Saúde

Primeiros socorros para gatos: saiba tudo o que você precisa fazer em situações de emergência

Saiba como cuidar de gato em caso de emergências: atropelamento, engasgo, parada cardiorrespiratória e outras situações.
Saiba como cuidar de gato em caso de emergências: atropelamento, engasgo, parada cardiorrespiratória e outras situações.

Ainda que os gatos sejam animais que passam praticamente toda a vida dentro de casa, eles não estão imunes a acidentes. Engasgo, intoxicação, envenenamento, convulsões ou atropelamento: em todos os casos, o tutor precisa de conhecimento para agir imediatamente. Pode ser difícil no momento de desespero, mas é essencial manter a calma para ajudar o seu amigo antes de correr para o veterinário mais próximo. Para te ajudar a se preparar para situações de emergência com o seu gatinho, o Patas da Casa preparou um guia completo de primeiros socorros com a ajuda do médico veterinário Frederico Lima. Confira!

Gato envenenado: fique de olho nos sinais mais comuns!

Se você desconfiar que o seu gatinho foi envenenado, é importante prestar atenção nos sintomas para ter certeza do que você vai repassar ao veterinário quando chegar na clínica. Os sintomas de um gato envenenado são esses:

No caso de gato envenenado, não é recomendado o uso de remédios caseiros e alimentos para cortar o efeito. “Não existe nenhum medicamento caseiro que possa cortar o efeito da reação de um gato intoxicado. Muitas pessoas têm hábito de introduzir leite, clara de ovo, e alguns outros alimentos nestas ocasiões, porém não há indicação nenhuma para que isso seja feito”, explica Frederico.

O que você deve fazer nessas horas, segundo o veterinário, é recolher o animal e levá-lo na emergência, pois ele deve precisar de medicações de suporte e fluidoterapia, que é hidratação do animal com uso do soro por via intravenosa. “Induzir o vômito pode ser importante nesses casos, porém não é muito seguro que isso seja feito pelo tutor”, acrescenta.

O que fazer no caso de gato intoxicado por alimentos proibidos?

Já sabemos que alguns alimentos, como cebola, uva, chocolate e abacate, são proibidos para animais, mas pode ocorrer do gatinho ter contato com algo que não pode ingerir. Acidentes acontecem! O gato intoxicado apresenta sintomas semelhantes ao de envenenamento. Caso perceba sintomas como tremores e salivação intensa, é importante não oferecer água ou forçar o vômito, pois isso pode agravar a situação. Leve-o ao veterinário, que saberá conter a reação de forma mais eficaz. É importante saber o que pode ter causado a intoxicação ou quando o animal começou a apresentar os sinais para relatar ao médico.

Gato engasgado: a Manobra de Hemlich pode ajudar

O ato de engasgar é desesperador para os gatos. Qualquer coisa que entre na boca dos felinos ou fique presa, pode deixá-los muito incomodados. Por isso, eles podem ficar agitados e estressados e, mesmo que o dono tente ajudar, pode acabar deixando o animal agressivo. Por isso, Frederico recomenda, antes de tudo, conter o felino de forma amigável, com o uso de uma toalha ou manta. Você também deve observar sinais que mostrem se o gato está engasgado e qual a gravidade da situação: 

  • Dificuldade para respirar

  • Colocar a pata na boca repetidas vezes

  • Tossir

  • Salivar em excesso

  • Ficar cianótico (com a boca, a língua e a gengivas em um tom roxo)

Descubra se você é um cachorro ou um gato!

No fim de semana, você é o amigo que...?

As férias estão chegando! Vai viajar?

Chegou a hora de escolher a comida! Quem é você?

Que música você escolhe para arrasar no karaokê?

E sobre seus cuidados de beleza?

Vai ficar em casa com o mozão? Você prefere:

Ihhh, você recebeu uma crítica no trabalho… Como reage?

Você é um cachorro! Você é um gato! Você é um gatorro!
    Um gato envenenado deve receber atendimento veterinário imediato!
    Um gato envenenado deve receber atendimento veterinário imediato!

    Mais Lidas

    Gato no cio: de quanto em quanto tempo acontece e quanto tempo dura?
    Saúde animal

    Gato no cio: de quanto em quanto tempo acontece e quanto tempo dura?

    Gatos são animais conhecidos pelas suas frequentes fugas quando estão no cio, mas você sabe por quê? Sabe a partir de qual idade a fêmea pode ter o primeiro cio? Esse período pode ser bastante estressante para o felino - e também para o dono -, pois o comportamento do animal muda bruscamente. Está preparado e já está ciente de quanto tempo dura o cio do gato? Nessa matéria vamos tirar essas e outras dúvidas sobre o assunto. Vem com a gente!

