close
Vacina

Posso passear com o cachorro antes das vacinas? Saiba os cuidados necessários no pré e pós-vacinação

Conheça os cuidados necessários para ter durante esse período com o seu cachorro filhote
Conheça os cuidados necessários para ter durante esse período com o seu cachorro filhote

Nas primeiras semanas de vida, é comum que a saúde de um filhote precise de atenção redobrada. Além da introdução da ração, que deve começar aos dois meses de vida, as vacinas para cães normalmente causam dúvidas: qual deve ser a primeira vacina do cachorro? Os passeios podem acontecer normalmente antes da imunização? Quais são os tipos de vacinas e para que servem? Como cuidar do animal ainda tão pequenininho antes e depois das doses? Descubra, aqui embaixo, um pouco mais sobre essa fase da vida do cachorro!

Afinal de contas, eu posso passear com o cachorro antes das vacinas?

A recomendação dos veterinários em relação à imunização dos filhotes é unânime: antes dele estar completamente protegido, o contato com o mundo do lado de fora deve ser evitado. Como o pequenino ainda não está imune, ter contato com os diferentes canais de doenças que surgem pela rua pode ser perigoso para a saúde do animal. Desde o xixi e o cocô de outros cachorros até as fezes de pombos, os riscos são imensos! Inclusive, fica a dica: o mesmo cuidado que você tem com o seu filhote de cachorro na rua, deve existir dentro da clínica veterinária no dia em que ele for tomar as vacinas, ok?

Como cuidar do filhote de cachorro depois da vacinação

Assim como acontece com os humanos, algumas vacinas podem causar reações nos filhotes de cachorro dependendo de como o organismo deles processar os componentes do medicamento. Geralmente, é comum que eles fiquem com um pouco de febre e com a região da aplicação um pouco inchada e dolorida. Se esses sintomas mais “normais” durarem por mais de um dia, vale a pena pedir a ajuda do veterinário. Outras reações à vacina que também precisam da sua atenção e, provavelmente, da ajuda profissional, são os vômitos, tremores, agitação excessiva, inchaço na região do focinho, salivação e coceira.

Como investir na socialização do cachorro antes de aplicar todas as vacinas?

Respeitar o cronograma de vacinação do seu filhote de cachorro nos primeiros meses de vida é extremamente importante para a saúde dele. Nesse período, muita gente evita o contato do animal com a rua por segurança, mas o problema nisso é o seguinte: os primeiros meses de vida também são a fase em que os filhotes de cachorro precisam de interação social para descobrir como se comportar na companhia de pessoas diferentes e outros animais — o que eles aprendem nesses primeiros meses é reproduzido pelo resto da vida.

Essa questão pode começar a ser resolvida a partir das seis semanas do animal, quando ele toma a primeira vacina. De preferência, em ambientes conhecidos e bem higienizados, deixe ele ter contato com outros cachorros que já são completamente vacinados e estejam saudáveis. No caso de filhotes, é importante que o outro animalzinho também tenha recebido pelo menos a primeira vacina há pelo menos 10 dias e que também não tenha tido contato com o ambiente exterior. Inclusive, ainda é necessário evitar ambientes públicos, como parques, canis e hotéis para animais: esses, só com a vacinação finalizada!

Vacinas para cães: descubra quais são as recomendadas para todos e quais devem ser aplicadas em casos específicos

Faça o teste e descubra qual a personalidade dominante do seu gato!

É só preencher e começar!

Question Quiz Stamp

Como seu gato reage com a chegada de visitas em casa?

Question Header Background
Question Quiz Stamp

Você está pensando em adotar mais um gatinho. Qual seria a reação do seu felino?

Question Header Background
Question Quiz Stamp

Você precisa levar seu gato ao veterinário e na fila ele encontra outro felino. Como ele reage?

Question Header Background
Question Quiz Stamp

Seu gato fica incomodado quando as portas de casa ficam fechadas?

Question Header Background
Question Quiz Stamp

Como seu gato se comporta com os outros animais da casa?

Question Header Background
Question Quiz Stamp

Você acabou de chegar em casa depois de muito tempo fora. O seu gato:

Question Header Background
Question Quiz Stamp

Seu gato deitou em cima da sua cama e dormiu. Qual a sua reação, humano?

Question Header Background
Question Quiz Stamp

Como seu gato se comporta na hora de se alimentar?

