A pelagem é a característica mais marcante de um cachorro. Peludinho, encaracolado, com manchinhas, liso, mais curto ou de diferentes cores: são muitas as variações para quem busca adotar um cão abandonado ou comprar um cachorro de raça. Mas, você sabia que a tonalidade do pelo de cachorro representa mais do que a aparência do animal? Pesquisas indicam que o tom da pelagem do cachorro tem relação com alguns traços genéticos, que podem ser determinantes para a saúde dele. Ficou curioso? Chega mais que vamos desvendar esse assunto!

Cor do pelo de cachorro pode revelar o quadro de saúde do animal

Quais raças de cachorro mais combinam com você?

Preencha todos os campos para participar.

É só preencher e começar!

Escolha uma opção abaixo

Não tenho pets
Tenho cão
Tenho gato
Tenho cão e gato
Autorizo receber comunicações e publicidade da NESTLÉ®.

Da pelagem preta a tons dourados, não é difícil encontrar uma grande variedade de cores de cachorros, ainda que algumas sejam mais comuns do que outras. O que poucas pessoas sabem, no entanto, é que a tonalidade dos pelos pode determinar um padrão de semelhanças genéticas entre diferentes raças. Esses traços são importantes para indicar a predisposição para certas doenças:foi o que mostrou um estudo britânico publicado na revista Canine Genetics and Epidemiologyque descobriu que existe uma relação entre a cor do pelo de cachorro e a incidência de alguns distúrbios de saúde, como dermatite piotraumática, obesidade, infecções de ouvido e, até mesmo, quadros articulares degenerativos. No caso dos Labradores, por exemplo, os pesquisadores identificaram maior ocorrência de doenças em cães com a pelagem marrom.


A pelagem branca com manchas pretas do Dálmata indica predisposição para   perder a audição com o passar dos anos
A pelagem branca com manchas pretas do Dálmata indica predisposição para perder a audição com o passar dos anos

A cor da pelagem do cão também influencia na capacidade auditiva

Outro traço genético que a cor da pelagem do cachorro pode influenciar é a audição. Brasileiros da Universidade Estadual Paulista (Unesp) utilizaram o método BAER (Brainstem Auditory Evoked Response) para entenderem como algumas cores do pelo indicam a tendência do animal a apresentar problemas auditivos. O cachorro branco com manchas pretas, como é o caso do Dálmata, tem mais probabilidade de perder a audição naturalmente ao longo da vida. Por outro lado, o cachorro preto é o que possui a menor chance de perder a audição na velhice. 

A cor dos olhos do cachorro também interfere na saúde ocular e auditiva do animal

A cor dos olhos do cachorro também tem relação com a predisposição para algumas condições de saúde. Da mesma forma que ocorre com os humanos, o animal que possui olhos claros têm mais sensibilidade à luz e pode apresentar doenças oculares. Na análise dos pesquisadores da Unesp, eles também observaram que os animais com os olhos azuis tinham mais tendência de desenvolver surdez do que aqueles com olhos castanhos. Além disso, os traços genéticos dos pais do animal podem indicar a perda de audição ao longo da vida. Desta forma, ainda que o cachorro tenha olhos escuros, se os seus progenitores tiverem olhos claros, a probabilidade dele ter problemas auditivos aumenta.

Redação: Úrsula Gomes