidas sobre a doença do carrapato, o Patas da Casa entrevistou a veterinária Paula Ciszewsi, de São Paulo. Confira abaixo!

    De quanto em quanto tempo devo dar vermífugo para cachorro adulto?

    Depois da aplicação de vermífugo em cães filhotes, muitos donos acabam esquecendo de dar continuidade ao uso do remédio ao longo da vida do pet. No entanto, como os vermes são parasitas que continuam rondando o ambiente, é indispensável manter a frequência correta para que a saúde do seu bichinho continue intacta. A veterinária afirma que o ideal é manter o vermífugo com 30 dias de intervalo até os 6 meses de vida; depois, com o cão já adulto, é importante avaliar a rotina do animal para definir a rotina de uso do remédio. “Normalmente, a gente conduz o uso do vermífugo de acordo com a exposição do animal ao ambiente e aos parasitas que podem existir ali. Se ele tiver muito acesso a mato, terra, carcaça de outros animais, tiver o hábito de cheirar fezes e de frequentar creches, precisa ser vermifugado com um prazo, assim, de 3 meses”, aponta.

    Por outro lado, se o cão vai pouco à rua, quase não tem contato com outros animais, não mora em regiões endêmicas de alguma doença e bebe água filtrada, esse intervalo pode ser de 6 em 6 meses ou até de uma vez ao ano. “Mas, mesmo nesses intervalos mais longos, é importante fechar o ciclo: fazer uma dose e repetir 15 dias depois”, ressalta Marcela.

    Levando tudo isso em conta, quem irá definir a frequência correta e o melhor vermífugo é o veterinário que acompanha o seu pet - assim como a dosagem apropriada, considerando o peso do animal para chegar a um resultado. É importante ter o devido acompanhamento com um profissional porque tanto uma dosagem baixa quanto uma superdosagem podem trazer complicações para a saúde do cachorro - e isso é tudo o que você não quer, certo?

    Importante: se o seu pet estiver apresentando qualquer problema de saúde quando chegar a época da nova dose de vermífugo, não dê a nova dosagem antes do quadro estar estabilizado. “Se o animal tem, por exemplo, um transtorno hepático e você entra com a medicação, pode comprometer a função hepática além do que já estava. Então, se o pet tem qualquer tipo de mal estar, talvez não seja um bom momento para entrar com a medicação preventiva. O ideal é esperar ele ficar estável do quadro e, após isso, instituir a terapêutica de prevenção contra vermes”, explica a veterinária Marcela.

    Como dar vermífugo para cães: dicas para dar o remédio para cachorros que não aceitam bem o comprimido

    Se o seu cão tem dificuldade de aceitar remédios, você vai precisar de algumas táticas para dar o vermífugo! Uma dica eficaz é esconder o comprimido dentro de um petisco ou no meio da ração. Mas, se ele for esperto e perceber que tem algo diferente na comida, outra solução é diluir o medicamento em água e providenciar uma seringa para aplicar em gotinhas.

    Também vale segurar o cão e depositar o remédio bem perto de sua garganta para que ele possa engolir - mas, em uma situação assim, é importante ter cuidado para que ele não fique estressado e te morda. Para Marcela, no entanto, fazer um estímulo positivo pode ser suficiente para cumprir a missão, principalmente se o remédio em questão tiver algum sabor especial para facilitar a vida do tutor. “Uma dica que eu sempre dou é brincar antes. Na hora de oferecer o produto, sacuda bem a caixa, como se fosse algo muito legal que ele vai ganhar. Faça uma voz carinhosa e diga algo como ‘Que delíciaaaa, olha só!’. Enfim, estimule o cachorro positivamente antes de abrir o remédio que tem grandes chances de dar certo”, indica.

    Vermífugo para cachorro tem algum efeito colateral?

    Em alguns casos, o cãozinho pode apresentar alguns efeitos colaterais depois do uso do vermífugo - como salivação excessiva, apatia, náuseas, vômitos e diarreias. Se ele tiver alguma reação aos constituintes do produto, podem surgir alergias e até febres; e, em casos muito extremos e raros - como de intoxicação -, o comprometimento de funções orgânicas.

    Mas, de acordo com Marcela, é possível evitar esses problemas tomando alguns cuidados específicos. “Além de ver se o animal está saudável para receber o vermífugo, tem que respeitar a bula e a espécie. Ou seja, se o produto é direcionado aos cães, tem que ser respeitado; se é direcionado aos gatos, tem que ser respeitado; se é para cão e gato, aí ok. Mas tudo tem que ser feito com bastante critério”, sinaliza. Para completar, ela ainda dá a dica de sempre olhar a bula do remédio para verificar se em sua composição existe algum princípio ativo que o veterinário já afirmou ser prejudicial ao animal.

