close
Saúde

Epilepsia em gatos: veterinária tira dúvidas sobre o problema de saúde

Atualizado em 19 de abril de 2021 às 17h24

Publicado em 19 de abril de 2021 às 17h15

A epilepsia em gatos é uma condição que demanda muitos cuidados
A epilepsia em gatos é uma condição que demanda muitos cuidados

Quando se trata da saúde do gato, todo cuidado é pouco. Assim como acontece com os humanos, os felinos também são vulneráveis a vários problemas bem desagradáveis, como a epilepsia. O distúrbio afeta o sistema nervoso central e gera consequências como a convulsão em gatos. A situação pode assustar bastante os tutores, por isso é importante conhecer cada detalhe da doença. Para esclarecer as principais dúvidas sobre a epilepsia em gatos (sintomas, causas e tratamento), o Patas da Casa entrevistou a médica veterinária Francine Kirsch, que é especializada em atendimento de felinos. Veja só o que ela contou!

O que é e como acontece a epilepsia em gatos?

Francine Kirsch: Em primeiro lugar, precisamos diferenciar a epilepsia da convulsão em gatos. A epilepsia não é uma doença específica, mas uma condição crônica caracterizada por crises convulsivas recorrentes, causada por uma anormalidade no cérebro do animal. Um gato com uma única crise convulsiva não tem epilepsia, pois as crises não são recorrentes. Se as crises epilépticas ocorrerem devido a um problema em outra parte do corpo, como um baixo nível de açúcar no sangue que vai privar as células cerebrais de combustível essencial, isso não é epilepsia.

O que deixa um gato epiléptico?

F.K: As causas das crises epilépticas podem ser encontradas dentro do cérebro (causas intracranianas) ou fora do cérebro (causas extracranianas). Intoxicações por venenos e doenças metabólicas representam as principais causas extracranianas. Nesses casos, o cérebro está perfeitamente saudável, mas reage por convulsão a uma toxina ingerida ou aplicada ao animal, uma alteração na composição do sangue causada por um problema metabólico (por exemplo, doença renal ou hepática, baixo nível de cálcio ou baixo nível de açúcar), hipertensão, hipertermia ou ritmo cardíaco anormal. Em relação às causas tóxicas, convulsões recorrentes não são esperadas, a menos que o gato seja exposto novamente à toxina, ou seja, nesse caso não podemos chamar de epilepsia.

As causas intracranianas são divididas em epilepsia primária e secundária. Na epilepsia primária (também conhecida como epilepsia idiopática), não há doença no cérebro, as crises epilépticas são causadas por um problema funcional como desequilíbrio químico entre mensageiros excitatórios e inibitórios do cérebro. Gatos com epilepsia primária tendem a ter sua primeira convulsão na idade adulta jovem. Embora a verdadeira incidência de epilepsia primária em gatos seja desconhecida, foi sugerido que entre 21 e 59% dos gatos com convulsões são epilépticos primários. No caso da epilepsia secundária, as crises epilépticas são um sinal de uma doença estrutural no cérebro, como um tumor cerebral, inflamação ou infecção (encefalite), má formação cerebral, acidente vascular cerebral recente ou um traumatismo craniano anterior.

Faça o teste e descubra qual a personalidade dominante do seu gato!

É só preencher e começar!

Question Quiz Stamp

Como seu gato reage com a chegada de visitas em casa?

Question Header Background
Question Quiz Stamp

Você está pensando em adotar mais um gatinho. Qual seria a reação do seu felino?

Question Header Background
Question Quiz Stamp

Você precisa levar seu gato ao veterinário e na fila ele encontra outro felino. Como ele reage?

Question Header Background
Question Quiz Stamp

Seu gato fica incomodado quando as portas de casa ficam fechadas?

Question Header Background
Question Quiz Stamp

Como seu gato se comporta com os outros animais da casa?

