close
Saúde

Displasia coxofemoral em cães: descubra mais sobre os sintomas e as formas de prevenção da doença

A displasia coxofemoral em cães é uma doença que atinge, principalmente, animais de porte grande: conheça mais sobre ela aqui
A displasia coxofemoral em cães é uma doença que atinge, principalmente, animais de porte grande: conheça mais sobre ela aqui

A displasia coxofemoral ou displasia de quadril canina é uma doença que atrapalha a mobilidade de cachorros de diferentes raças. Ela atinge as patas traseiras do cachorro e, entre outros sintomas, pode causar dor e rigidez nos membros do animal. Ou seja: o incômodo é o mínimo que o cachorro displásico vai enfrentar. Para que você consiga identificar os sintomas e saber mais sobre o tratamento e, até mesmo, sobre a prevenção dessa doença, nós juntamos uma série de informações sobre a displasia de quadril aqui embaixo. Dá uma olhada! 

Displasia coxofemoral em cães: o que é?

A displasia coxofemoral é uma doença, geralmente genética, caracterizada por um desenvolvimento não harmônico dos ossos, músculos e tendões das patas traseiras do cachorro. Por causa disso, o animal com displasia fica com o fêmur e a bacia em constante atrito enquanto anda ou corre — o movimento não é amortecido pelas articulações e tendões. 

Dependendo da fase da vida em que for diagnosticado, o cachorro com displasia coxofemoral pode desenvolver outras doenças, como a artrite, ou ficar paraplégico, perdendo a função das patinhas traseiras. A displasia coxofemoral em cães pode ser diagnosticada tanto no início da vida do animal, entre os 4 e 10 meses, mas também pode ser identificada ou se manifestar apenas durante a fase adulta, perto da transição para a terceira idade.

Faça o teste e descubra qual a personalidade dominante do seu gato!

É só preencher e começar!

Question Quiz Stamp

Como seu gato reage com a chegada de visitas em casa?

Question Header Background
Question Quiz Stamp

Você está pensando em adotar mais um gatinho. Qual seria a reação do seu felino?

Question Header Background
Question Quiz Stamp

Você precisa levar seu gato ao veterinário e na fila ele encontra outro felino. Como ele reage?

Question Header Background
Question Quiz Stamp

Seu gato fica incomodado quando as portas de casa ficam fechadas?

Question Header Background
Question Quiz Stamp

Como seu gato se comporta com os outros animais da casa?

Question Header Background
Question Quiz Stamp

Você acabou de chegar em casa depois de muito tempo fora. O seu gato:

Question Header Background
Question Quiz Stamp

Seu gato deitou em cima da sua cama e dormiu. Qual a sua reação, humano?

Question Header Background
Question Quiz Stamp

Como seu gato se comporta na hora de se alimentar?

Question Header Background

Gato-humano! Seu gato não perde a oportunidade de estar ao seu lado Gato solitário! Seu gato tem uma personalidade mais quieta e reservada Gato-gato!  Seu gato gosta da companhia de outros felinos Gato curioso! Seu gato está sempre em busca de novas aventuras Gato caçador! Seu gato tem os instintos selvagens mais aflorados
    O "encaixe" do fêmur com a bacia do animal com displasia de quadril é "osso com osso"
    O "encaixe" do fêmur com a bacia do animal com displasia de quadril é "osso com osso"

    Mais Lidas

    Cinomose: tem cura, o que é, quais os sintomas, quanto tempo dura... Tudo sobre a doença de cachorro!
    Saúde animal

    Cinomose: tem cura, o que é, quais os sintomas, quanto tempo dura... Tudo sobre a doença de cachorro!

    Uma das partes mais difíceis de ter um cachorro em casa é o momento em que eles adoecem — e isso piora quando a doença é das mais sérias, como a cinomose. Causada por um vírus, se não for tratada da forma correta, a cinomose em cães pode ser fatal não apenas para o que foi infectado primeiramente, mas para todos os que estiverem em contato com ele. Para entender um pouco mais sobre o que é cinomose canina, seus sintomas, causa e o tratamento, o Patas da Casa conversou com a veterinária Kelly Andrade, do Paraná. Dê uma olhada, aqui embaixo, nas instruções da profissional!

