Assim como os humanos, os cães também tem um jeitinho próprio de se comunicar com o mundo ao seu redor. É algo que faz parte da personalidade deles e, por isso, é importante entender alguns aspectos do comportamento canino para estreitar a relação com esses animais. Será que você tem um cachorro mais destemido ou medroso? Comunicativo ou tímido? Amigável ou agressivo? A seguir, separamos algumas informações que podem ajudar a identificar de uma vez por todas como é o padrão de comportamento do seu amigo de quatro patas. Veja só!

Alimentação do cachorro: como seu amigo de quatro patas se comporta na hora de comer?

Quais raças de cachorro mais combinam com você?

Preencha todos os campos para participar.

É só preencher e começar!

Escolha uma opção abaixo

Não tenho pets
Tenho cão
Tenho gato
Tenho cão e gato
Autorizo receber comunicações e publicidade da NESTLÉ®.

Todo mundo sabe o quanto é importante cuidar da alimentação do cachorro. A ração é a principal fonte de nutrição dos cães e precisa ser fornecida de maneira adequada para garantir a saúde deles. Mas o que poucas pessoas percebem é que até mesmo a forma que o cachorro se alimenta também revela alguns aspectos da personalidade dele. Tem alguns animais, por exemplo, que são verdadeiros comilões: não importa qual seja o alimento, ele sempre está disposto a fazer uma boquinha. Por outro lado, tem cães que são mais seletivos com o que comem: não adianta tentar agradá-los com um petisco qualquer, tem que ser algo muito gostoso para chamar sua atenção.

Outro aspecto que pode ser levado em consideração é como o animal se comporta quando chega a hora da refeição. Cães considerados dominantes tendem a avançar na comida e agir de maneira insistente quando querem um pedacinho do que você está comendo. Já um cachorro manso e mais submisso não tem a menor pressa em se alimentar e não costuma pedir mais do que lhe é dado.

Agora, e quando o cachorro não quer comer? Mesmo que o seu amigo de quatro patas não seja o maior comilão do universo, é bom ficar de olho para saber se ele está se alimentando direitinho. A falta de apetite é sinal de que algo não vai bem com o cãozinho e pode ser um indicativo de problemas de saúde. Nesses casos, o ideal é procurar um médico veterinário para entender o que está provocando essa mudança de comportamento.

Cachorro dominante ou submisso? Entenda a diferença entre esses padrões de comportamento canino

Você provavelmente já ouviu falar nessas denominações para definir o comportamento de um cãozinho, e isso não é à toa: cada um desses grupos possui uma série de características que permitem saber como é a personalidade do animal. O cachorro dominante, por exemplo, geralmente é dotado de uma postura mais imponente: ele tem o hábito de encarar as pessoas e outros cães, nunca abaixa a cabeça e sempre age com superioridade diante de qualquer situação. Por isso, ele costuma ter problemas de obediência, já que não aceita receber ordens de terceiros e pode ser bastante teimoso. Em alguns casos, também pode apresentar traços de agressividade, principalmente perto de outros cães e/ou estranhos.

Outros traços característicos do cachorro dominante são: grunhido para conseguir o que quer; insistência para brincadeiras; latidos excessivos para estranhos; avança para pegar comida e necessidade de defender o dono o tempo todo - mesmo que ele não esteja em perigo. Além disso, pode apresentar ciúmes e possessividade em algumas ocasiões - seja por causa de um brinquedo preferido ou porque tem alguém “desviando” a atenção do seu humano. Vale destacar que esse é um padrão de comportamento que pode até ser considerado saudável para estabelecer a relação entre cães, mas que pode se tornar um verdadeiro problema na relação do cachorro com seu tutor. Para melhorar o comportamento do animal, o adestramento é uma alternativa possível. Lembre-se: seu amigo de quatro patas também precisa de limites e, acima de tudo, precisa saber respeitar o ambiente e as pessoas que convivem com ele.

Já quando falamos de um cão submisso, a primeira imagem que vem a nossa mente é a de um cachorro manso, calmo e até mais reservado. No geral, cães que apresentam esse padrão de comportamento canino tendem a se curvar diante de outras pessoas e animais, evitam fazer contato visual e permanecem com as orelhas baixas. Não são agressivos, pelo contrário: são bastante carinhosos e de fácil convivência. Gostam de agradar seus donos e, por isso, são bons candidatos a aprender novos truques e alguns comandos básicos de obediência, como dar a patinha e sentar.

