Prevenção e tratamentos

10 mitos e verdades sobre a Leishmaniose canina!

Publicado - 27 Outubro 2020 - 16h04

Atualizado - 03 Maio 2024 - 15h26

A leishmaniose canina pode trazer sérios problemas para a saúde do animal. A doença é classificada como uma zoonose (ou seja, seres humanos também podem contraí-la) e os cães domésticos são os principais hospedeiros. A transmissão ocorre pela picada do mosquito-palha infectado com o protozoário Leishmania infantum chagasi. A prevenção é muito importante, já que a doença pode levar humanos e cachorros à morte ou causar sérias sequelas. Muitas dúvidas sobre a doença circulam por aí, por isso reunimos 10 mitos e verdades sobre a leishmaniose canina!.

1. Apenas animais que vivem em regiões endêmicas pegam a leishmaniose canina

MITO! A transmissão da leishmaniose em cachorro ocorre independente da região em que o animal vive. Apesar das regiões endêmicas apresentarem mais riscos, não estar em uma região com surtos não significa que o cachorro esteja totalmente seguro. Locais com falta de saneamento básico estão mais propensos à contaminação, mas a transmissão também pode ocorrer em regiões urbanas e desenvolvidas.

2. O cachorro transmite a leishmaniose visceral canina diretamente para os humanos

MITO! A Leishmaniose não pode ser transmitida diretamente do cachorro para humanos. Lambidas, arranhões, mordidas ou qualquer outro tipo de contato com o cachorro com leishmaniose não transmitirá a doença para o humano. A contaminação ocorre somente por meio da picada do mosquito-palha infectado.

Imagem Quiz:Quais raças de cachorro mais combinam com você?

Quais raças de cachorro mais combinam com você?

Preencha todos os campos para participar.

É só preencher e começar!

Escolha uma opção abaixo

3. A leishmaniose canina não tem cura

VERDADEIRO! Infelizmente ainda não existe cura para Leishmaniose em cães. No entanto, existem tratamentos com medicações que diminuem o número de parasitas que circulam no corpo do cachorro, possibilitando que ele tenha mais qualidade de vida. Além de tratar os sintomas, o tratamento da leishmaniose impede que o cachorro se torne um transmissor da leishmaniose canina caso seja picado por um mosquito-palha.

4. A vacina não impede que o cão contraia a leishmaniose visceral canina

VERDADEIRO! Apesar da vacinação ser muito eficaz, não há 100% de garantia de que o cão não contraia a leishmaniose canina. A prevenção precisa ser alinhada com outros métodos, como limpeza do ambiente e o uso de coleiras que também tenham a ação repelente contra mosquitos. Além disso, abrigar o cão dentro de casa durante a noite também é um modo de prevenção, já que esse é o período de maior atividade do mosquito-palha.

 

Cão branco segurado por veterinária em consultório
O diagnóstico da leishmaniose canina é complexo e precisa de prova e contraprova

 

5. É difícil diagnosticar a leishmaniose visceral canina

VERDADEIRO! É muito comum que os resultados dos exames apresentam falsos positivos e falsos negativos para a doença. Por esse motivo, é necessário mais de um exame para constatar o diagnóstico da leishmaniose canina. É um processo que necessita de prova e contraprova para evitar que um cão saudável faça o tratamento indevidamente e que o cão doente fique sem tratamento. Felizmente existem variadas opções de exames para diagnosticar a leishmaniose visceral canina, dentre eles testes rápidos, exames de sangue e exames físicos. Não é possível fazer o diagnóstico sem que se faça todo esse check-up.

6. Leishmaniose canina: sintomas da doença não podem ser notados

MITO! Os sintomas de leishmaniose em cães são variados e o cachorro pode demorar a apresentá-los ou não. A Leishmaniose canina tem sinais que podem atingir qualquer cachorro, independente da raça ou idade. Machucados e feridas que não saram, lesões, embranquecimento e descamação da pele, emagrecimento rápido, crescimento anormal das unhas, atrofia muscular, alterações oculares, queda de pelos e vasculite estão entre os sintomas mais comuns. Sintomas como vômito, diarreia e dificuldade para fazer xixi também podem ocorrer, além das alterações renais, gastrointestinais e neurológicas em casos mais evoluídos.