Question Header Background
Question Quiz Stamp

Você acabou de chegar em casa depois de muito tempo fora. O seu gato:

Question Header Background
Question Quiz Stamp

Seu gato deitou em cima da sua cama e dormiu. Qual a sua reação, humano?

Question Header Background
Question Quiz Stamp

Como seu gato se comporta na hora de se alimentar?

Question Header Background

Gato-humano! Seu gato não perde a oportunidade de estar ao seu lado Gato solitário! Seu gato tem uma personalidade mais quieta e reservada Gato-gato!  Seu gato gosta da companhia de outros felinos Gato curioso! Seu gato está sempre em busca de novas aventuras Gato caçador! Seu gato tem os instintos selvagens mais aflorados
    Gato que fica andando em círculos pode ser um sintoma da epilepsia felina
    Gato que fica andando em círculos pode ser um sintoma da epilepsia felina

    Mais Lidas

    Cinomose: tem cura, o que é, quais os sintomas, quanto tempo dura... Tudo sobre a doença de cachorro!
    Saúde animal

    Cinomose: tem cura, o que é, quais os sintomas, quanto tempo dura... Tudo sobre a doença de cachorro!

    A cinomose canina é uma das doenças de cachorro mais perigosas e sérias, principalmente porque pode afetar cães de todas as idades e raças e é altamente contagiosa. O que causa cinomose é um vírus da família Paramyxovirus, e quando o animal não é tratado da forma correta, a doença pode até ser fatal (não apenas para o que foi infectado primeiramente, mas para todos os que estiverem em contato com ele). 

    Feridas em cachorro: veja as mais comuns que atingem a pele do animal e o que pode ser
    Saúde animal

    Feridas em cachorro: veja as mais comuns que atingem a pele do animal e o que pode ser

    As feridas em cachorro podem ter muitas causas e é preciso avaliar a gravidade da situação. Se o seu cão surgiu algum arranhão ou machucados de leve depois de brincar muito com outros animais, o melhor é observar, mas se as feridas na pele do cachorro apareceram do nada você precisa ficar atento e buscar ajuda veterinária. Pode ser um caso de dermatite, alergia de contato ou até picada de algum parasita. O Patas da Casa preparou um guia com as feridas de cachorro mais comuns. Vamos conferir?

    Gato no cio: de quanto em quanto tempo acontece e quanto tempo dura?
    Saúde animal

    Gato no cio: de quanto em quanto tempo acontece e quanto tempo dura?

    Gatos são animais conhecidos pelas suas frequentes fugas quando estão no cio, mas você sabe por quê? Sabe a partir de qual idade a fêmea pode ter o primeiro cio? Esse período pode ser bastante estressante para o felino - e também para o dono -, pois o comportamento do animal muda bruscamente. Está preparado e já está ciente de quanto tempo dura o cio do gato? Nessa matéria vamos tirar essas e outras dúvidas sobre o assunto. Vem com a gente!

    Encontrou sangue nas fezes do cachorro? Veja os problemas que o sintoma pode indicar
    Saúde animal

    Encontrou sangue nas fezes do cachorro? Veja os problemas que o sintoma pode indicar

    Encontrar sangue nas fezes do cachorro é um sinal de que algo está fora do normal. O cocô com sangue em cachorro é uma questão que deve ser sempre levada a sério. Há diversas razões para isso acontecer, desde um episódio momentâneo - mais simples de resolver - até doenças mais graves - como a gastroenterite hemorrágica ou câncer em cães. 

    O que fazer para ajudar um gato com convulsão?

    F.K: As crises epilépticas podem ocorrer isoladamente ou estarem associadas a outros sintomas, como caminhar em círculos, instabilidade no comportamento, inquietação, sonolência ou cegueira.

    Embora uma convulsão seja uma experiência assustadora para qualquer tutor, é importante tentar manter a calma e não interferir. Certifique-se de que o gato não corre o risco de se ferir, por exemplo, ao cair de escadas ou dos móveis. Quando uma convulsão iniciar, anote a hora e conte quanto tempo ela dura. A maioria das convulsões cessa espontaneamente dentro de 1 a 3 minutos, embora possa levar alguns minutos a algumas horas para que o gato se recupere completamente. Se uma convulsão durar por um período muito longo de tempo (mais de cinco minutos para a convulsão real), ou for seguida por outras convulsões juntas, o atendimento veterinário deve ser procurado imediatamente.