    Vermífugo para cachorro: veterinária tira todas as dúvidas sobre o intervalo de uso do remédio
    Saúde animal

    Vermífugo para cachorro: veterinária tira todas as dúvidas sobre o intervalo de uso do remédio

    Você certamente já ouviu falar em vermífugo para cães. Mas sabe, exatamente, para que ele serve? Quem tem animal de estimação precisa estar atento a uma série de cuidados para manter a saúde do bichinho em dia - e usar esse remédio no período certo é uma dessas medidas indispensáveis para a proteção do pet. Como o nome já indica, o medicamento previne doenças causadas por vermes, como a Dirofilaria immitis, Toxocara canis e Giárdia sp.

    Cachorro ofegante: quais problemas o sintoma pode indicar?
    Saúde animal

    Cachorro ofegante: quais problemas o sintoma pode indicar?

    Encontrar o cachorro ofegante não é uma questão incomum na vida dos tutores. Normalmente, os peludos ficam mais cansados depois de um longo passeio ou brincadeiras, mas quando não houve nenhum estímulo é preciso ficar atento. Observe alguns sinais do cachorro ofegante: língua pra fora pode indicar calor ou cansaço, agora se o sintoma estiver acompanhado de tremores ou cachorro com dificuldade de respirar, o ideal é levá-lo imediatamente ao veterinário. Para saber como diferenciar e se há necessidade de buscar ajuda médica, nós conversamos com Ricardo Duarte, que é docente do curso de Medicina Veterinária do Centro Universitário FMU, de São Paulo.

    Gato com olho remelando: quando é motivo para se preocupar?
    Saúde animal

    Gato com olho remelando: quando é motivo para se preocupar?

    Gato com remela no olho pode não ser nada demais, como também pode indicar uma situação mais grave. E convenhamos: quem tem um gato em casa, sabe bem como é necessário ter uma atençãozinha especial com a saúde do animal, até mesmo com uma simples remelinha. A coloração, por exemplo, é um aspecto importante na hora de decifrar o que a remela do gato indica. Entenda quando você deve se preocupar com essa situação e qual é o melhor momento para procurar a ajuda de um médico a seguir!

    “Caso o que esteja causando o engasgo for algum objeto linear, como linhas, cordões ou fitas e fitilhos, não é recomendável que se puxe este objeto, pois isso poderia ocasionar uma laceração grave tanto na boca quanto no esôfago”, explica o veterinário. Se você não conseguir remover o objeto que está engasgando o seu gato, você pode fazer a manobra de Hemlich para ajudar o seu animal a expelir o corpo estranho. Para isso, basta segurar o seu gato de costas para você, com as patas soltas e fazer uma pressão, comprimindo o corpo do animal abaixo do esterno, que é o osso do meio do peito. Após realizar a manobra, abra a boca do gato e veja se o objeto já pode ser removido. Repita o processo até conseguir. Caso não seja possível remover, o melhor é seguir para o veterinário imediatamente. 

    Convulsões em gatos precisam ser contidas para que o animal não se machuque ainda mais

    Em um caso de convulsão, você precisa proteger o seu gatinho para que ele não se machuque: “A primeira coisa a ser feita é conter este felino com uma toalha, para que ele não bata a cabeça e se lesione. Deixar o gato deitado de lado pode ajudá-lo a não aspirar o vômito, caso vomite”, explica o veterinário. A não ser que o gato já tenha sido diagnosticado com epilepsia ou outros distúrbios que provoquem o sintoma e o médico veterinário já tenha dado as instruções do que fazer durante e depois de crises, o melhor é levá-lo em uma clínica para receber o atendimento adequado. É importante não oferecer nenhum alimento ou água para o gatinho nesse momento, tá bem?! Se ele ingerir qualquer coisa, pode ter episódios de vômito ainda piores.

    Picada de abelha em gato só precisa de cuidados se o animal for alérgico 

    Você ainda não sabe se o seu bichano é alérgico e quando menos espera, ele é picado por uma abelha ou outro inseto. Nesse caso, você deve observar o seu gatinho para notar se ele vai ter alguma reação alérgica, que geralmente vem acompanhada sintomas como vermelhidão, batimentos acelerados e inchaço na região. Se nada disso acontecer, não precisa se preocupar. Mas se acontecer, Frederico recomenda que se faça uso de uma medicação injetável, que deve ser feita no consultório, preferencialmente por um veterinário de confiança e que já conheça seu gatinho. Depois disso, já é possível saber se o seu gatinho é ou não alérgico a alguns insetos, e com isso, pode pedir ao profissional que lhe indique medicamentos para essas situações. 