7. Todo cão diagnosticado com leishmaniose visceral canina precisa ser sacrificado

MITO! Por muito tempo, praticamente todos os cachorros diagnosticados com leishmaniose canina eram submetidos à eutanásia. A principal recomendação era para que os cachorros com leishmaniose canina não se tornassem um reservatório de protozoários, colocando em risco a saúde humana. Hoje é possível fazer o tratamento dos cães contaminados para impedir que ele seja um transmissor da doença caso seja picado pelo mosquito-palha.

8. Não manter água parada é um meio de afastar o mosquito-palha, principal vetor da leishmaniose

MITO! O mosquito palha tem preferência por lugares com matérias orgânicas, com muitas plantas e árvores. Por isso, apenas conter focos de água parada não previne contra a doença. É necessário manter a higienização do local onde o cachorro vive. Entretanto, conter os focos de água parada ajuda na prevenção de outras doenças graves para a saúde humana e animal. Lembre-se que todas as medidas preventivas devem ser alinhadas e feitas juntas.

9. A vacinação contra a leishmaniose canina causa muitos efeitos colaterais

MITO! Alguns cães podem ser mais sensíveis à vacina de leishmaniose canina e isso é normal. Entretanto, são raras as ocorrências de reações alérgicas ou sintomáticas. No caso de algum efeito colateral mais contínuo, é importante que o animal seja avaliado pelo médico veterinário.

10. É necessário fazer um teste sorológico antes de iniciar a vacinação contra leishmaniose canina

VERDADE! Constatar que o cachorro não está com leishmaniose canina antes da vacinação é obrigatório. Por isso, todos os cães vacinados precisam apresentar resultados negativos nos exames antes de serem vacinados. A vacinação é feita em três doses em cães a partir dos quatro meses de vida. Após isso, é necessário que seja feita a revacinação anual.

Redação: Hyago Bandeira 

Cachorro

Com ajuda do ChatGPT, mulher cria site para mostrar como os cachorros enxergam de verdade: testamos por aqui!

Você já se perguntou como os cachorros enxergam? Essa é uma dúvida comum entre muitas pessoas, sejam elas tutoras de um pet ou não. ...

Histórias reais

Vira-lata caramelo invade festa junina e faz participação especial na hora quadrilha

Não tem jeito: o vira-lata caramelo sempre dá um jeito de abrilhantar qualquer enredo. Se há algum tempo viralizaram histórias de ca...

Cachorro

Esses são os 6 sinais que seu cachorro te ama mais visíveis - e provam que você é a "casca de bala" dele e vice-versa

Frases para cachorro de amor podem revelar muito sobre os sentimentos humanos sobre os fortes vínculos que são criados com os pets. ...

Cuidados

Direitos dos animais em condomínios: advogada lista o que os condomínios podem proibir ou não sobre a presença de cães e gatos

Já ouviu falar nos direitos dos animais? Pois saiba que, assim como nós, os nossos pets também são protegidos pela lei. Existe a lei...

Comportamento

Aprenda a interpretar cada miado de gato: foi com essas dicas que consegui me aproximar mais ainda do meu pet

Mesmo que os gatos não saibam falar, a linguagem felina é muito rica e expressiva. Além da postura corporal, o miado de gato tem uma...

Saúde

O que acontece no corpo da gata no cio? Dos miados estridentes aos picos hormonais, veja todas as mudanças que ela enfrenta

Não precisa ser expert no universo felino para conseguir identificar uma gata no cio. Dos miados estridentes aos picos hormonais, o ...

Cachorro

Com ajuda do ChatGPT, mulher cria site para mostrar como os cachorros enxergam de verdade: testamos por aqui!

Você já se perguntou como os cachorros enxergam? Essa é uma dúvida comum entre muitas pessoas, sejam elas tutoras de um pet ou não. ...

Comportamento

"Amor de gato": foi assim que aprendi a interpretar as emoções do meu gatinho e percebi que sou o amor da vida dele

O amor de gato é um sentimento especial e gratificante que os bichanos demonstram por seus donos. Mas ao contrário dos cães, eles ex...

Ver todas