Saúde

Gato com raiva: saiba tudo sobre os efeitos da doença nos felinos

A raiva felina é uma doença muito perigosa e requer atenção do tutor
A raiva felina é uma doença muito perigosa e requer atenção do tutor

Todo mundo já deve ter ouvido falar nos perigos da raiva canina, né? Mas a verdade é que os cachorros não são os únicos animais que podem ser atingidos por essa terrível doença. Embora seja um pouco mais difícil de encontrar um gato com raiva, os amantes dos felinos precisam ter em mente que esse é um problema que também pode afetar a saúde do gato e que precisa de muita atenção, principalmente por se tratar de uma doença altamente contagiosa e letal.

Sim, é isso mesmo: na grande maioria dos casos, a raiva felina acaba levando o animal a óbito e, por isso, é fundamental saber como preveni-la e também como identificar um gato com raiva. Para esclarecer as principais dúvidas sobre a raiva em gatos (sintomas, diagnóstico e prevenção), entrevistamos a médica veterinária Izadora Sousa, do Rio de Janeiro. Veja só o que ela nos contou!

Afinal, a raiva em gatos é parecida com a raiva canina?

Quando falamos da raiva, é comum que a primeira imagem que apareça na nossa cabeça seja a de um cachorro raivoso, já que a incidência dessa doença em cães é muito maior do que nos gatos. No entanto, os felinos não estão imunes a essa doença e também têm grandes chances de pegar a raiva felina, principalmente quando se trata de um animal que não está com as vacinações em dia e que tem o hábito de circular pelas ruas com frequência.

Mas existe alguma diferença entre essas doenças, além dos seus transmissores, afinal? Bom, conforme a veterinária explica, a raiva felina e canina se manifestam de formas muito semelhantes: ambas causam uma série de danos ao sistema nervoso central dos animais infectados, que passam a apresentar quadros de agressividade e podem desenvolver uma série de outros sintomas. “Essa é considerada uma das zoonoses mais preocupantes, pois sua taxa de letalidade é de quase 100%”, ressalta Izadora.

Raiva: gato é contaminado por meio do contato com a saliva de um animal infectado

O contágio da raiva felina ocorre basicamente da mesma forma que a canina: “A raiva é transmitida principalmente pela inoculação da saliva do animal infectado na vítima, especialmente por meio de mordidas ou arranhões/feridas pré-existentes que entram em contato direto com a saliva do animal”.

Por isso, os bichanos que têm uma vida ativa fora de casa acabam tendo mais chances de serem pegos pela doença, principalmente se não tiverem devidamente vacinados. Não dá para saber quem o gatinho pode encontrar na rua e, por isso, o risco de contato com animais infectados é grande. Como a agressividade é um dos principais sintomas da doença, as brigas de gatos acabam sendo uma porta de entrada para essa doença, já que mordidas e arranhaduras são inevitáveis nesses momentos.

Além do mais, engana-se quem pensa que somente gatos e cachorros podem contrair raiva. Na verdade, todos os mamíferos são vulneráveis quando se trata dessa doença, inclusive os humanos. Por isso, todo cuidado é pouco quando se trata da raiva felina, para poupar tanto o seu gatinho de estimação quanto a sua própria saúde.

Descubra se você é um cachorro ou um gato!

É só preencher e começar! sem cadastros ou formulários.

No fim de semana, você é o amigo que...?

As férias estão chegando! Vai viajar?

Chegou a hora de escolher a comida! Quem é você?

Que música você escolhe para arrasar no karaokê?

E sobre seus cuidados de beleza?

Vai ficar em casa com o mozão? Você prefere:

Ihhh, você recebeu uma crítica no trabalho… Como reage?

Você é um cachorro! Você é um gato! Você é um gatorro!
    Raiva em gatos: a agressividade é um dos sinais mais evidentes da doença
    Raiva em gatos: a agressividade é um dos sinais mais evidentes da doença

    Mais Lidas

    Gato no cio: de quanto em quanto tempo acontece e quanto tempo dura?
    Saúde animal

    Gato no cio: de quanto em quanto tempo acontece e quanto tempo dura?

    Gatos são animais conhecidos pelas suas frequentes fugas quando estão no cio, mas você sabe por quê? Sabe a partir de qual idade a fêmea pode ter o primeiro cio? Esse período pode ser bastante estressante para o felino - e também para o dono -, pois o comportamento do animal muda bruscamente. Está preparado e já está ciente de quanto tempo dura o cio do gato? Nessa matéria vamos tirar essas e outras dúvidas sobre o assunto. Vem com a gente!

