Todo mundo sabe que os cães são donos de um enorme coração, sempre dispostos a dar muito amor e carinho para quem quiser receber. Contudo, é sempre importante ficar atento a possíveis alterações no coração de cachorro, e saber como medir os batimentos cardíacos do animal pode ajudar bastante nessas horas. Mas então, como analisar isso da forma correta? Qual é a frequência considerada normal quando se trata dos batimentos cardíacos de um cachorro? Fatores como a idade e o tamanho do animal influenciam? Desvendamos tudo que você precisa saber sobre o assunto logo a seguir. Confira!

Coração de cachorro: frequência dos batimentos vai depender do porte e da idade do animal

Quais raças de cachorro mais combinam com você?

Preencha todos os campos para participar.

É só preencher e começar!

Escolha uma opção abaixo

Não tenho pets
Tenho cão
Tenho gato
Tenho cão e gato
Autorizo receber comunicações e publicidade da NESTLÉ®.

Em primeiro lugar, é preciso ter em mente que a frequência dos batimentos cardíacos de cachorro vai depender, principalmente, do tamanho do cãozinho - e isso inclui a fase de vida dele, já que filhotes de cachorro têm os batimentos mais acelerados do que um cão adulto, por exemplo. E sim, isso acontece mesmo quando eles estão em repouso.

Assim que nascem, os cachorros filhotes podem ter batimentos que variam em torno de 160 a 200 batimentos por minuto, independente de estar em movimento ou não. Além disso, durante todo o primeiro ano de vida do animal, é considerado normal que o coração de cachorro tenha até 180 batimentos por minuto. Então, não se assuste se pegar um cãozinho bebê no colo e perceber que o coração dele está batendo muito forte.

Já na fase adulta, os cachorros sofrem uma diminuição na frequência cardíaca, e o que mais influencia é o porte do animal. Um cachorro grande, por exemplo, tem os batimentos em torno de 60 a 100 BPM quando está em repouso, enquanto nos cachorros pequenos varia entre 100 e 140 BPM. Já se o doguinho tiver feito algum exercício físico ou estiver passando por algum problema emocional, como estresse e ansiedade, essa frequência tende a aumentar.


Em caso de batimentos cardíacos do cachorro muito acelerados, procure um veterinário
Em caso de batimentos cardíacos do cachorro muito acelerados, procure um veterinário

Aprenda como medir os batimentos cardíacos de cachorro da forma correta

Mesmo não sendo médico, é possível aprender a medir os batimentos do coração de cachorro de maneira muito simples. O primeiro passo é se aproximar lentamente do cãozinho, sem assustá-lo, e colocar a mão na parte esquerda do tórax dele, atrás da perna da frente. Em seguida, basta contar o número de palpitações que acontecer durante 15 segundos e, depois, multiplicar o número por 4. Assim, você conseguirá calcular o número de batimentos cardíacos do cachorro por minuto.

Aliás, uma dica é fazer isso pelo menos umas três vezes, já que pode haver certa variação e é sempre bom ter um parâmetro para saber se a frequência cardíaca do animal realmente está dentro do esperado.

Que cuidados são necessários ao medir os batimentos cardíacos de um cachorro?

Como já foi dito, antes de verificar como anda a frequência cardíaca do coração de cachorro, é importante que o seu amigo de quatro patas esteja em total repouso. Caso contrário, o valor dos batimentos cardíacos será naturalmente mais alto, mas não quer dizer que o seu cãozinho está mal de saúde. É normal que após a prática de atividades físicas o coração fique mais acelerado. Além disso, a posição que o animal se encontra também é relevante para a medição dos batimentos cardíacos do cachorro. Portanto, certifique-se de que realmente é possível escutar o coração dele.

Por último, mas não menos importante: não faça nada que incomode seu peludinho nessas horas. Caso contrário, ele pode ficar muito agitado e nervoso, o que certamente vai influenciar no resultado final dos batimentos do coração de cachorro. Então muita calma nessa hora! Se você perceber que a frequência cardíaca do animal está muito alta, principalmente se houver sinais como fadiga mesmo em repouso ou falta de ar, é importante que ele seja consultado por um veterinário imediatamente. 

Redação: Juliana Melo