O cachorro submisso também pode ser medroso em algumas circunstâncias e, por isso, este é um animal que costuma ter dificuldade de ficar sozinho e pode apresentar ansiedade de separação. Isto é, são cães que são tão apegados à sua família que não suportam a ideia de ficarem sem companhia. Nesses casos, é fundamental redobrar a atenção com o animal e contornar o problema, já que essa ansiedade pode acabar desencadeando sérios problemas emocionais no cãozinho a longo prazo.


O processo de socializar cachorro com outros cães deve começar o quanto antes
O processo de socializar cachorro com outros cães deve começar o quanto antes

Socialização do filhote de cachorro é importante para definir seu comportamento na fase adulta

Não importa se o cachorro é mais territorialista ou medroso: aprender a conviver em sociedade é muito importante - seja com cães, animais de outras espécies, humanos e até mesmo ambientes. O ideal é que o processo de socialização aconteça quando o cachorro ainda for um filhote, pois assim ele tende a se acostumar com novos integrantes mais rapidamente. Como a personalidade do animal ainda está em processo de formação nessa fase inicial, fica muito mais fácil de torná-lo um cãozinho mais amigável e que se dá bem com todo mundo, sem apresentar comportamentos agressivos. Uma das melhores formas de fazer isso é levando o doguinho para passeios na rua, onde ele passa a ter contato com outros animais e, ao mesmo tempo, com um movimento diferente de pessoas. 

No entanto, quando o assunto é um cachorro adulto que não foi socializado devidamente, isso pode ser uma tarefa difícil (mas não impossível). Como os cães mais velhos já têm um comportamento mais definido diante dessas circunstâncias, a melhor maneira de resolver isso é com o auxílio de um adestrador profissional. O principal objetivo é tentar ressignificar situações que podem deixar o seu cachorro estressado ou com medo, evitando que reaja de forma agressiva.

Estudo revela que a personalidade do cachorro pode ser um reflexo da convivência com o tutor

Pode parecer brincadeira, mas é verdade: segundo uma pesquisa conduzida pela Universidade Estadual de Michigan, nos Estados Unidos, os cães podem mudar de personalidade ao longo da vida, e muitas vezes eles acabam tendo o comportamento moldado pela convivência com os humanos. No estudo, 1.600 cães de 50 raças diferentes foram analisados e os pesquisadores notaram que quando um cachorro tinha um tutor muito carinhoso, os animais eram igualmente amáveis e companheiros. Por outro lado, se o tutor era muito estressado e negativo, o animal tinha um comportamento mais agressivo

A conclusão final disso é que, sim, a sua relação com o seu doguinho pode influenciar bastante na maneira com que ele lida com diversas situações. Por isso, o ideal é que nós, humanos, estejamos sempre dispostos a dar muito amor aos nossos bichinhos como eles merecem! Mas, claro, lembrando-se de estabelecer alguns limites e regras para melhorar ainda mais a convivência em família.

Linguagem corporal canina é repleta de significados. Veja algumas formas do cachorro se comunicar com você!

• Latido de cachorro: uma das principais formas de um cão se expressar é por meio de latidos. Alguns cachorros podem ser mais silenciosos do que outros, mas é inevitável: em algum momento ele vai latir. Seja porque ele está com fome, para te avisar de algum perigo ou até mesmo para te cumprimentar. É por isso que saber interpretar os tipos de latido de cachorro é essencial para que você consiga ajudar o seu amigo sempre que ele precisar.

• Movimento das orelhas: poucas pessoas percebem, mas a orelha do cachorro é capaz de revelar como o cachorro se sente diante de determinada situação. Quando elas estão para cima, geralmente é porque o animal está prestando atenção em alguma coisa. Já quando elas estão viradas para baixo, é porque esses animais estão relaxados, tristes ou com medo. 

• Movimento do rabo: assim como as orelhas, o rabo do cachorro também pode significar uma infinidade de sentimentos. Se eles estão animados, com medo, preparados para atacar ou simplesmente concentrados: a cauda desses animais costumam ter movimentos específicos para cada uma dessas situações. Sendo assim, cabe ao tutor aprender a decifrar o que seu cãozinho quer dizer quando mexe o rabo de um jeito diferente.

• Olhar de cachorro: a expressão “um olhar vale mais do que mil palavras” cabe perfeitamente nesse contexto. Quem nunca deu de cara com um olhar de cão arrependido depois dele aprontar? Ou percebeu aquele olhar de “pidão” porque o cachorro queria um pedacinho do que você estava comendo? O olhar do cachorro é capaz de nos dizer muita coisa: se estão felizes, tristes, desconfiados, arrependidos ou cansados.