    Feridas em cachorro: veja as mais comuns que atingem a pele do animal e o que pode ser
    Saúde animal

    Feridas em cachorro: veja as mais comuns que atingem a pele do animal e o que pode ser

    As feridas em cachorro podem ter muitas causas e é preciso avaliar a gravidade da situação. Se o seu cão surgiu algum arranhão ou machucados de leve depois de brincar muito com outros animais, o melhor é observar, mas se as feridas na pele do cachorro apareceram do nada você precisa ficar atento e buscar ajuda veterinária. Pode ser um caso de dermatite, alergia de contato ou até picada de algum parasita. O Patas da Casa preparou um guia com as feridas de cachorro mais comuns. Vamos conferir?

    Gato no cio: de quanto em quanto tempo acontece e quanto tempo dura?
    Saúde animal

    Gato no cio: de quanto em quanto tempo acontece e quanto tempo dura?

    Gatos são animais conhecidos pelas suas frequentes fugas quando estão no cio, mas você sabe por quê? Sabe a partir de qual idade a fêmea pode ter o primeiro cio? Esse período pode ser bastante estressante para o felino - e também para o dono -, pois o comportamento do animal muda bruscamente. Está preparado e já está ciente de quanto tempo dura o cio do gato? Nessa matéria vamos tirar essas e outras dúvidas sobre o assunto. Vem com a gente!

    Doença do carrapato: sintomas, tratamento, tem cura... Tudo sobre o parasita em cachorros!
    Saúde animal

    Doença do carrapato: sintomas, tratamento, tem cura... Tudo sobre o parasita em cachorros!

    A doença do carrapato é uma das mais conhecidas entre os pais de pet e também uma das mais perigosas para os cachorros. Transmitida pelo carrapato marrom, bactérias e protozoários invadem a corrente sanguínea e os sintomas variam de acordo com o grau da doença e podem causar coloração amarela na pele e mucosas, distúrbios de coagulação, manchas vermelhas espalhadas pelo corpo, sangramento nasal e, em casos mais raros, problemas neurológicos e até mesmo a morte do cachorro. Para ajudar a esclarecer dúvidas sobre a doença do carrapato, o Patas da Casa entrevistou a veterinária Paula Ciszewsi, de São Paulo. Confira abaixo!

    O que causa a displasia coxofemoral canina?

    O principal aspecto causador da displasia nos cachorros é o genético. Por isso, é recomendado que machos e fêmeas que já tiveram a condição não se reproduzam para diminuir as chances dos filhotes também serem predispostos a isso. A condição é mais comum em cachorros de raças grandes e gigantes, mas os pequenos e médios não estão 100% livres de se tornarem displásicos. 

    Mesmo que a hereditariedade seja a principal causa da doença, existem outros fatores que também podem fazer seu cachorro desenvolver a displasia de quadril. Por isso, vale a pena ficar atento a esses pontos no dia a dia do seu amigo: 

    1. Alimentação: além da influência direta que a dieta tem na saúde do animal, no caso dos cachorros grandes, é importante que ela seja suficiente para nutrir e auxiliar no desenvolvimento correto de todo o corpo — principalmente na fase de filhotes, quando os ossos e articulações estão se desenvolvendo. O crescimento deles também não deve ser acelerado com rações ricas em calorias e proteínas: isso pode ser a causa da má formação da região traseira do animal; 

    2. Obesidade canina: entre outros desdobramentos, o excesso de peso do cachorro também pode causar a displasia de quadril. Isso acontece porque o animal gordo acaba desgastando mais as articulações nos movimentos comuns do dia a dia, ou seja: pode desenvolver um quadro displásico tendo ou não a predisposição genética;

    3. Sedentarismo: assim como os humanos, os cachorros também precisam se exercitar como uma forma de manter a saúde em dia e fortalecer ossos, músculos e articulações. Um animal sedentário também tem tendência a engordar muito, ou seja: une duas possíveis causas da displasia de quadril num mesmo caso. Acompanhe, com o veterinário, a necessidade de exercícios que a raça do do seu animal tem;

    4. Forma de sentar: alguns animais podem desenvolver a displasia por causa da forma como se sentam. Se, ao invés de equilibrar o peso nos dois lados do quadril, ele forçar demais um lado só, pode acabar sofrendo com um desgaste nas articulações dali;

    5. Muito tempo em pisos lisos: se o seu cachorro passa a maior parte do tempo dentro de casa, o ideal é que você tenha pisos que não sejam muito escorregadios, como alguns tipos de porcelanatos são. Sem o atrito entre as patas e o chão, eles podem precisar fazer mais esforço na hora de andar e, assim, desgastar as articulações a longo prazo.

