Saúde

Primeiros socorros: um guia completo para você saber como salvar a vida de cães em uma emergência

Cachorro engasgado, atropelado, envenenado e outros: veja como você pdoe salvar o seu amigo em situações de emergência
Cachorro engasgado, atropelado, envenenado e outros: veja como você pdoe salvar o seu amigo em situações de emergência

Por mais que a gente espere que uma emergência nunca aconteça com a saúde do nosso cãozinho, elas podem chegar em algum momento. Quando eles são atropelados, engasgam, ou têm uma convulsão, por exemplo, é normal que a ida ao veterinário seja necessária, mas o que fazer assim que o problema acontece? Prestar os primeiros socorros de maneira correta pode ser determinante para a situação de vida do seu amigo depois que a situação passar. Por isso, para ajudar a esclarecer dúvidas sobre como lidar com o cachorro nas situações de emergência mais comuns que podem acontecer, nós conversamos com as veterinárias Caroline Mouco Moretti, da clínica Vet Popular, e Renata Bloomfield. Dá uma olhada nas dicas que elas deram! 

Cachorro engasgado: a manobra de Heimlich também serve para eles

Quando o animal tem alguma coisa na garganta obstruindo a passagem de ar e engasga, a primeira resposta para a dúvida de como desengasgar um cachorro é a manobra de Heimlich, do mesmo jeito que acontece com os humanos. Ou seja: você vai precisar aplicar pressão no abdômen dele para que o ar expulse o corpo estranho que estiver preso. “Quando o animal engasga, a manobra de Heimlich funciona muito bem. A gente só precisa tomar cuidado com a intensidade da pressão que vai ser feita no abdômen do animal porque, dependendo da raça, eles são menores do que a gente”, contou Renata. A melhor forma de fazer o procedimento é abraçando o cachorro por trás (ele deve estar em pé, com o dorso encostado no seu peito) e posicionando os braços embaixo das costelas dele. Assim você não corre riscos de quebrar os ossos do animal no processo. 

O cachorro envenenado precisa de atendimento médico imediato

Identificar os sintomas de cachorro envenenado não é a coisa mais simples do mundo, já que eles vão variar de acordo com o que causou o problema. Por isso, o ideal é ficar atento: apatia, salivação, hematomas, perda de sangue pela narina ou fezes, tremores involuntários e convulsões podem acontecer quando ele é envenenado. “O envenenamento em cães pode ocorrer pela ingestão excessiva ou não recomendada de medicamentos, plantas tóxicas, chumbo, produtos de limpeza, produtos químicos, drogas ilícitas e outros”, conta Caroline. 

Se você perceber alguns dos sintomas depois que o animal teve contato com algum desses itens, vá imediatamente ao veterinário. Quanto mais rápido for o atendimento, maiores são as chances de um controle efetivo dos sintomas e de um prognóstico mais favorável para o animal. “Acomodar o pet, permitir que ele tenha ventilação adequada, não estimular o vômito e não fornecer alimento, líquidos ou qualquer medicamento também são manejos que auxiliam na recuperação desse animal. Lembre-se que ele ingeriu algum elemento corrosivo ou com alta capacidade de envenenamento. Fazer este retornar seu caminho do estômago pelo esôfago e boca só vai agredir mais ainda esses órgãos. É importante não realizar nenhum procedimento sem o aval do médico veterinário de sua confiança”, instrui a profissional.

Quais raças de cachorro mais combinam com você?

É só preencher e começar! sem cadastros ou formulários.

Depois do expediente de trabalho na sexta, o que você gosta de fazer?

Como seria o seu domingo perfeito?

Como você fica em um dia de chuva?

Como seria a viagem ideal nas férias?

Como você costuma encontrar os amigos?

Qual o seu tipo de exercício favorito?

Como é a sua rotina matinal?

Como é a sua agenda no fim de semana?

