Gato

Epilepsia em gatos: veterinária tira dúvidas sobre o problema de saúde

Publicado - 19 Abril 2021 - 17h15

Atualizado - 10 Maio 2024 - 10h49

Francine Kirsch / Médica Veterinária especializada em felinos

CRMV CRMV/RS: 15.900

Formada em Medicina Veterinária pela Universidade de Caxias do Sul, com especialização em Clínica Médica de Felinos pela Equalis.

Juliana Melo / Repórter

Jornalista formada pela Facha (Faculdades Integradas Hélio Alonso). Sempre amei o universo pet e meu sonho sempre foi ter um cachorro ou gato, mas essa ainda é uma realidade um pouco distante pra mim. Me sinto um pouco Felícia perto dos bichinhos, e acho fantástico poder entender um pouco melhor o comportamento deles e ajudar tantos tutores por aí!

A oportunidade de entrar na equipe do Patas da Casa foi incrível, porque apesar de não ter um pet, sempre tive muita vontade de conhecer e compreender melhor esse universo. Hoje me sinto praticamente uma ‘expert’ em comportamento de cães e gatos e uma das maiores incentivadoras da adoção animal.

• Filme com animal preferido: “Sempre ao Seu Lado”
• Uma raça de cachorro: Dachshund
• Uma raça de gato: Maine Coon
• A curiosidade favorita sobre cachorros: A maneira como um cão se comporta depende principalmente da criação que ele recebe
• A curiosidade favorita sobre gatos: Os gatos enxergam os humanos como seus semelhantes (basicamente como se fôssemos gatos gigantes)
• Sobre o que mais gosta de escrever no universo pet: Comportamento animal
• Um aprendizado: Adotar um cachorro ou gato é uma das decisões mais bonitas que alguém pode tomar, mas que precisa ser feita com muita responsabilidade
• Nome de pet favorito: Bilbo

Quando se trata da saúde do gato, todo cuidado é pouco. Assim como acontece com os humanos, os felinos também são vulneráveis a vários problemas bem desagradáveis, como a epilepsia. O distúrbio afeta o sistema nervoso central e gera consequências como a convulsão em gatos. A situação pode assustar bastante os tutores, por isso é importante conhecer cada detalhe da doença. Para esclarecer as principais dúvidas sobre a epilepsia em gatos (sintomas, causas e tratamento), o Patas da Casa entrevistou a médica veterinária Francine Kirsch, que é especializada em atendimento de felinos. Veja só o que ela contou!

O que é e como acontece a epilepsia em gatos?

Francine Kirsch: Em primeiro lugar, precisamos diferenciar a epilepsia da convulsão em gatos. A epilepsia não é uma doença específica, mas uma condição crônica caracterizada por crises convulsivas recorrentes, causada por uma anormalidade no cérebro do animal. Um gato com uma única crise convulsiva não tem epilepsia, pois as crises não são recorrentes. Se as crises epilépticas ocorrerem devido a um problema em outra parte do corpo, como um baixo nível de açúcar no sangue que vai privar as células cerebrais de combustível essencial, isso não é epilepsia.

O que deixa um gato epiléptico?

F.K: As causas das crises epilépticas podem ser encontradas dentro do cérebro (causas intracranianas) ou fora do cérebro (causas extracranianas). Intoxicações por venenos e doenças metabólicas representam as principais causas extracranianas. Nesses casos, o cérebro está perfeitamente saudável, mas reage por convulsão a uma toxina ingerida ou aplicada ao animal, uma alteração na composição do sangue causada por um problema metabólico (por exemplo, doença renal ou hepática, baixo nível de cálcio ou baixo nível de açúcar), hipertensão, hipertermia ou ritmo cardíaco anormal. Em relação às causas tóxicas, convulsões recorrentes não são esperadas, a menos que o gato seja exposto novamente à toxina, ou seja, nesse caso não podemos chamar de epilepsia.

Imagem Quiz:Quais raças de cachorro mais combinam com você?

Quais raças de cachorro mais combinam com você?

Preencha todos os campos para participar.

É só preencher e começar!

Escolha uma opção abaixo

As causas intracranianas são divididas em epilepsia primária e secundária. Na epilepsia primária (também conhecida como epilepsia idiopática), não há doença no cérebro, as crises epilépticas são causadas por um problema funcional como desequilíbrio químico entre mensageiros excitatórios e inibitórios do cérebro. Gatos com epilepsia primária tendem a ter sua primeira convulsão na idade adulta jovem. Embora a verdadeira incidência de epilepsia primária em gatos seja desconhecida, foi sugerido que entre 21 e 59% dos gatos com convulsões são epilépticos primários. No caso da epilepsia secundária, as crises epilépticas são um sinal de uma doença estrutural no cérebro, como um tumor cerebral, inflamação ou infecção (encefalite), má formação cerebral, acidente vascular cerebral recente ou um traumatismo craniano anterior.

