Ao adotar cachorro você deve pensar que vai ter que ensinar muitas coisas ao pet. No entanto, a adoção de cães muitas vezes é surpreendente e causa justamente o efeito contrário, ou seja, você acaba aprendendo bastante com a experiência. Para entender mais sobre essa relação entre os cachorros e seus donos, o Patas da Casa conversou com cinco tutores que contaram o que a convivência com cachorro os ensinou. Confira!

Quais raças de cachorro mais combinam com você?

Preencha todos os campos para participar.

É só preencher e começar!

Escolha uma opção abaixo

Não tenho pets
Tenho cão
Tenho gato
Tenho cão e gato
Autorizo receber comunicações e publicidade da NESTLÉ®.

1) Cachorro e dono: a emoção de voltar a ver

Você já se perguntou se cachorro sente saudade do dono? Quem é pai de pet sabe a felicidade que um dog demonstra em ver o tutor novamente. Mesmo que você tenha se ausentado por pouco tempo, o seu peludo irá demonstrar uma alegria motivadora com seu retorno. A euforia pode até ser preocupante nos casos em que o cachorro fica muito tempo sem ver o tutor. É o que conta Leonardo Ramatís, universitário que se mudou de Minais Gerais para o Rio de Janeiro para estudar. O estudante conta a comovente reação de sua cadela vira-lata de 3 anos com o seu retorno para casa. “Por ficarmos às vezes meses sem nos vermos, a saudade é de fato um elemento muito presente. Ravena quase desmaia quando eu chego em casa. Entre pulos e latidos, choros e pulos, a primeira coisa a se fazer é certa: sentar e dar um pouco de atenção a ela para conseguir acalmá-la. Depois eu estou livre para cumprimentar meus familiares e os outros animais”, conta Ramatís.

É importante também não esquecer que cada cachorro é único e cada um irá demonstrar a felicidade de te ver de uma forma diferente. A empreendedora Dayana Senna é mãe de dois doguinhos. O Negão é um vira-lata de 6 anos de idade e Maria Keite, que é uma Dachshund, tem 2 anos. Dayana conta sobre a diferença dos dois na hora de demonstrar o amor com seu retorno. “O Negão é grandão, pula em cima de mim e só falta me jogar no chão. Já a Maria Keite só dá uma cheiradinha”, explica. De uma forma ou de outra a emoção de voltar a ver alguém especial é algo que podemos aprender com a relação entre cachorro e dono.

2) Adotar cachorro pode te ensinar a ter responsabilidade e compromisso

A adoção de cães é um ato de amor que traz muitas responsabilidades e compromissos. O cãozinho passa a ser dependente de você para se alimentar, passear, dentre outros compromissos. Toda essa responsabilidade que a relação entre os cachorros e seus donos demanda pode te ajudar a ser uma pessoa mais comprometida. A jornalista Clara Pedrada é tutora do Chuck, um Shih Tzu de 5 anos. Ela explica como a rotina com seu pet mudou a sua percepção de compromisso. “Eu tenho que levá-lo na rua, para fazer as necessidades dele. Eu tenho que alimentá-lo, não posso deixar ele de lado… E ele me cobra ta? Ele sente fome, então se eu esquecer por acaso de colocar a comida dele na hora, ele vem me cobrar. Ele sabe a hora que eu levo ele na rua, então ele me acorda se eu estiver dormindo. Eu sou um pouco mais responsável com ele e por causa dele. Ele virou um companheiro e eu tenho o Chuck como um filho. Eu tenho a minha vida com ele, acho que eu cresci por causa dele. Eu não tinha essa responsabilidade toda.”, compartilha Clara.

 

Cada cão é único e a relação entre os cachorros e seus donos pode variar. A Maria Keite, demonstra suas saudades apenas dando uma cheiradinha.O Baphomet é um cachorro muito apegado ao dono e vive demonstrando ciúmesO amor incodicional é algo indiscutível na convivência do cachorro e donoA Ravena é a prova viva que cachorro sente saudade do dono e exala amor na volta do Leonardo pra casaAdoção de cães: o Negão gosta de demonstrar muito amor e quase derruba sua tutora na chegadaNa relação de cachorro e dono com seu Shih Tzu, Clara Pedrada aprendeu a ser mais responsável

 

3) A lealdade de cachorros e seus donos é um grande ensinamento

 

A lealdade desses animais é algo incontestável. Afinal de contas, não é à toa que o cachorro é chamado de melhor amigo do homem. Seja o cachorro muito apegado ao dono ou não, ele sempre estará com o tutor nos melhores e piores momentos. Clara explica como Chuck sente seus momentos ruins e mostra sua lealdade. “Quando eu estou triste, ele sente. Ele fica do meu lado e não sai. Ele sente quando eu estou doente também, ele fica agarrado comigo", revela.


Toda essa lealdade e amor pode gerar ciúmes. Bem, não exatamente. Ainda que os cachorros não tenham um sentimento humano tão complexo, eles demonstram algo parecido quando acham que precisam competir pelo afeto dos tutores. Newton Vianna é tutor de Baphomet, um Pinscher de 3 anos. O acadêmico de Geografia explica como Baphomet mostra, muitas vezes, estar enciumado. “Uma vez eu estava com um namorado que foi me beijar e ele começou a ameaçar atacar. Se o Baphomet estiver deitado na minha perna e alguém fizer carinho em mim, ele fica com ciúmes e começa a rosnar”. 

 

4) A adoção de cães pode ensinar sobre o amor incondicional

Os cachorros não precisam de muito para demonstrar amor. Toda a convivência entre o cachorro e dono pode mostrar para humanos uma grande forma de amor incondicional. Toda a sensibilidade, lealdade e companheirismo pode gerar uma experiência única que continua mesmo quando o cachorro não está presente. O publicitário Yago Patricio foi pai do Raj, um Bulldog Frânces que veio a falecer por uma enfermidade em 2019. Yago explica mais sobre o amor incondicional que tem até hoje por seu cachorrinho e a dificuldade de sua partida. “Eu acredito que o maior ensinamento que eu tive foi o processo de autoconhecimento que me permiti ter. Foram meses muito difíceis, de lidar com toda a doença até o falecimento. Nós fizemos de tudo o que estivesse ao nosso alcance por ele. Foi um período doloroso quando ele se foi. Um vazio enorme no meu coração e na casa. Por muitos meses refleti se poderia ter feito mais, ou se poderia ter feito melhor. Mas aprendi a ressignificar a dor para um sentimento de gratidão por ter vivido momentos tão bonitos e de tamanha felicidade ao lado dele. Eu aprendi tantas coisas no tempo que eu tive a honra de estar junto dele, sobretudo a ter paciência e compromisso. Foram aprendizados que eu carrego comigo até hoje mesmo sem estar na presença de um outro animal. No meu trabalho, na minha vida acadêmica e tudo mais”.


Redação: Hyago Bandeira