Schnauzer e Shih Tzu são raças mais independentes Golden Retriever e Yorkshire gostam de companhia Border Collie e Jack Russell Terrier são aventureiros
    Cachorros que comeram abelhas e são alérgicos ficam com o focinho inchado
    Cachorros que comeram abelhas e são alérgicos ficam com o focinho inchado

    Mais Lidas

    Cinomose: tem cura, o que é, quais os sintomas, quanto tempo dura... Tudo sobre a doença de cachorro!
    Saúde animal

    Cinomose: tem cura, o que é, quais os sintomas, quanto tempo dura... Tudo sobre a doença de cachorro!

    Uma das partes mais difíceis de ter um cachorro em casa é o momento em que eles adoecem — e isso piora quando a doença é das mais sérias, como a cinomose. Causada por um vírus, se não for tratada da forma correta, a cinomose em cães pode ser fatal não apenas para o que foi infectado primeiramente, mas para todos os que estiverem em contato com ele. Para entender um pouco mais sobre o que é cinomose canina, seus sintomas, causa e o tratamento, o Patas da Casa conversou com a veterinária Kelly Andrade, do Paraná. Dê uma olhada, aqui embaixo, nas instruções da profissional!

    Gato no cio: de quanto em quanto tempo acontece e quanto tempo dura?
    Saúde animal

    Gato no cio: de quanto em quanto tempo acontece e quanto tempo dura?

    Gatos são animais conhecidos pelas suas frequentes fugas quando estão no cio, mas você sabe por quê? Sabe a partir de qual idade a fêmea pode ter o primeiro cio? Esse período pode ser bastante estressante para o felino - e também para o dono -, pois o comportamento do animal muda bruscamente. Está preparado e já está ciente de quanto tempo dura o cio do gato? Nessa matéria vamos tirar essas e outras dúvidas sobre o assunto. Vem com a gente!

    Feridas em cachorro: veja as mais comuns que atingem a pele do animal e o que pode ser
    Saúde animal

    Feridas em cachorro: veja as mais comuns que atingem a pele do animal e o que pode ser

    As feridas em cachorro podem ter muitas causas e é preciso avaliar a gravidade da situação. Se o seu cão surgiu algum arranhão ou machucados de leve depois de brincar muito com outros animais, o melhor é observar, mas se as feridas na pele do cachorro apareceram do nada você precisa ficar atento e buscar ajuda veterinária. Pode ser um caso de dermatite, alergia de contato ou até picada de algum parasita. O Patas da Casa preparou um guia com as feridas de cachorro mais comuns. Vamos conferir?

    Doença do carrapato: sintomas, tratamento, tem cura... Tudo sobre o parasita em cachorros!
    Saúde animal

    Doença do carrapato: sintomas, tratamento, tem cura... Tudo sobre o parasita em cachorros!

    A doença do carrapato é uma das mais conhecidas entre os pais de pet e também uma das mais perigosas para os cachorros. Transmitida pelo carrapato marrom, bactérias e protozoários invadem a corrente sanguínea e os sintomas variam de acordo com o grau da doença e podem causar coloração amarela na pele e mucosas, distúrbios de coagulação, manchas vermelhas espalhadas pelo corpo, sangramento nasal e, em casos mais raros, problemas neurológicos e até mesmo a morte do cachorro. Para ajudar a esclarecer dúvidas sobre a doença do carrapato, o Patas da Casa entrevistou a veterinária Paula Ciszewsi, de São Paulo. Confira abaixo!

    Cachorros que comeram abelhas e outros insetos só precisam de ajuda em caso de reação alérgica

    O focinho inchado de um cachorro que teve um encontro com algum inseto com ferrão pode ser até bem fofo, mas caso ele tenha alergia à picada da abelha ou do marimbondo, por exemplo, vai precisar de ajuda do veterinário o quanto antes. “A glote do cachorro não fecha, mas a gente tem que tomar muito cuidado com as vias aéreas desse animal, porque o focinho fica inchado. Se for a primeira vez que isso acontece, você precisa ficar de olho para saber se ele é alérgico ou não. Com o animal que não é alérgico, vai ficar tudo bem: ele vai ter uma inflamaçãozinha pequena, mas nada demais”, conta Renata. 