    Cinomose: tem cura, o que é, quais os sintomas, quanto tempo dura... Tudo sobre a doença de cachorro!
    Saúde animal

    Cinomose: tem cura, o que é, quais os sintomas, quanto tempo dura... Tudo sobre a doença de cachorro!

    Uma das partes mais difíceis de ter um cachorro em casa é o momento em que eles adoecem — e isso piora quando a doença é das mais sérias, como a cinomose. Causada por um vírus, se não for tratada da forma correta, a cinomose em cães pode ser fatal não apenas para o que foi infectado primeiramente, mas para todos os que estiverem em contato com ele. Para entender um pouco mais sobre o que é cinomose canina, seus sintomas, causa e o tratamento, o Patas da Casa conversou com a veterinária Kelly Andrade, do Paraná. Dê uma olhada, aqui embaixo, nas instruções da profissional!

    Cachorro ofegante: quais problemas o sintoma pode indicar?
    Saúde animal

    Cachorro ofegante: quais problemas o sintoma pode indicar?

    Encontrar o cachorro ofegante não é uma questão incomum na vida dos tutores. Normalmente, os peludos ficam mais cansados depois de um longo passeio ou brincadeiras, mas quando não houve nenhum estímulo é preciso ficar atento. Observe alguns sinais do cachorro ofegante: língua pra fora pode indicar calor ou cansaço, agora se o sintoma estiver acompanhado de tremores ou cachorro com dificuldade de respirar, o ideal é levá-lo imediatamente ao veterinário. Para saber como diferenciar e se há necessidade de buscar ajuda médica, nós conversamos com Ricardo Duarte, que é docente do curso de Medicina Veterinária do Centro Universitário FMU, de São Paulo.

    Vermífugo para cachorro: veterinária tira todas as dúvidas sobre o intervalo de uso do remédio
    Saúde animal

    Vermífugo para cachorro: veterinária tira todas as dúvidas sobre o intervalo de uso do remédio

    Você certamente já ouviu falar em vermífugo para cães. Mas sabe, exatamente, para que ele serve? Quem tem animal de estimação precisa estar atento a uma série de cuidados para manter a saúde do bichinho em dia - e usar esse remédio no período certo é uma dessas medidas indispensáveis para a proteção do pet. Como o nome já indica, o medicamento previne doenças causadas por vermes, como a Dirofilaria immitis, Toxocara canis e Giárdia sp.

    Raiva felina: sintomas da doença podem variar

    Antes de mais nada, é preciso entender que os sintomas da raiva felina nem sempre se manifestam de uma maneira única. Ou seja, podem variar bastante em cada caso. No entanto, como essa é uma doença que atinge o sistema nervoso central de maneira bastante significativa, uma das principais formas de perceber se o seu pet foi contaminado ou não é observando se há mudanças no comportamento do gato, ainda mais se ele deu uma fugidinha de casa recentemente. Felinos mais carinhosos e amigáveis, por exemplo, podem acabar ficando mais agressivos de uma hora para outra, deixando os tutores até um pouco confusos com a situação. Mas essa não é a única forma de identificar o problema, já que também é possível perceber outros sintomas. Raiva felina, geralmente, costuma deixar o gato bem debilitado e alguns dos principais sinais disso são:

    - Animal fica apático

    - Falta de apetite e de interesse por água

    - Desorientação mental

    - Fotofobia (aversão à luz)

    - Perda de controle da mandíbula

    - Sialorreia (salivação excessiva)

    - Tremores de membros e/ou paralisia dos mesmos

    - Convulsões

    - Coma

    Ainda assim, a maioria desses sintomas pode ser facilmente confundida com várias outras doenças. Então, como o tutor pode diferenciar um problema de outro? A dica para saber se realmente se trata da raiva felina é ficar sempre de olho no seu amigo de quatro patas! Procure saber se o gatinho se envolveu em alguma briga recente ou se por acaso ele teve contato com outros mamíferos infectados, como morcegos hematófagos (que se alimentam de sangue), guaxinins ou outros animais silvestres. “Nem sempre todos os sintomas irão se manifestar, por isso, é importante buscar ajuda o quanto antes quando há suspeita de raiva”, lembra Izadora.

