Cachorro

Displasia coxofemoral em cães: descubra mais sobre os sintomas e as formas de prevenção da doença

Publicado - 26 Setembro 2019 - 17h09

Atualizado - 18 Abril 2024 - 19h04

A displasia coxofemoral ou displasia de quadril canina é uma doença que atrapalha a mobilidade de cachorros de diferentes raças. Ela atinge as patas traseiras do cachorro e, entre outros sintomas, pode causar dor e rigidez nos membros do animal. Ou seja: o incômodo é o mínimo que o cachorro displásico vai enfrentar. Para que você consiga identificar os sintomas e saber mais sobre o tratamento e, até mesmo, sobre a prevenção dessa doença, nós juntamos uma série de informações sobre a displasia de quadril aqui embaixo. Dá uma olhada! 

Displasia coxofemoral em cães: o que é?

A displasia coxofemoral é uma doença, geralmente genética, caracterizada por um desenvolvimento não harmônico dos ossos, músculos e tendões das patas traseiras do cachorro. Por causa disso, o animal com displasia fica com o fêmur e a bacia em constante atrito enquanto anda ou corre — o movimento não é amortecido pelas articulações e tendões. 

Dependendo da fase da vida em que for diagnosticado, o cachorro com displasia coxofemoral pode desenvolver outras doenças, como a artrite, ou ficar paraplégico, perdendo a função das patinhas traseiras. A displasia coxofemoral em cães pode ser diagnosticada tanto no início da vida do animal, entre os 4 e 10 meses, mas também pode ser identificada ou se manifestar apenas durante a fase adulta, perto da transição para a terceira idade.

Imagem Quiz:Quais raças de cachorro mais combinam com você?

Quais raças de cachorro mais combinam com você?

Preencha todos os campos para participar.

É só preencher e começar!

Escolha uma opção abaixo

 

Cachorro sendo examinado por veterinário em consultório
O encaixe do fêmur com a bacia do animal com displasia de quadril é osso com osso

 

O que causa a displasia coxofemoral canina?

O principal aspecto causador da displasia nos cachorros é o genético. Por isso, é recomendado que machos e fêmeas que já tiveram a condição não se reproduzam para diminuir as chances dos filhotes também serem predispostos a isso. A condição é mais comum em cachorros de raças grandes e gigantes, mas os pequenos e médios não estão 100% livres de se tornarem displásicos. 

Mesmo que a hereditariedade seja a principal causa da doença, existem outros fatores que também podem fazer seu cachorro desenvolver a displasia de quadril. Por isso, vale a pena ficar atento a esses pontos no dia a dia do seu amigo: 

1. Alimentação: além da influência direta que a dieta tem na saúde do animal, no caso dos cachorros grandes, é importante que ela seja suficiente para nutrir e auxiliar no desenvolvimento correto de todo o corpo — principalmente na fase de filhotes, quando os ossos e articulações estão se desenvolvendo. O crescimento deles também não deve ser acelerado com rações ricas em calorias e proteínas: isso pode ser a causa da má formação da região traseira do animal; 

2. Obesidade canina: entre outros desdobramentos, o excesso de peso do cachorro também pode causar a displasia de quadril. Isso acontece porque o animal gordo acaba desgastando mais as articulações nos movimentos comuns do dia a dia, ou seja: pode desenvolver um quadro displásico tendo ou não a predisposição genética;

3. Sedentarismo: assim como os humanos, os cachorros também precisam se exercitar como uma forma de manter a saúde em dia e fortalecer ossos, músculos e articulações. Um animal sedentário também tem tendência a engordar muito, ou seja: une duas possíveis causas da displasia de quadril num mesmo caso. Acompanhe, com o veterinário, a necessidade de exercícios que a raça do do seu animal tem;

4. Forma de sentar: alguns animais podem desenvolver a displasia por causa da forma como se sentam. Se, ao invés de equilibrar o peso nos dois lados do quadril, ele forçar demais um lado só, pode acabar sofrendo com um desgaste nas articulações dali;

5. Muito tempo em pisos lisos: se o seu cachorro passa a maior parte do tempo dentro de casa, o ideal é que você tenha pisos que não sejam muito escorregadios, como alguns tipos de porcelanatos são. Sem o atrito entre as patas e o chão, eles podem precisar fazer mais esforço na hora de andar e, assim, desgastar as articulações a longo prazo.