    Quais são os sintomas da displasia de quadril canina?

    A dor e o desconforto do animal na hora de fazer atividades simples do dia a dia são os primeiros sinais de que ele pode estar com displasia de quadril, mas não são os únicos e também podem indicar outras condições de saúde do seu animal. Por isso, também é necessário que você preste atenção aos outros sintomas da displasia coxofemoral em cães — é comum que o animal afetado manifeste mais de um deles: 

    • Diminuição na velocidade dos passos;

    • Hesitação na hora de atividades como subir escadas, camas, sofás, correr e saltar;

    • Limitação de movimentos;

    • Atrofiação dos músculos traseiros;

    • Desenvolvimento dos músculos dos ombros; 

    • Perda na firmeza das patas traseiras — o cachorro se desequilibra e cai sozinho;

    • Mudança na forma de andar (ele começa a mancar e andar “rebolando”);

    • Calcanhares virados para dentro;

    • Estalos na hora de andar;

    • Falta de simetria na hora de sentar ou sentar com as patas mais abertas.

     

    A prótese de "cadeira de rodas" pode ser uma das soluções para o animal depois do diagnóstico de displasia coxofemoral
    A prótese de "cadeira de rodas" pode ser uma das soluções para o animal depois do diagnóstico de displasia coxofemoral

    Como diagnosticar e tratar a displasia coxofemoral nos cachorros? 

    Assim que você reparar em qualquer um destes sintomas de forma regular no seu cachorro, precisa marcar uma visita ao veterinário. Dependendo do caso e do nível de desenvolvimento da displasia, ela vai ser diagnosticada com facilidade, mas é comum que ele peça exames de imagem, como radiografias ou ressonâncias e exames físicos para confirmar e saber mais detalhes sobre a condição especificamente no seu animal. 

    Em alguns casos, o tratamento com medicamentos, fisioterapia, suplementação da alimentação, dieta para perda de peso e, até mesmo, restrição de atividades físicas é suficiente para melhora na qualidade de vida do cachorro. 

    Mesmo assim, quando a displasia já está muito avançada, a cirurgia passa a se tornar uma opção. Seu veterinário pode apresentar alguns tipos diferentes de processos cirúrgicos que vão desde a substituição do quadril do animal com uma prótese até o corte ou retirada dos ossos atingidos, mas vale sempre a pena conversar para descobrir qual é a melhor opção no caso dele. 

    Redação: Ariel Cristina Borges

    Dirofilariose canina: saiba mais sobre o verme do coração que atinge os cães

    Próxima matéria

    Dirofilariose canina: saiba mais sobre o verme do coração que atinge os cães

    Giárdia em cães: transmissão, sintomas, tratamento e prevenção... saiba tudo sobre a doença!
    Diarreia

    Giárdia em cães: transmissão, sintomas, tratamento e prevenção... saiba tudo sobre a doença!

    A giárdia em cães ou giardíase, como é conhecida a doença, é uma zoonose — ou seja: também pode ser transmitida para humanos — causada por um protozoário que age na corrente sanguínea do cachorro contaminado. A partir do contágio, a giárdia causa uma série de alterações gástricas no animal. Mesmo que tenha cura, a giárdia canina pode matar se não for devidamente tratada. Para esclarecer diferentes dúvidas, como contágio, tratamento e as diferentes formas de prevenção da doença, conversamos com o veterinário Thiago Félix, de Brasília. Dá uma olhada!

    Parvovirose canina: descubra o que é, sintomas, prevenção e como funciona o tratamento da doença viral
    Saúde

    Parvovirose canina: descubra o que é, sintomas, prevenção e como funciona o tratamento da doença viral

    Uma das doenças virais de cachorro mais sérias e comuns que existem, o vírus da parvovirose atinge, principalmente, animais que não foram imunizados contra este e outros vírus. Entre os principais sintomas da parvovirose, o vômito, a diarreia com sangue, e a desidratação podem ser destacados, ou seja: mesmo que o diagnóstico chegue bem cedo, o tratamento deve começar o quanto antes, já que a parvovirose pode ser fatal. Para esclarecer todas dúvidas sobre a parvovirose canina, nós conversamos com a veterinária Jackeline Ribeiro. Dá uma olhada no que ela contou!