    Como é feito o diagnóstico da epilepsia em gatos?

    F.K: O diagnóstico de epilepsia primária é, infelizmente, um diagnóstico de exclusão após eliminação de outros problemas. Não existe um teste diagnóstico definitivo para a condição - e todas as investigações, como exames de sangue, ressonância magnética ou tomografia computadorizada do cérebro, estarão normais.

    O diagnóstico de epilepsia secundária é baseado na pesquisa de doenças cerebrais com a ressonância magnética ou tomografia computadorizada do cérebro e análise do líquor (líquido presente no cérebro) com uma punção lombar. Já o diagnóstico de uma causa extracraniana de ataques epilépticos é baseado em uma exposição conhecida a uma toxina pelo tutor e exames de sangue. A avaliação da pressão arterial também deve ser considerada em gatos mais velhos, já que a hipertensão é uma causa comum de convulsões de início tardio.

    É possível tratar a epilepsia em gatos?

    F.K: O tratamento das crises epilépticas deve se concentrar principalmente na causa subjacente, se ela puder ser identificada. O tratamento da epilepsia primária consiste no uso de medicações antiepilépticas por um longo prazo (geralmente por toda a vida).

    A decisão de iniciar o tratamento antiepiléptico ainda é motivo de controvérsia. Gatos com uma única convulsão ou convulsões isoladas separadas por longos períodos de tempo não requerem tratamento. O tratamento antiepiléptico de manutenção é recomendado em qualquer uma das seguintes circunstâncias:

    - Quando um gato está tendo mais de uma convulsão por mês ou apresenta estado de mal estar após as crises;

    - Quando as convulsões ocorrem secundariamente a uma doença estrutural do cérebro ou após um traumatismo cranioencefálico;

    - Quando as convulsões aumentam de frequência ou gravidade.

    Redação: Juliana Melo

    Diabete canina: 5 sinais da doença para ficar atento

    Próxima matéria

    Diabete canina: 5 sinais da doença para ficar atento

    Insuficiência renal em gatos: veterinária tira todas as dúvidas sobre essa doença grave que atinge os felinos!
    Saúde

    Insuficiência renal em gatos: veterinária tira todas as dúvidas sobre essa doença grave que atinge os felinos!

    A insuficiência renal em gatos é uma doença que pode ser muito comum quando falamos de felinos. Sem cura, o problema precisa de acompanhamento constante e cuidados especiais para evitar complicações. Apesar de ser uma doença grave, o gato com problema renal pode ter qualidade de vida. Para tirar as dúvidas sobre a insuficiência renal em gatos, o Patas da Casa conversou com a médica veterinária Débora Nunes, do Rio de Janeiro. Vem conferir!

    Saiba tudo sobre o gato Himalaia: origem, características, personalidade, cuidados e muito mais
    Raças

    Saiba tudo sobre o gato Himalaia: origem, características, personalidade, cuidados e muito mais

    O gato Himalaia é, sem dúvidas, uma das raças mais queridinhas e desejadas pelos amantes de felinos. Ele reúne em sua genética a mistura de outras duas raças que são muito populares: o gato Persa e o Siamês. Ou seja, é carisma e fofura em dose dupla! Além disso, esse gatinho tem uma personalidade super dócil e tranquila, sendo a companhia perfeita para quem sempre sonhou em ter um bichinho de estimação. Se esse é o seu caso, ou se você já tem um gato do Himalaia e quer conhecer tudo sobre ele, essa matéria vai te ajudar bastante. 