    Se você notar que o local está inchado, o melhor é correr para o veterinário: “Ele vai fazer uma aplicação de antialérgico para resolver o problema. Para animais que você já sabe que têm alergia à picada de inseto, é interessante já ter uma medicação prescrita pelo seu veterinário para esse tipo de emergência: quando acontecer novamente, você já pode medicar o animal com segurança”.

    Você pode ter um cachorro intoxicado depois do contato com alimentos aparentemente inofensivos

    A intoxicação em cães é bem parecida com o envenenamento, mas pode ser ainda mais perigosa se você considerar que, geralmente, ela é causada por alimentos inofensivos para humanos. “O cachorro pode ser intoxicado com elementos comuns, como o chocolate, a uva, a cebola e o alho. Os sintomas variam de acordo com a quantidade ingerida e o que foi ingerido, podendo ser desde letargia, prostração, apatia e vômitos até agitação, tremores e convulsões”, explica Caroline. 

    Se você desconfiar que isso está acontecendo com o animal, vale colocar em prática as mesmas instruções feitas pela profissional no caso de envenenamento. É muito importante não oferecer remédio caseiro para intoxicação de cachorro sem prescrição médica: “não ofereça alimentos ou água, não force o vômito e nem medique o animal por conta própria. Mantenha o animal protegido, com a temperatura adequada e siga para a emergência veterinária mais próxima”. 

    Convulsão em cães: mantenha o animal confortável e vá para o veterinário imediatamente

    A convulsão em cães pode ser causada por uma série de doenças e condições no organismo do animal. Quando ela acontece, você só não vai ao veterinário se ele já for epilético e tiver uma recomendação prévia do seu profissional de confiança sobre o que fazer nesses momentos. Na hora dos tremores, o melhor a fazer é deixá-lo confortável: “Quando o animal começa a ter uma convulsão geral, o ideal é que você tire de perto as coisas que podem machucá-lo durante os tremores. Também é necessário segurar a cabeça dele bem firme para que ele não jogue nem para cima, nem para trás. Não coloque a mão na boca, não precisa colocar nada na boca dessa animal por causa da língua que pode enrolar. Você, na verdade, vai dar um conforto a ele nesse momento porque durante o ataque epilético não há muito o que fazer: é só esperar passar”, contou Renata. O cachorro com convulsão pode morrer apenas se não receber esse cuidado correto na hora da crise.

    Esse cuidado deve acontecer, também, depois da convulsão: “Ao final, eles podem fazer xixi, cocô ou golfar. Em alguns casos, ele pode agredir alguém antes ou depois da epilepsia — essa agressão é causada pelo fato de que o animal fica desnorteado durante a convulsão, não é por maldade. Quando voltam, às vezes, eles também podem não reconhecer o lugar onde estão ou as pessoas, então você tem que tomar cuidado com isso e dar um amparo para o animal até tudo voltar ao normal”, explica a profissional. 

    Na hora de reanimar um filhote de cachorro ou adulto, você precisa manter a calma!
    Na hora de reanimar um filhote de cachorro ou adulto, você precisa manter a calma!

    Como reanimar um filhote de cachorro e animais adultos 

    A reanimação cardiopulmonar pode ser necessária em casos extremos e, saber o que fazer nesse momento pode significar vida ou morte para o seu amigo. Você vai precisar agir no caminho até a emergência veterinária. Por isso, a primeira dica que a Renata deu para esse processo é se manter calmo: a tranquilidade é necessária para que você consiga fazer tudo do jeito certo e sem machucar o animal. Dá uma olhada nas outras instruções dadas pela profissional: 

    • 1º passo - Veja se o animal está respirando: “verifique se o tórax do animal está mexendo e coloque o dorso da mão bem no narizinho dele para sentir se tem saída de ar. Para verificar os batimentos cardíacos, você pode colocar o indicador ou o dedo do meio onde ficaria o pulso desse animal, bem abaixo da última almofadinha das patas dele. Observe se as batidas estão em sincronia com os movimentos do peito”.