    Encontrou um gato atropelado? Transporte-o com cuidado para um lugar confortável

    Depois de um acidente ou atropelamento de gato, é fundamental fazer o manejo correto do animal para não piorar mais ainda a situação. Dependendo do nível do acidente, pode ser que ele tenha fraturado membros ou a coluna (ou até mesmo que algum órgão tenha sido afetado). Com o máximo de cuidado, coloque o gato em um local confortável. Você pode usar algo que ajude a mantê-lo esticado, como um papelão ou uma toalha. Além disso, tenha cuidado com as reações do felino: por estar assustado ou com muita dor, ele pode ficar agressivo ou tentar fugir. Se o gato machucado estiver com algum sangramento mais forte, você pode tentar estancar o sangue com o uso de uma gaze ou pano limpo. Em seguida, vá ao veterinário mais próximo para que o gatinho seja atendido. 

    Algumas dicas podem ajudar o seu gato machucado até a chegada na emergência
    Algumas dicas podem ajudar o seu gato machucado até a chegada na emergência

    Parada cardiorrespiratória pode ser irreversível. Preste atenção nos sintomas e corra para o veterinário!

    “Uma parada cardiorrespiratória pode ser irreversível. Até mesmo um veterinário experiente pode não conseguir resolver o problema no atendimento de emergência, mesmo assim o gato precisa ser levado a um atendimento de emergência com rapidez”, conta Frederico. “Muitos tutores questionam se é possível fazer respiração boca a boca, respondo sempre que sim, porém nunca é tão eficaz quanto em humanos”, finaliza. 

    Os sintomas de uma parada cardiorrespiratória são pontuais:

    • Respiração ofegante

    • Língua e gengivas escurecidas de coloração roxa

    • Desconforto respiratório

    • Espasmos

    • Fraqueza

    Viu alguma dessas suspeitas no seu bichano? Mantenha a calma e o leve a clínica mais próxima para um atendimento de emergência. 

    Aprenda a reanimar um gato em caso de parada cardiorrespiratória!

    Passo 1: Coloque o gato deitado de lado e verifique se o seu animal ainda está respirando. Mantenha o pescoço estendido e as patas para trás para facilitar a passagem de ar. Abra a boca do animal e observe se há algo obstruindo a passagem de ar pela garganta. Se houver algum líquido na boca do animal, vire a sua cabeça para baixo e aguarde que caia;

    Passo 2: Prenda a boca do gato com a língua dentro, use a sua mão para mantê-la fechada. Após isso, sopre ar em suas narinas bem rápido, mas em pouca quantidade, pois o pulmão dos gatinhos é pequeno e ar em excesso pode acabar impedindo o pulmão de receber o necessário para o animal voltar a respirar. Abra a boca do animal para o ar sair. Dê um intervalo de 5 a 20 segundos antes de soprar novamente;

    Passo 3: Verifique se o seu gato possui batimentos cardíacos. Não é a mesma coisa que verificar a respiração. Para ter certeza, tente identificar os batimentos na área do tórax ou pescoço. Se não conseguir nesses locais, tente na parte interna da coxa procurando pela artéria femoral; 

    Passo 4: Se ele não manifestar nenhuma reação, comece a fazer a compressão peitoral. Com os polegares ou dois dedos, pressione o peito do animal, atrás do cotovelo. Se precisar usar a mão, use em formato de concha, mas lembre-se que é um gato e não um cachorro: é um animal menor e o uso de muita força pode acabar quebrando algum osso da costela. Faça cerca de 12 compressões rapidamente e dê um intervalo de mais ou menos 10 segundos entre uma compressão e a respiração boca a boca. Se o animal não responder, continue insistindo na compressão seguida de respiração até chegar na emergência. 

    É importante repetir os procedimentos na tentativa de fazer o gato voltar a respirar. Não espere ele voltar para seguir ao veterinário e faça o procedimento no caminho mesmo. Essa é uma alternativa para ajudá-lo até a chegada na emergência.

    Redação: Júlia Cruz

    O gato estressado tem mais chances de ficar doente?

    Próxima matéria

    O gato estressado tem mais chances de ficar doente?

    Khao Manee: tudo o que você precisa saber sobre essa raça de gato tailandesa (e muito rara!)
    Raças

    Khao Manee: tudo o que você precisa saber sobre essa raça de gato tailandesa (e muito rara!)

    O Khao Manee tem um grande potencial para ser um dos grandes queridinhos entre os apaixonados por gatos. Com olhos de cores marcantes e pelo branquinho, o felino desta raça possui uma aparência rara que chama atenção e é uma ótima companhia para qualquer família. De origem tailandesa, esse gatinho é super amigável e ama estar ao lado dos seus humanos - e até mesmo de outros animais. Para conhecer mais a fundo o gato Khao Manee, o Patas da Casa separou as principais informações sobre esse bichano incrível. Dá uma olhada!