    Gato: raiva pode demorar até 2 meses para manifestar os primeiros sintomas

    A raiva felina tem diferentes estágios de evolução, sendo que o primeiro deles é chamado de período de incubação. Segundo a veterinária, essa fase nada mais é do que o tempo que existe entre o contágio e o início dos sintomas. Como é algo que vai depender de muitas variáveis, não dá para prever ao certo quanto tempo vai durar a incubação, mas, em média, a doença costuma demorar de 15 dias a 2 meses para que os primeiros sintomas possam ser percebidos. “O tempo de vida após a manifestação dos sintomas é curto, os animais costumam ir a óbito entre 3 e 7 dias”, explica.

    De qualquer forma, ao perceber os primeiros sintomas da raiva felina, é de extrema importância procurar o auxílio de um médico veterinário o quanto antes, tanto para garantir a segurança do próprio tutor quanto para reduzir o sofrimento do bichano. Embora seja uma doença fatal e que não tem quase nenhuma chance de cura, algumas medidas devem ser tomadas para evitar que o gato com raiva transmita a doença para outros seres vivos. O isolamento social do animal, por exemplo, é uma boa forma de fazer isso. Caso você tenha outros bichos de estimação em casa, também é importante mantê-los em quarentena para garantir que eles não foram infectados e nem vão infectar ninguém.

    A vacina contra raiva felina deve ser reforçada anualmente
    A vacina contra raiva felina deve ser reforçada anualmente

    Gato com raiva: diagnóstico só é confirmado com o falecimento do animal

    Ao suspeitar que o seu amigo de quatro patas pegou raiva felina, é importante relatar tudo que você sabe sobre o seu pet e o local que ele habita. “É feita análise dos sintomas, do histórico e da área onde o animal reside (se há relatos de caso, presença de morcegos hematófagos, etc)”, explica Izadora. Isso poderá ajudar a identificar se o bichano realmente foi infectado, mas a confirmação do diagnóstico só poderá acontecer quando o animal for a óbito. “Para confirmar o diagnóstico de raiva felina, deve-se encaminhar fragmentos do sistema nervoso do animal (pós-óbito) para realização de exames laboratoriais específicos que detectam antígenos e anticorpos confirmando o contato com o vírus”, revela a veterinária.

    Vacina contra raiva felina é o melhor método de prevenção

    Por mais que não haja cura nem tratamento para o gato com raiva, essa é uma doença que pode ser facilmente prevenida com uma medida bem simples: vacinação. Segundo Izadora, a vacina antirrábica deve ser dada aos filhotes de gato a partir dos 3 meses de idade, sendo reforçada todos os anos até o fim de sua vida. Inclusive, como isso se trata de uma questão de saúde pública, existem vários mutirões de vacina gratuita espalhadas pelo Brasil, basta se informar.

    Além disso, um método preventivo que pode ser adotado em conjunto com a vacina é evitar que o bichano saia de casa sem nenhuma supervisão, dando preferência a uma criação indoor. “Proteger o animal de possível contato com morcegos, especialmente hematófagos, mantendo o gato dentro de casa ou em ambientes telados, é outra forma de prevenção”, destaca a veterinária.

    Redação: Juliana Melo

    Hipotireoidismo e hipertireoidismo em gatos: qual a diferença, como identificar e quais os tratamentos?

    Próxima matéria

    Hipotireoidismo e hipertireoidismo em gatos: qual a diferença, como identificar e quais os tratamentos?

    Gato Chartreux: saiba tudo sobre a raça de pelagem cinza
    Raças

    Gato Chartreux: saiba tudo sobre a raça de pelagem cinza

    O Chartreux é uma de raça gato cinza bastante querida entre os apaixonados por felinos. E não é à toa, né? Extremamente dócil e carinhoso, é muito fácil entender o motivo por trás da paixão dos gateiros por esse bichano de pelagem cinza e focinho gordinho, o que lembra bastante um ursinho de pelúcia. No entanto, a características desse gatinho não se resumem apenas à sua aparência. Pensando nisso, reunimos aqui as principais informações sobre a origem, o temperamento, os cuidados e as curiosidades sobre o gato Chartreux. Vem se apaixonar por esse felino com a gente!

    Van Turco: saiba tudo sobre essa raça de gato
    Raças

    Van Turco: saiba tudo sobre essa raça de gato

    Já ouviu falar no gato Turkish Van? Também chamado de Van Turco ou o contrário, Turco Van, o animal desta raça é muito cobiçado e especial aos olhos dos amantes de felinos. Extremamente dócil e cativante, não é muito difícil entender por que as pessoas se apaixonam por esse bichano de pelagem felpuda e macia. Mas afinal, que outras características são típicas desta raça de gato? Como é a personalidade dele? Que cuidados são necessários no dia a dia do gatinho? Para desvendar todas essas questões, preparamos uma matéria com tudo que você precisa saber sobre o Van Turco. Dá só uma olhada!