    Redação: Nívia Passos

    8 mitos e verdades sobre a saúde dos gatos

    Próxima matéria

    8 mitos e verdades sobre a saúde dos gatos

    Neoplasia testicular canina: veterinária tira todas as dúvidas sobre o câncer de testículo em cachorros
    Sênior

    Neoplasia testicular canina: veterinária tira todas as dúvidas sobre o câncer de testículo em cachorros

    O câncer em cachorro é a principal causa de morte em cães acima dos dez anos de idade. No caso da neoplasia testicular canina – popularmente conhecida como câncer de testículo –, a doença afeta principalmente cachorros machos idosos não castrados. Além da idade avançada, a presença de testículos não descidos (criptorquidismo) é outro fator que contribui para a formação de tumor de cachorro no sistema genital.

    Fralda para cachorro: como e quando usar? Tire todas as dúvidas sobre o produto
    Cuidados

    Fralda para cachorro: como e quando usar? Tire todas as dúvidas sobre o produto

    Quem possui um cãozinho idoso ou com complicações urinárias, certamente já deve ter ouvido falar sobre a fralda para cachorro. Parecida com as fraldas para bebês, o acessório traz mais conforto para o animal e também pode ser usado em outras situações. Ainda assim, é preciso considerar algumas coisas e saber dosar o uso da peça para que ela não prejudique a saúde do seu amigo de quatro patas. Para entender melhor sobre o assunto, esclarecemos as principais dúvidas sobre fralda de cachorro. Dá uma olhada!

    Quanto custa uma castração de cachorro? Tire todas as dúvidas sobre valores do procedimento!
    Castração

    Quanto custa uma castração de cachorro? Tire todas as dúvidas sobre valores do procedimento!

    A castração de cachorro é um procedimento cirúrgico muito importante para a saúde e bem-estar de animais domésticos. Machos, fêmeas, adultos e filhotes podem passar pela cirurgia. Castrar um animal é sinônimo de cuidado e amor, pois é possível prevenir diversas doenças graves e ainda impacta no comportamento dos animais - evita fugas, reduz a agressividade e acaba com a marcação de território. Isso sem contar que a castração é a única forma de diminuir a quantidade de animais abandonados nas ruas.

    Insuficiência renal em gatos: veterinária tira todas as dúvidas sobre essa doença grave que atinge os felinos!
    Saúde

    Insuficiência renal em gatos: veterinária tira todas as dúvidas sobre essa doença grave que atinge os felinos!

    A insuficiência renal em gatos é uma doença que pode ser muito comum quando falamos de felinos. Sem cura, o problema precisa de acompanhamento constante e cuidados especiais para evitar complicações. Apesar de ser uma doença grave, o gato com problema renal pode ter qualidade de vida. Para tirar as dúvidas sobre a insuficiência renal em gatos, o Patas da Casa conversou com a médica veterinária Débora Nunes, do Rio de Janeiro. Vem conferir!

    Ver Todas >

    Batimentos cardíacos de cachorro: qual a frequência considerada normal e como medir?
    Saúde animal

    Batimentos cardíacos de cachorro: qual a frequência considerada normal e como medir?

    Todo mundo sabe que os cães são donos de um enorme coração, sempre dispostos a dar muito amor e carinho para quem quiser receber. Contudo, é sempre importante ficar atento a possíveis alterações no coração de cachorro, e saber como medir os batimentos cardíacos do animal pode ajudar bastante nessas horas. Mas então, como analisar isso da forma correta? Qual é a frequência considerada normal quando se trata dos batimentos cardíacos de um cachorro?

    Infecção urinária em gatos: quais são as mudanças comportamentais mais comuns?
    Saúde animal

    Infecção urinária em gatos: quais são as mudanças comportamentais mais comuns?

    A infecção urinária em gatos é um quadro mais comum do que se imagina quando se trata da saúde dos bichanos. Embora seja associada à baixa ingestão de água, a doença pode ser causada por uma série de fatores, que variam desde causas bacterianas à estresse e ansiedade. Quando não tratada, a patologia pode causar bastante incômodo ao animal, o que pode ser percebido com algumas mudanças no comportamento do gato. 

    Conheça algumas vacinas para gatos não obrigatórias
    Saúde animal

    Conheça algumas vacinas para gatos não obrigatórias

    As vacinas para gatos são fundamentais na prevenção de diversas doenças felinas. Por isso, ao adotar um bichano, uma das principais orientações dos veterinários é que o seu pet passe pela atualização de vacinas obrigatórias, como a antirrábica e a quádrupla felina, que previne doenças como a panleucopenia e rinotraqueíte. Ainda assim, elas não são suficientes para proteger o animal de todas as patologias que ele pode adquirir ao longo da vida.

    Secreção no pênis do cachorro é normal? Quando deve ser motivo de preocupação?
    Saúde animal

    Secreção no pênis do cachorro é normal? Quando deve ser motivo de preocupação?

    Não é muito difícil perceber quando algo está errado com a saúde do cachorro. Geralmente, o próprio cão dá indícios disso, ainda mais se for na região genital: ele tende a lamber essa área de forma exagerada, mostrando que tem alguma coisa o está incomodando. Mas além disso, também é possível perceber que, em alguns casos, o cachorro libera uma secreção pelo pênis, o que costuma preocupar bastante os tutores. Será que essa é uma situação normal ou pode ser indicativo de doença? 

    Ver Todas >