• Postura corporal canina: antes de mais nada, é importante ter em mente que analisar somente o movimento das orelhas ou do rabo nem sempre é suficiente para saber o que está acontecendo com o cachorro. É preciso, portanto, saber analisar a postura corporal do animal como um todo, pois é o conjunto de todos esses movimentos que nos ajuda a entender, de fato, a mensagem que o cão quer nos transmitir. 

 


Linguagem canina: os cachorros também têm seu jeitinho próprio de demonstrar afeto
Linguagem canina: os cachorros também têm seu jeitinho próprio de demonstrar afeto

Amor de cachorro: é possível saber se o seu cachorro te ama com base no comportamento canino

Agora que você já sabe tudo sobre a linguagem corporal canina, chegou a hora de entender um pouquinho mais sobre a relação do seu doguinho com os humanos! Uma pergunta que é inevitável na vida de todo tutor é: “como saber se meu cachorro me ama?” E, por mais que os cães não tenham a capacidade de falar, é super possível saber o que eles sentem com pequenas atitudes e comportamentos do dia a dia. Sabe quando você está chegando em casa e seu cachorro já está na porta pronto para te receber com pulos e lambidas? Isso é sinal de amor! 

Às vezes, esses animais também gostam de dormir juntinho ou encostando uma parte do corpo no seu tutor (como quando eles deitam nos seus pés, por exemplo), que também é uma outra forma deles demonstrarem que se sentem confortáveis e seguros perto de você, mesmo nesse momento de vulnerabilidade. Além disso, o famoso rabo “abanando” de felicidade também é um sinal de que ele fica feliz em te ver!

“Mas então, se o meu cachorro não fizer nada disso é porque ele não me ama?” Muita calma nessa hora! Embora essas sejam as formas mais comuns de um animal demonstrar afeto e carinho, os cães não agem sempre da mesma forma. Alguns cachorros são mais quietinhos, mas nem por isso deixam de te amar: a forma que eles encontram de fazer isso é ficando perto de você o tempo todo, às vezes até mesmo te seguindo pela casa.

Brincadeira para cachorro: saiba como estimular seu amigo de diferentes formas de acordo com a personalidade dele

Seja um cachorro com espírito aventureiro ou com um temperamento mais tranquilo: no final, todos os animais adoram tirar um tempinho do dia para brincar. Portanto, é importante investir em brinquedos para cachorro que sejam adequados para o seu amigo de quatro patas, certo? Pensando nisso, separamos algumas opções bem divertidas para entreter seu doguinho no dia a dia:

• Bolinha para cachorro: não dá para negar que qualquer cachorro adora uma boa e velha bolinha. E o melhor de tudo é que existem vários modelos diferentes (de tênis, de borracha, de pelúcia, entre outros), o que aumenta o leque de opções. Para escolher a melhor para o seu amigo de quatro patas, você deve saber como é a personalidade dele. Se tiver um comportamento mais destrutivo e agressivo, por exemplo, o ideal é procurar por um acessório de material mais resistente, como a bolinha de tênis ou até mesmo uma bolinha indestrutível para cachorro.

• Corda para cachorro: o brinquedo de corda também é uma ótima opção! Versátil, ele pode se desdobrar nos mais diferentes acessórios: desde uma corda de cabo de guerra até mesmo uma corda para cachorro trançada, ideal para cães que gostam de morder tudo que veem pela frente. No entanto, diferente das bolinhas, a corda não é muito recomendada para cães destruidores, já que cordas muito pequenas podem acabar sendo engolidas pelos cães no meio de uma brincadeira e causar uma obstrução intestinal. Por isso, fique atento e sempre supervisione as brincadeiras do seu amigo!

• Mordedor para cachorro: os mordedores geralmente são muito indicados para os filhotes de cachorro porque ajudam a aliviar os incômodos que ocorrem durante a troca de dentição. No entanto, é um brinquedo que também pode fazer seu cãozinho muito feliz em qualquer fase da vida dele. Os mordedores para cachorro podem ser encontrados em diferentes formatos, tamanhos e materiais, mas antes de comprar um desses para o seu pet, certifique-se de que a opção escolhida é resistente o suficiente para lidar com as mordidas do seu cão.

Redação: Juliana Melo