    Tudo sobre o cachorro Boxer: origem, personalidade, saúde, características físicas e cuidados
    Grandes

    Tudo sobre o cachorro Boxer: origem, personalidade, saúde, características físicas e cuidados

    Se você sempre sonhou em ter um cachorro grande dentro de casa, a raça Boxer certamente é uma opção que não vai te decepcionar. Por trás da aparência robusta e que pode ser considerada até um pouco intimidante para alguns, existe um cãozinho companheiro e com muito amor para oferecer aos seus humanos. Conheça um pouco mais sobre o comportamento da raça, cuidados com a saúde e quanto custa um cachorro Boxer.

    Já ouviu falar no gato escaminha? É uma raça de gato ou um padrão de cor? Tire todas as suas dúvidas!
    Raças

    Já ouviu falar no gato escaminha? É uma raça de gato ou um padrão de cor? Tire todas as suas dúvidas!

    A definição de gato Escaminha, também conhecido como “gato escama de tartaruga”, ainda causa estranheza. Com sua pelagem em tons pretos e laranja, é difícil não reparar no felino. Mas, afinal, do que se trata o gato Escaminha? Ele é uma raça de gato, ou não passa de um padrão de cores do animal? O fato é que muita gente tem dúvidas sobre o gato Escaminha e, ao procurar na internet, poucas informações são dadas a respeito do felino.

    Ver Todas >

    Gato com sangue nas fezes: o que fazer?
    Saúde animal

    Gato com sangue nas fezes: o que fazer?

    Se você reparar seu gato com sangue nas fezes, é importante ficar atento. Essa situação é um sintoma comum a inúmeras doenças que podem afetar o bichano. Ao defecar fezes com sangue, o gato pode estar com uma inflamação no cólon ou até mesmo com um tumor no sistema digestivo. O sangue nas fezes do gato é um sintoma presente até mesmo nas verminoses mais comuns. Seja qual for a causa do gato fazendo fezes com sangue, sempre significa que algo está errado com o animal. 

    Cachorro engasgado: veterinária ensina o que fazer nessa situação
    Saúde animal

    Cachorro engasgado: veterinária ensina o que fazer nessa situação

    Saber um pouquinho de primeiros socorros veterinários vai ser muito útil se você acha que um cachorro parece engasgado - inclusive, é algo que pode salvar a vida do seu pet nessas horas! Seja porque ele comeu muito rápido ou tentou engolir alguma coisa que não devia, se deparar com um cachorro engasgado em casa é sempre um momento de desespero para qualquer pai de pet. Não saber como resolver essa situação é super comum e, ao mesmo tempo, um hábito perigoso: nunca se sabe quando você vai precisar socorrer o seu amigo em casa. 

    Cinomose: sintomas mais comuns da doença. Aprenda a identificar os sinais!
    Saúde animal

    Cinomose: sintomas mais comuns da doença. Aprenda a identificar os sinais!

    Os sintomas de cinomose canina são facilmente confundidos com outras doenças de cachorro e infelizmente pode até mesmo levar o animal à morte. Mais comum em filhotes não vacinados, a cinomose é altamente contagiosa e em alguns casos pode deixar sequelas que vão acompanhar o pet por toda a vida. É importante estar atento a qualquer sinal da cinomose em cães que ainda não completaram o calendário de vacinação, pois é uma doença que evolui rapidamente para um quadro grave. Ou seja, é uma situação de emergência!

    Giárdia canina: o que é, como tratar e o que fazer para prevenir
    Saúde animal

    Giárdia canina: o que é, como tratar e o que fazer para prevenir

    A giárdia canina é uma doença com alta contaminação entre os cães. O cachorro que a contrai sente bastante desconforto no sistema digestivo, com diarreia e vômitos frequentes. Comum principalmente no verão, a giardíase canina pode se apresentar de maneira mais leve ou mais grave. Sem tratamento, a giárdia canina pode matar o cachorro contaminado se ele não receber o tratamento adequado logo no início da infecção. Além disso, a giárdia canina pega em humanos e tem maior chance de atacar filhotes de cachorro. 

    Ver Todas >