Question Header Background

Gato-humano! Seu gato não perde a oportunidade de estar ao seu lado Gato solitário! Seu gato tem uma personalidade mais quieta e reservada Gato-gato!  Seu gato gosta da companhia de outros felinos Gato curioso! Seu gato está sempre em busca de novas aventuras Gato caçador! Seu gato tem os instintos selvagens mais aflorados
    Antes do ciclo de vacinas obrigatórias terminar, seu cachorro pode socializar com outros animais conhecidos
    Antes do ciclo de vacinas obrigatórias terminar, seu cachorro pode socializar com outros animais conhecidos

    Mais Lidas

    Cinomose: tem cura, o que é, quais os sintomas, quanto tempo dura... Tudo sobre a doença de cachorro!
    Saúde animal

    Cinomose: tem cura, o que é, quais os sintomas, quanto tempo dura... Tudo sobre a doença de cachorro!

    Uma das partes mais difíceis de ter um cachorro em casa é o momento em que eles adoecem — e isso piora quando a doença é das mais sérias, como a cinomose. Causada por um vírus, se não for tratada da forma correta, a cinomose em cães pode ser fatal não apenas para o que foi infectado primeiramente, mas para todos os que estiverem em contato com ele. Para entender um pouco mais sobre o que é cinomose canina, seus sintomas, causa e o tratamento, o Patas da Casa conversou com a veterinária Kelly Andrade, do Paraná. Dê uma olhada, aqui embaixo, nas instruções da profissional!

    Feridas em cachorro: veja as mais comuns que atingem a pele do animal e o que pode ser
    Saúde animal

    Feridas em cachorro: veja as mais comuns que atingem a pele do animal e o que pode ser

    As feridas em cachorro podem ter muitas causas e é preciso avaliar a gravidade da situação. Se o seu cão surgiu algum arranhão ou machucados de leve depois de brincar muito com outros animais, o melhor é observar, mas se as feridas na pele do cachorro apareceram do nada você precisa ficar atento e buscar ajuda veterinária. Pode ser um caso de dermatite, alergia de contato ou até picada de algum parasita. O Patas da Casa preparou um guia com as feridas de cachorro mais comuns. Vamos conferir?

    Gato no cio: de quanto em quanto tempo acontece e quanto tempo dura?
    Saúde animal

    Gato no cio: de quanto em quanto tempo acontece e quanto tempo dura?

    Gatos são animais conhecidos pelas suas frequentes fugas quando estão no cio, mas você sabe por quê? Sabe a partir de qual idade a fêmea pode ter o primeiro cio? Esse período pode ser bastante estressante para o felino - e também para o dono -, pois o comportamento do animal muda bruscamente. Está preparado e já está ciente de quanto tempo dura o cio do gato? Nessa matéria vamos tirar essas e outras dúvidas sobre o assunto. Vem com a gente!

    Doença do carrapato: sintomas, tratamento, tem cura... Tudo sobre o parasita em cachorros!
    Saúde animal

    Doença do carrapato: sintomas, tratamento, tem cura... Tudo sobre o parasita em cachorros!

    A doença do carrapato é uma das mais conhecidas entre os pais de pet e também uma das mais perigosas para os cachorros. Transmitida pelo carrapato marrom, bactérias e protozoários invadem a corrente sanguínea e os sintomas variam de acordo com o grau da doença e podem causar coloração amarela na pele e mucosas, distúrbios de coagulação, manchas vermelhas espalhadas pelo corpo, sangramento nasal e, em casos mais raros, problemas neurológicos e até mesmo a morte do cachorro. Para ajudar a esclarecer dúvidas sobre a doença do carrapato, o Patas da Casa entrevistou a veterinária Paula Ciszewsi, de São Paulo. Confira abaixo!

    As vacinas para cães se dividem entre as que oferecem proteção contra doenças que podem ser fatais ou transmitidas para humanos e as que são necessárias para grupos específicos de animais de acordo com o estilo de vida, o lugar onde moram e a convivência com outros bichos. Veja, aqui embaixo, para que serve cada uma delas e quando precisam ser aplicadas:

    Vacinas recomendadas

    • V8/V10/V12: uma dessas três vacinas polivalentes vai ser a primeira que seu cachorro vai ter que tomar, aos 45 dias de vida. A indicação da versão ideal será feita pelo veterinário, de acordo com a região onde você mora, já que a diferença entre elas é relacionada à proteção contra diferentes tipos de leptospirose: a V8 engloba dois tipos, a V10, quatro tipos e a V12, sete tipos.  