    Raiva: saiba tudo sobre os sintomas, tratamento e prevenção da doença
    Saúde

    Raiva: saiba tudo sobre os sintomas, tratamento e prevenção da doença

    A raiva canina é uma das doenças virais mais perigosas que o seu amigo pode pegar se não for devidamente protegido de seu agente causador. Apesar de ser uma zoonose, o que mais preocupa nesse caso é que ela não tem tratamento e é sempre fatal em animais. Em humanos, apesar de o tratamento ser novo, já existem casos de cura completa no Brasil. Para esclarecer dúvidas sobre a raiva em cachorros, seus sintomas, formas de transmissão e prevenção, nós conversamos com o veterinário Thiago Félix, de Brasília. Sobre a ação da raiva em humanos, os dados são da Secretaria de Saúde do Estado do Rio de Janeiro.

    Leishmaniose canina: o que é, sintomas, tratamento, vacina e formas de prevenção da doença
    Saúde

    Leishmaniose canina: o que é, sintomas, tratamento, vacina e formas de prevenção da doença

    A leishmaniose canina é uma doença causada por um protozoário chamado Leishmania. Mesmo que seja comum em animais, a leishmaniose também pode ser transmitida para humanos e, nos dois casos, pode debilitar o organismo o suficiente para ser fatal. Para falar mais sobre a doença e esclarecer dúvidas sobre o contágio, remédios, prevenção e tratamento para leishmaniose canina, nós conversamos com Priscila Larrussa, veterinária do grupo Vet Popular.

    Ver Todas >

    Fluidoterapia em gatos: tudo que você precisa saber sobre o tratamento usado em gatos renais crônicos
    Saúde animal

    Fluidoterapia em gatos: tudo que você precisa saber sobre o tratamento usado em gatos renais crônicos

    Você já ouviu falar em fluidoterapia em gatos? Muito comum em casos de insuficiência renal em gatos, a fluidoterapia em felinos é um tratamento de suporte que promove a hidratação do animal. É um procedimento versátil que pode ser aplicado de diversas maneiras e com fluidos específicos para cada situação. Para tirar todas as dúvidas sobre a fluidoterapia em gatos, o Patas da Casa conversou com a veterinária especialista em gato e dona do Diário Felino Jéssica de Andrade.

    Gato com FIV pode conviver com outros gatos?
    Saúde animal

    Gato com FIV pode conviver com outros gatos?

    A FIV felina é considerada uma das doenças mais perigosas. Além de toda a preocupação ao resgatar ou adotar um gatinho, existe outra questão que precisa de cuidado: a fácil transmissão. Existem testes que detectam a patologia, e é necessário realizá-los antes de levar um novo gato para casa - especialmente se tiver outros gatos. O gato com FIV pode acabar transmitindo a doença para os outros residentes se não houver nenhum tipo de cuidado.

    Vermes em gatos: saiba mais sobre a dirofilariose felina
    Saúde animal

    Vermes em gatos: saiba mais sobre a dirofilariose felina

    A dirofilariose em gatos é uma doença em que os parasitas se alojam na corrente sanguínea do pet e pode chegar até o coração - por isso também é chamada de doença do verme de coração. O problema é uma das doenças causadas por tipos vermes de gato. A dirofilariose também pode atingir os cães e é temida por ser uma complicação de saúde muito perigosa para ambos os pets. 

    Dermatofitose em gatos: saiba mais sobre essa doença muito comum e silenciosa
    Saúde animal

    Dermatofitose em gatos: saiba mais sobre essa doença muito comum e silenciosa

    A dermatofitose em gatos é uma doença de pele silenciosa, porém muito comum de acontecer com os felinos. Mesmo que muitas vezes seja difícil de ser identificada, essa doença é altamente contagiosa e é classificada como uma zoonose, ou seja, também é transmissível para os humanos. Por isso, saber mais sobre os sintomas de dermatofitose é muito importante não só para o bem-estar de seu gato, como também do próprio tutor.

    Ver Todas >