 

Quais são os sintomas da displasia de quadril canina?

A dor e o desconforto do animal na hora de fazer atividades simples do dia a dia são os primeiros sinais de que ele pode estar com displasia de quadril, mas não são os únicos e também podem indicar outras condições de saúde do seu animal. Por isso, também é necessário que você preste atenção aos outros sintomas da displasia coxofemoral em cães — é comum que o animal afetado manifeste mais de um deles: 

  • Diminuição na velocidade dos passos;

  • Hesitação na hora de atividades como subir escadas, camas, sofás, correr e saltar;

  • Limitação de movimentos;

  • Atrofiação dos músculos traseiros;

  • Desenvolvimento dos músculos dos ombros; 

  • Perda na firmeza das patas traseiras — o cachorro se desequilibra e cai sozinho;

  • Mudança na forma de andar (ele começa a mancar e andar “rebolando”);

  • Calcanhares virados para dentro;

  • Estalos na hora de andar;

  • Falta de simetria na hora de sentar ou sentar com as patas mais abertas.


 

Cão com cadeira de rodas para ajudá-lo a andar
A prótese de cadeira de rodas pode ser uma das soluções para o animal depois do diagnóstico de displasia coxofemoral

 

Como diagnosticar e tratar a displasia coxofemoral nos cachorros? 

Assim que você reparar em qualquer um destes sintomas de forma regular no seu cachorro, precisa marcar uma visita ao veterinário. Dependendo do caso e do nível de desenvolvimento da displasia, ela vai ser diagnosticada com facilidade, mas é comum que ele peça exames de imagem, como radiografias ou ressonâncias e exames físicos para confirmar e saber mais detalhes sobre a condição especificamente no seu animal. 

Em alguns casos, o tratamento com medicamentos, fisioterapia, suplementação da alimentação, dieta para perda de peso e, até mesmo, restrição de atividades físicas é suficiente para melhora na qualidade de vida do cachorro. 

Mesmo assim, quando a displasia já está muito avançada, a cirurgia passa a se tornar uma opção. Seu veterinário pode apresentar alguns tipos diferentes de processos cirúrgicos que vão desde a substituição do quadril do animal com uma prótese até o corte ou retirada dos ossos atingidos, mas vale sempre a pena conversar para descobrir qual é a melhor opção no caso dele. 

Redação: Ariel Cristina Borges
 

Adote um animal

Nomes para cachorro com a letra A: mais de 100 ideias para nomear o seu pet

Pesquisar e selecionar nomes para cachorro para o mais novo integrante da família é uma das partes mais divertidas do processo de ad...

Adote um animal

Maltês: 12 coisas que você precisa saber antes de ter um

Se você está em busca de um cachorro fofo e cheio de personalidade, o Maltês talvez seja a escolha perfeita. Esperto, dócil e brinca...

Adote um animal

Fiapo de manga: a nova "raça" de cachorro vira-lata que tem feito sucesso na internet

Há quem diga que vira-lata caramelo representa mais o Brasil do que samba e futebol - não à toa que existem propostas de lei para el...

Cachorro

Cruzamento de cachorro: tudo que você precisa saber sobre o assunto

O cruzamento de cachorro é um assunto que desperta a curiosidade da maioria dos tutores. Enquanto alguns se preocupam em evitar que ...

Gato

Os melhores gatos para famílias com crianças: veja a lista com as 10 raças mais indicadas

Quando se trata de escolher um bichano para as crianças, algumas raças de gato se destacam por serem os companheiros ideais. Com per...

Comportamento

Tem um gato arranhando o sofá? Cientistas identificaram as causas desse comportamento e mostram como fazer o pet parar

Conviver com um gato arranhando o sofá é um problema que vários tutores têm dificuldade de corrigir. Apesar de ser um instinto nato ...

Adote um animal

Nomes para cachorro com a letra A: mais de 100 ideias para nomear o seu pet

Pesquisar e selecionar nomes para cachorro para o mais novo integrante da família é uma das partes mais divertidas do processo de ad...

Adote um animal

Maltês: 12 coisas que você precisa saber antes de ter um

Se você está em busca de um cachorro fofo e cheio de personalidade, o Maltês talvez seja a escolha perfeita. Esperto, dócil e brinca...

Ver todas