    Raiva: saiba tudo sobre os sintomas, tratamento e prevenção da doença
    Saúde

    Raiva: saiba tudo sobre os sintomas, tratamento e prevenção da doença

    A raiva canina é uma das doenças virais mais perigosas que o seu amigo pode pegar se não for devidamente protegido de seu agente causador. Apesar de ser uma zoonose, o que mais preocupa nesse caso é que ela não tem tratamento e é sempre fatal em animais. Em humanos, apesar de o tratamento ser novo, já existem casos de cura completa no Brasil. Para esclarecer dúvidas sobre a raiva em cachorros, seus sintomas, formas de transmissão e prevenção, nós conversamos com o veterinário Thiago Félix, de Brasília. Sobre a ação da raiva em humanos, os dados são da Secretaria de Saúde do Estado do Rio de Janeiro.

    Rinotraqueíte felina: saiba tudo sobre a doença respiratória que acomete os gatinhos!
    Saúde

    Rinotraqueíte felina: saiba tudo sobre a doença respiratória que acomete os gatinhos!

    Os períodos de chuva e frio demandam mais atenção ainda com a saúde dos felinos. Mesmo vivendo dentro de casa e sem acesso às ruas, os gatinhos não estão imunes a algumas doenças que podem surgir com as mudança do tempo. Uma delas é a rinotraqueíte felina: se você tem um gato, já ouviu falar sobre ela por ser bem comum entre os bichanos. Mas, se você ainda não sabe muito sobre a doença, não se preocupe, pois o Patas da Casa vai te esclarecer as principais dúvidas sobre a doença. Para isso, conversamos com a veterinária Vivian Valério, do Rio de Janeiro!

    Ver Todas >

    Gato idoso pode desenvolver Alzheimer?
    Saúde animal

    Gato idoso pode desenvolver Alzheimer?

    A idade também chega para os animais de estimação. No caso de um gato idoso, a atenção com alimentação e saúde deve ser redobrada nessa fase da vida. No entanto, às vezes mesmo com tantos cuidados, alguns problemas se tornam inevitáveis, como é o caso da demência em gatos. Você já se perguntou se gato tem Alzheimer alguma vez? Na verdade, a condição é conhecida no universo veterinário como Síndrome da Disfunção Cognitiva, uma condição que apresenta sinais semelhantes ao Alzheimer em humanos. 

    O que a doença do carrapato causa no organismo do cachorro?
    Saúde animal

    O que a doença do carrapato causa no organismo do cachorro?

    Cuidar da saúde do cachorro é dever de todo tutor! Por isso, às vezes até mesmo uma simples alteração no apetite do animal pode ser indicativo de que tem algo de errado com o seu amigo de quatro patas. Quando se trata da doença do carrapato, cachorro pode apresentar diferentes sintomas do quadro. O problema pode se manifestar de várias formas no organismo do cachorro - algumas mais comuns do que outras. 

    8 mitos e verdades sobre a saúde dos gatos
    Saúde animal

    8 mitos e verdades sobre a saúde dos gatos

    Quando se trata da saúde de gato, uma coisa é certa: todo o cuidado é pouco. Embora exista a lenda de que os bichanos possuem sete vidas, alguns cuidados específicos influenciam diretamente no bem-estar e, principalmente, na expectativa de vida do seu amigo. Ainda assim, é comum que alguns tutores tenham dúvidas sobre as medidas necessárias para proteger o seu pet e evitar as principais doenças de gato, especialmente os gateiros de primeira viagem. 

    Batimentos cardíacos de cachorro: qual a frequência considerada normal e como medir?
    Saúde animal

    Batimentos cardíacos de cachorro: qual a frequência considerada normal e como medir?

    Todo mundo sabe que os cães são donos de um enorme coração, sempre dispostos a dar muito amor e carinho para quem quiser receber. Contudo, é sempre importante ficar atento a possíveis alterações no coração de cachorro, e saber como medir os batimentos cardíacos do animal pode ajudar bastante nessas horas. Mas então, como analisar isso da forma correta? Qual é a frequência considerada normal quando se trata dos batimentos cardíacos de um cachorro?

    Ver Todas >