    • 2º passo - Verifique se há algo obstruindo as vias aéreas do animal: “Não vai adiantar nada se esforçar para estimular a circulação sanguínea se esse animal não consegue respirar e tem alguma coisa impedindo a passagem de ar”, contou Renata. Se encontrar algum corpo estranho na garganta dele, retire com cuidado.

    • 3º passo - Respiração mecânica: “Com as vias aéreas livres, coloque o animal deitado de barriga para cima, ajeite a língua na boca dele, feche a boquinha e assopre as narinas com intensidade suficiente para chegar até os pulmões. Depois disso, relaxe um pouco a boca para o ar sair. Repita isso a cada dois ou três segundos, de forma comedida para não danificar o pulmão se for filhote, até o animal voltar ou você chegar no atendimento”.

    • 4º passo - Compressão peitoral: “A compressão peitoral deve acontecer se ele não voltar só com a respiração. A cada 10 ou 12 compressões, volte para a respiração artificial. Coloque o cachorro de lado e puxe para trás o bracinho dele. Com a palma da mão, faça pressão na direção em que ficar o cotovelo dele: ela deve ser suficiente para chegar no coração e ajudar o órgão a bombear sangue até a respiração mecânica. A cada um ou dois minutos, verifique se o animal está respirando sozinho. Se não estiver, continue com as compressões até chegar ao hospital. Para cães maiores, você pode colocar a mão direita em cima da esquerda no peito dele e fazer pressão com as duas, mas em todos os casos é necessário ter cuidado para não quebrar uma costela”.

    O cachorro atropelado também precisa de atendimento médico imediato

    Depois que o animal é vítima de um acidente de carro, o que você precisa saber é a melhor forma de manipular o corpo dele para que o quadro não se agrave até a chegada ao veterinário. “Bloqueie o trânsito para que mais acidentes não aconteçam e, depois disso, verifique se o animal está com os sinais vitais ativos. Depois disso, você vai precisar movimentá-lo com muito cuidado: caso tenha um papelão rígido, uma toalha ou algo que mantenha o animal esticado ao alcance, pode ser mais simples de fazer o transporte sem causar mais traumas. Coloque o pet no assoalho do carro para ir até a emergência e tente estancar qualquer sangramento ativo que estiver acontecendo”, explicou Caroline. Mesmo que o cachorro pareça bem depois do atropelamento, ele deve ser examinado imediatamente: o veterinário vai fazer exames como a ultrassonografia e a radiografia para assegurar de que está tudo bem internamente com o animal.

    Redação: Ariel Cristina Borges

    Quais são as doenças de cachorro mais comuns no verão e como evitá-las?

    Próxima matéria

    Quais são as doenças de cachorro mais comuns no verão e como evitá-las?

    Primeiros socorros para gatos: saiba tudo o que você precisa fazer em situações de emergência
    Saúde

    Primeiros socorros para gatos: saiba tudo o que você precisa fazer em situações de emergência

    Ainda que os gatos sejam animais que passam praticamente toda a vida dentro de casa, eles não estão imunes a acidentes. Engasgo, intoxicação, envenenamento, convulsões ou atropelamento: em todos os casos, o tutor precisa de conhecimento para agir imediatamente. Pode ser difícil no momento de desespero, mas é essencial manter a calma para ajudar o seu amigo antes de correr para o veterinário mais próximo. Para te ajudar a se preparar para situações de emergência com o seu gatinho, o Patas da Casa preparou um guia completo de primeiros socorros com a ajuda do médico veterinário Frederico Lima. Confira!

    Quanto custa manter um cachorro? Um guia completo com a média de gastos mensais com um cão
    Adoção

    Quanto custa manter um cachorro? Um guia completo com a média de gastos mensais com um cão

    Ter um cachorro em casa é uma experiência incrível para mães e pais de pet, mas os momentos de alegria vêm acompanhados de muitas responsabilidades… e gastos (muitos gastos). Ração, vacina, brinquedos, remédios e veterinário são os principais custos que você precisa ter frequentemente com o animal. É justamente por isso que, antes de comprar ou adotar um pet, é preciso pensar nos gastos que isso vai demandar - e que devem entrar no orçamento da família. Para te ajudar a bater o martelo e decidir se consegue ou não arcar com um amigo de quatro patas, montamos um guia completo com uma média dos gastos que você provavelmente terá. Chega mais!