      Além da leptospirose, elas também combatem a cinomose, hepatite infecciosa, parvovirose — que podem ser transmitidas para humanos —, adenovirose-2, parainfluenza e coronavirose. Elas são aplicadas em três doses, geralmente com um mês de intervalo entre cada uma. 

    • Antirrábica: a raiva é uma doença fatal para os animais e só pode ser prevenida através da vacinação. Ela é considerada uma zoonose, ou seja, é uma enfermidade que também pode ser transmitida para humanos. A primeira dose da vacina contra raiva deve ser aplicada no filhote a partir das 12 semanas de idade, quando os anticorpos da mãe não vão influenciar no resultado da imunização. Depois disso, ele deve receber reforços anuais da antirrábica. 

    Vacinas para grupos específicos

    • Vacina contra leishmaniose: zoonose infecciosa causada por um parasita, a leishmaniose é uma doença grave tanto para os cachorros, quanto para humanos. Ela é mais comum no interior de São Paulo, no Nordeste e no Centro Oeste do país e, por isso, é recomendada para quem mora nessas localidades ou vai viajar para lá com o animal. A vacina deve ser aplicada em cães saudáveis, a partir dos quatro meses ,e é dividida em três doses, com 21 dias de intervalo entre cada uma. O reforço deve acontecer anualmente, em apenas uma dose.

    • Vacina da gripe canina: a “tosse dos canis” ou traqueobronquite infecciosa é uma doença canina causada pela bactéria Bordetella, que se assemelha à gripe humana. Ela pode ser aplicada a partir das oito semanas de idade em cães saudáveis e tem a segunda dose, que precisa ser aplicada entre duas e quatro semanas depois. O reforço também é anual, em dose única. O grupo “de risco” que deve receber essa vacina é de cães que convivem regularmente com uma grande variedade de outros cachorros em parques, pet shops, creches, hotéis e outros locais.

    • Vacina da giardíase: recomendada para cachorros que vivem em ambientes com saneamento básico precário, a vacina contra giárdia deve ser aplicada em animais a partir de oito semanas de idade. Suas duas doses devem ter um intervalo que varia entre 21 e 28 dias e o reforço é anual. A giardíase é uma infecção causada por um parasita que se aloja no intestino e é contraída quando o animal come alguma coisa contaminada.

    Tem problema atrasar vacina do cachorro? Saiba as desvantagens 

    Apesar de não existir uma legislação no Brasil que obrigue o dono a manter a carteira de vacinação do cachorro em dia, o melhor que você pode fazer pela saúde do seu cãozinho e pela sua é fazer o acompanhamento regularmente com o veterinário. Além de proteger o seu animal de doenças graves - que podem até ser fatais -, elas também preservam a qualidade de vida do bichinho. Ah, e um outro detalhe: sem a vacinação apropriada, pode ser difícil de viajar com o animal de avião ou ônibus ou, até mesmo, aproveitar  serviços como hotéis e creches para cachorros, pet shops para banho e tosa e aulas de adestramento. 

    Redação: Ariel Cristina Borges

    Dirofilariose canina: saiba mais sobre o verme do coração que atinge os cães

    Próxima matéria

    Dirofilariose canina: saiba mais sobre o verme do coração que atinge os cães

    Chihuahua: personalidade, saúde, cuidados e mais... saiba tudo sobre essa raça de cachorro pequeno
    Pequenos

    Chihuahua: personalidade, saúde, cuidados e mais... saiba tudo sobre essa raça de cachorro pequeno

    O cachorro Chihuahua é, sem dúvidas, uma das raças mais queridas do mundo. Ele conquistou as telonas do cinema com o filme “Legalmente Loira”, e mostrou a todos que tamanho definitivamente não é documento. A raça de cachorro Chihuahua é uma das menores e mais corajosas que existe. Embora não se saiba ao certo como e quando o primeiro cãozinho nasceu, uma coisa é certa: o Chihuahua é apaixonante, companheiro e muito destemido. 

    Fox Terrier: características físicas, personalidade, cuidados e muito mais... saiba tudo sobre a raça
    Pequenos

    Fox Terrier: características físicas, personalidade, cuidados e muito mais... saiba tudo sobre a raça

    Os cães do grupo Terrier fazem sucesso por onde passam, e com o Fox Terrier não é diferente. Ele representa perfeitamente as raças de cachorro desse grupo: é animado, ativo, cheio de energia, habilidoso e, claro, incrivelmente fofo. Muitas pessoas chegam a confundi-lo com o Fox Paulistinha, uma raça de Terrier originária do Brasil que descende do cruzamento do Fox Terrier com outros cães. No entanto, esses dois doguinhos são bem diferentes entre si, especialmente no que diz respeito à pelagem e traços físicos.