 

Gato Siamês em pé em cima de sofá
Gato que fica andando em círculos pode ser um sintoma da epilepsia felina

 

O que fazer para ajudar um gato com convulsão?

 

F.K: As crises epilépticas podem ocorrer isoladamente ou estarem associadas a outros sintomas, como caminhar em círculos, instabilidade no comportamento, inquietação, sonolência ou cegueira.

Embora uma convulsão seja uma experiência assustadora para qualquer tutor, é importante tentar manter a calma e não interferir. Certifique-se de que o gato não corre o risco de se ferir, por exemplo, ao cair de escadas ou dos móveis. Quando uma convulsão iniciar, anote a hora e conte quanto tempo ela dura. A maioria das convulsões cessa espontaneamente dentro de 1 a 3 minutos, embora possa levar alguns minutos a algumas horas para que o gato se recupere completamente. Se uma convulsão durar por um período muito longo de tempo (mais de cinco minutos para a convulsão real), ou for seguida por outras convulsões juntas, o atendimento veterinário deve ser procurado imediatamente.

Como é feito o diagnóstico da epilepsia em gatos?

F.K: O diagnóstico de epilepsia primária é, infelizmente, um diagnóstico de exclusão após eliminação de outros problemas. Não existe um teste diagnóstico definitivo para a condição - e todas as investigações, como exames de sangue, ressonância magnética ou tomografia computadorizada do cérebro, estarão normais.

O diagnóstico de epilepsia secundária é baseado na pesquisa de doenças cerebrais com a ressonância magnética ou tomografia computadorizada do cérebro e análise do líquor (líquido presente no cérebro) com uma punção lombar. Já o diagnóstico de uma causa extracraniana de ataques epilépticos é baseado em uma exposição conhecida a uma toxina pelo tutor e exames de sangue. A avaliação da pressão arterial também deve ser considerada em gatos mais velhos, já que a hipertensão é uma causa comum de convulsões de início tardio.

É possível tratar a epilepsia em gatos?

F.K: O tratamento das crises epilépticas deve se concentrar principalmente na causa subjacente, se ela puder ser identificada. O tratamento da epilepsia primária consiste no uso de medicações antiepilépticas por um longo prazo (geralmente por toda a vida).

A decisão de iniciar o tratamento antiepiléptico ainda é motivo de controvérsia. Gatos com uma única convulsão ou convulsões isoladas separadas por longos períodos de tempo não requerem tratamento. O tratamento antiepiléptico de manutenção é recomendado em qualquer uma das seguintes circunstâncias:

- Quando um gato está tendo mais de uma convulsão por mês ou apresenta estado de mal estar após as crises;

- Quando as convulsões ocorrem secundariamente a uma doença estrutural do cérebro ou após um traumatismo cranioencefálico;

- Quando as convulsões aumentam de frequência ou gravidade.

Redação: Juliana Melo

Comportamento

Aprenda a interpretar cada miado de gato: foi com essas dicas que consegui me aproximar mais ainda do meu pet

Mesmo que os gatos não saibam falar, a linguagem felina é muito rica e expressiva. Além da postura corporal, o miado de gato tem uma...

Saúde

O que acontece no corpo da gata no cio? Dos miados estridentes aos picos hormonais, veja todas as mudanças que ela enfrenta

Não precisa ser expert no universo felino para conseguir identificar uma gata no cio. Dos miados estridentes aos picos hormonais, o ...

Comportamento

"Amor de gato": foi assim que aprendi a interpretar as emoções do meu gatinho e percebi que sou o amor da vida dele

O amor de gato é um sentimento especial e gratificante que os bichanos demonstram por seus donos. Mas ao contrário dos cães, eles ex...

Comportamento

Meu gato está intimidando meu cachorro: 7 dicas aprovadas por um vet para lidar com a situação

Ter um cachorro e gato convivendo em harmonia em casa é o sonho de qualquer tutor - mas a realidade pode ser bem diferente. Por sere...

Comportamento

Aprenda a interpretar cada miado de gato: foi com essas dicas que consegui me aproximar mais ainda do meu pet

Mesmo que os gatos não saibam falar, a linguagem felina é muito rica e expressiva. Além da postura corporal, o miado de gato tem uma...

Saúde

O que acontece no corpo da gata no cio? Dos miados estridentes aos picos hormonais, veja todas as mudanças que ela enfrenta

Não precisa ser expert no universo felino para conseguir identificar uma gata no cio. Dos miados estridentes aos picos hormonais, o ...

Cachorro

Com ajuda do ChatGPT, mulher cria site para mostrar como os cachorros enxergam de verdade: testamos por aqui!

Você já se perguntou como os cachorros enxergam? Essa é uma dúvida comum entre muitas pessoas, sejam elas tutoras de um pet ou não. ...

Comportamento

"Amor de gato": foi assim que aprendi a interpretar as emoções do meu gatinho e percebi que sou o amor da vida dele

O amor de gato é um sentimento especial e gratificante que os bichanos demonstram por seus donos. Mas ao contrário dos cães, eles ex...

Ver todas