    Vira-lata: tudo o que você precisa saber sobre os cães sem raça definida (SRD)
    Adoção

    Vira-lata: tudo o que você precisa saber sobre os cães sem raça definida (SRD)

    O vira-lata é o cachorro mais querido e presente nos lares brasileiros. E não é pra menos, né? Esperto, brincalhão e cheio de amor para dar, ele é um ótimo candidato a transformar a sua casa em um lugar mais divertido e, de quebra, ser um companheiro para todas as horas. Oficialmente chamado de sem raça definida (SRD), o cachorro vira-lata não tem uma origem clara e possui características que o tornam único. O cãozinho SRD desperta muitas dúvidas entre os tutores: quanto tempo vive um vira-lata? 

    Lulu da Pomerânia (ou Spitz Alemão): um guia definitivo sobre essa raça fofa + 30 fotos para você se apaixonar
    Pequenos

    Lulu da Pomerânia (ou Spitz Alemão): um guia definitivo sobre essa raça fofa + 30 fotos para você se apaixonar

    O Lulu da Pomerânia é uma dos cães de companhia mais populares entre os pais de pet que precisam criar os amigos de quatro patas em apartamentos e casas pequenas. A versão anã do Spitz Alemão (sim, eles são o mesmo cachorro!) é apaixonado pelo dono, brincalhão, cheio de energia para gastar e protetor. Mesmo que ele seja bem receoso com estranhos, se encantar por esse animal com a convivência diária é a praticamente inevitável: para conhecer mais sobre as características do cachorro Lulu da Pomerânia, continua com a gente!

    Ver Todas >

    Verme em cachorro filhote: veja os sinais mais comuns de que o cãozinho está sofrendo com verminoses
    Saúde animal

    Verme em cachorro filhote: veja os sinais mais comuns de que o cãozinho está sofrendo com verminoses

    Os filhotes de cachorro são muito mais propensos a sofrerem com verme. Além da contaminação facilmente ocorrer pela amamentação, os filhotes ainda estão desenvolvendo o sistema imunológico e diversas funções do organismo. É por isso que a primeira dose do vermífugo para cachorro filhote deve ser feita aos 30 dias de vida, com reforço mensal até os seis meses, para garantir a saúde do pet. 

    Otite canina: qual a diferença entre a inflamação interna, média e externa?
    Saúde animal

    Otite canina: qual a diferença entre a inflamação interna, média e externa?

    Ter um cãozinho é tudo de bom, mas além da parte divertida e do companheirismo que o animal nos oferece, é preciso ficar atento a alguns detalhes a respeito da saúde do cachorro. A otite canina é um problema bastante comum que pode afetar o ouvido dos cães e que costuma vir acompanhada de muita coceira e incômodo na região. Existem três tipos de inflamação, e cada um deles é associado a um diferente grau de gravidade. 

    O que é a doença da arranhadura do gato?
    Saúde animal

    O que é a doença da arranhadura do gato?

    Se você tem um bichano, em algum momento já deve ter ouvido falar na doença da arranhadura do gato, certo? Essa infecção acontece principalmente por meio de arranhões dos felinos, e pode atingir tanto os próprios animais quanto os humanos. É fundamental ficar atento a qualquer um dos sintomas de doença da arranhadura do gato para saber como tratar e cuidar corretamente da enfermidade. 

    Icterícia em gatos: o que é, quais são as causas e como tratar?
    Saúde animal

    Icterícia em gatos: o que é, quais são as causas e como tratar?

    O termo icterícia em gatos pode até parecer complicado no universo felino, mas na prática essa condição se refere a uma mudança na coloração das mucosas do animal, que pode ter causas variadas. Assim como acontece com os humanos, a saúde do gato também é vulnerável a inúmeros problemas, e é por isso que os tutores devem sempre estar atentos a qualquer anomalia que possa surgir no corpo dos felinos. 

    Ver Todas >