    Bullmastiff: origem, características e cuidados... conheça a raça de cachorro do Reino Unido
    Raças

    Bullmastiff: origem, características e cuidados... conheça a raça de cachorro do Reino Unido

    A raça Bullmastiff é um cachorro grande e robusto, mas que não deixa a desejar no temperamento afetuoso e gentil. Esse cãozinho britânico, que surgiu no século XIX, conquista as pessoas por onde passa. Sempre em alerta, ativo, companheiro e fiel aos tutores, o Bullmastiff estará sempre pronto para proteger a família e seu território. Por não ser uma raça de cachorro tão comum no Brasil, elaboramos um guia com todas as informações que você precisa saber sobre o Bulmastiff, que também é chamado por Bulmastife e Bulmastife Boxer. 

    Saiba tudo sobre o gato Himalaia: origem, características, personalidade, cuidados e muito mais
    Raças

    Saiba tudo sobre o gato Himalaia: origem, características, personalidade, cuidados e muito mais

    O gato Himalaia é, sem dúvidas, uma das raças mais queridinhas e desejadas pelos amantes de felinos. Ele reúne em sua genética a mistura de outras duas raças que são muito populares: o gato Persa e o Siamês. Ou seja, é carisma e fofura em dose dupla! Além disso, esse gatinho tem uma personalidade super dócil e tranquila, sendo a companhia perfeita para quem sempre sonhou em ter um bichinho de estimação. Se esse é o seu caso, ou se você já tem um gato do Himalaia e quer conhecer tudo sobre ele, essa matéria vai te ajudar bastante. 

    Ver Todas >

    Fluidoterapia em gatos: tudo que você precisa saber sobre o tratamento usado em gatos renais crônicos
    Saúde animal

    Fluidoterapia em gatos: tudo que você precisa saber sobre o tratamento usado em gatos renais crônicos

    Você já ouviu falar em fluidoterapia em gatos? Muito comum em casos de insuficiência renal em gatos, a fluidoterapia em felinos é um tratamento de suporte que promove a hidratação do animal. É um procedimento versátil que pode ser aplicado de diversas maneiras e com fluidos específicos para cada situação. Para tirar todas as dúvidas sobre a fluidoterapia em gatos, o Patas da Casa conversou com a veterinária especialista em gato e dona do Diário Felino Jéssica de Andrade.

    Gato com FIV pode conviver com outros gatos?
    Saúde animal

    Gato com FIV pode conviver com outros gatos?

    A FIV felina é considerada uma das doenças mais perigosas. Além de toda a preocupação ao resgatar ou adotar um gatinho, existe outra questão que precisa de cuidado: a fácil transmissão. Existem testes que detectam a patologia, e é necessário realizá-los antes de levar um novo gato para casa - especialmente se tiver outros gatos. O gato com FIV pode acabar transmitindo a doença para os outros residentes se não houver nenhum tipo de cuidado.

    Vermes em gatos: saiba mais sobre a dirofilariose felina
    Saúde animal

    Vermes em gatos: saiba mais sobre a dirofilariose felina

    A dirofilariose em gatos é uma doença em que os parasitas se alojam na corrente sanguínea do pet e pode chegar até o coração - por isso também é chamada de doença do verme de coração. O problema é uma das doenças causadas por tipos vermes de gato. A dirofilariose também pode atingir os cães e é temida por ser uma complicação de saúde muito perigosa para ambos os pets. 

    Dermatofitose em gatos: saiba mais sobre essa doença muito comum e silenciosa
    Saúde animal

    Dermatofitose em gatos: saiba mais sobre essa doença muito comum e silenciosa

    A dermatofitose em gatos é uma doença de pele silenciosa, porém muito comum de acontecer com os felinos. Mesmo que muitas vezes seja difícil de ser identificada, essa doença é altamente contagiosa e é classificada como uma zoonose, ou seja, também é transmissível para os humanos. Por isso, saber mais sobre os sintomas de dermatofitose é muito importante não só para o bem-estar de seu gato, como também do próprio tutor.

    Ver Todas >