    Dogo Argentino: tudo o que você precisa saber sobre essa raça de cachorro grande
    Grandes

    Dogo Argentino: tudo o que você precisa saber sobre essa raça de cachorro grande

    Você já ouviu falar no Dogo Argentino? Essa é uma raça de cachorro que teve origem em um país vizinho ao nosso, a Argentina. Embora pareçam sérios, os cães desta raça são uns amores e têm tudo para te conquistar, principalmente se o que você procura é um amigo de quatro patas bem leal e parceiro. Mas antes de comprar ou adotar um cachorro desta raça, que tal conhecê-lo um pouco mais a fundo? 

    Schnauzer: tamanho, pelagem, saúde e preço... tudo o que você precisa saber sobre a raça de cachorro
    Raças

    Schnauzer: tamanho, pelagem, saúde e preço... tudo o que você precisa saber sobre a raça de cachorro

    A raça de cachorro Schnauzer é conhecida pela cabeça em formato quadrado e o bigode característico. Ele é um dos cachorros mais queridos no Brasil e seu temperamento dócil e brincalhão contribui muito para isso. Mas muitas pessoas não conhecem a fundo as principais características do Schnauzer. Por exemplo, você sabia que existem três tamanhos dessa raça? Se você já ama esse cãozinho e está pensando em adotar um Schnauzer, é importante saber o máximo possível sobre a raça antes de tomar a decisão. O Patas da Casa te conta tudo o que você precisa saber sobre a origem do Schnauzer, suas características físicas, temperamento, saúde e até os valores caso você queira comprar um. Confira tudo!

    Adoção

    "Quero adotar um gato": tudo o que você precisa saber e fazer antes de levar um felino para casa

    Se você procura um bichinho independente, carinhoso e de personalidade forte, talvez seja o momento certo de adotar um gatinho. Com um jeito próprio de demonstrar todo o seu amor, os felinos têm conquistado cada vez mais o coração das mães e dos pais de pet de plantão. Mas, na hora de decidir isso, é preciso ter em mente que incluir um novo membro à sua família implica uma série de fatores, tanto para o animal quanto para os tutores e, principalmente, para o lugar que será o seu novo lar. Para te ajudar nesse momento, nós separamos um guia completo com tudo que você precisa saber na hora de adotar um gato. Dá uma olhada!

    Ver Todas >

    Queda de pelo em gatos: quando o problema deixa de ser normal?
    Saúde animal

    Queda de pelo em gatos: quando o problema deixa de ser normal?

    Encontrar pelo de gato caídos pela casa - seja em cima do sofá, da cama ou até mesmo presos às roupas - é uma situação bastante comum para quem tem um felino em casa. Mas quando isso começa a acontecer com uma frequência e quantidade maior do que o normal, é importante ficar atento. A queda de pelo em gatos pode ter diferentes causas, mas nem sempre é motivo de preocupação. Então, como saber diferenciar uma queda de pelos em gatos normal de um quadro mais grave? Quando se trata da queda de pelos em gatos, o que pode ser?

    Refluxo em cachorro: veja algumas dicas para evitar o incômodo
    Saúde animal

    Refluxo em cachorro: veja algumas dicas para evitar o incômodo

    Assim como os humanos, o cachorro tem refluxo e pode precisar de algumas adaptações para aliviar o incômodo. Várias causas estão ligadas ao problema: uso de medicamentos, comer muito rápido, alterações na alimentação, obstrução e até mesmo fatores hereditários - como é o caso de algumas raças com predisposição. O refluxo em cães ocorre quando o conteúdo do estômago volta para a boca por meio do esôfago e de forma totalmente involuntária.

    5 sinais que indicam o cachorro com verme
    Saúde animal

    5 sinais que indicam o cachorro com verme

    O verme em cachorro é um dos problemas mais comuns enfrentados pelos pais e mães de pet de plantão. É super importante que você mantenha o vermífugo do cachorro sempre em dia e respeitando o intervalo entre as doses. Essa atitude preventiva é um dos principais métodos para evitar que o seu cãozinho fique doente. Embora normalmente não seja um quadro grave, os parasitas podem trazer uma série de incômodos, como o cachorro com diarreia, vômito e dores. 

    Disfunção cognitiva canina: veterinário neurologista explica as características da síndrome
    Saúde animal

    Disfunção cognitiva canina: veterinário neurologista explica as características da síndrome

    Ter um cachorro idoso que não responde mais a certos comandos, que voltou a fazer xixi e cocô no lugar errado ou que parece ter perdido um pouco da noção espacial pode ser mais sério do que se imagina. A síndrome da disfunção cognitiva canina é uma condição que costuma atingir cães mais velhos, principalmente a partir dos 7 anos de idade, e que acaba impactando bastante a vida desses animais.

    Ver Todas >