Gato

FIV em gatos : 5 coisas importantes que você precisa saber sobre a imunodeficiência felina

Publicado - 14 Fevereiro 2023 - 16h45

Atualizado - 11 Abril 2024 - 14h35

A FIV felina é, sem dúvidas, uma das doenças que mais causa medo em quem tem um gatinho como animal de estimação. Essa condição grave, que também é chamada de AIDS felina, não tem cura e deixa o sistema imunológico do gato muito fragilizado, facilitando o desenvolvimento de outras doenças. Apesar da FIV em gatos ser uma das doenças mais conhecidas no mundo animal, é comum surgirem dúvidas sobre essa condição. Para te ajudar, o Patas da Casa separou 5 pontos muito importantes sobre a imunodeficiência felina que todo pai ou mãe de pet deve saber. Confira!

1) A FIV em gatos é muito parecida com a AIDS humana

O vírus da imunodeficiência felina, causador da FIV em gatos, é da mesma família do HIV, causador da AIDS nos humanos. Além disso, ele atua de maneira bem parecida com o HIV. Os dois são considerados retrovírus, um tipo de vírus que possui o RNA como seu material genético. O retrovírus possui uma enzima (transcriptase reversa) capaz de fazer o seu RNA se transformar em DNA. O problema é que o DNA viral se mistura ao DNA do animal infectado.

Isso é um problema, pois o DNA passa a fazer parte do corpo do animal. Ou seja: o gato contaminado com o vírus da imunodeficiência felina portará esse vírus pelo resto da vida. Por serem da mesma família de vírus e causarem sintomas bem semelhantes, a FIV em gatos é chamada de AIDS felina. Porém, é importante ressaltar que a FIV em gatos não é uma zoonose, ou seja, não passa para humanos.

Imagem Quiz:Quais raças de cachorro mais combinam com você?

Quais raças de cachorro mais combinam com você?

Preencha todos os campos para participar.

É só preencher e começar!

Escolha uma opção abaixo

2) O vírus da imunodeficiência felina é transmitido por meio de secreções

O gato contrai a imunodeficiência felina após o contato com a secreção de um outro bichano contaminado, principalmente por saliva ou sangue. É muito comum que após brigas de gato o bichano sofra com arranhões e mordidas. Caso um dos animais esteja contaminado com o vírus da imunodeficiência felina, ele pode acabar passando para o outro. Gatos não castrados que vivem na rua ou que costumam dar voltinhas são os mais expostos à doença, uma vez que a probabilidade de se envolverem em brigas é maior. Existe também a transmissão de FIV felina de mãe para filho. Uma gata contaminada com a AIDS felina pode passar a doença para o filhote quando ele ainda está na sua barriga ou durante a amamentação.

3) A FIV em gatos ataca o sistema imunológico e pode ser dividida em três fases

O vírus da imunodeficiência felina ataca diretamente o sistema imunológico do gato. Ele afeta os glóbulos brancos, que são os responsáveis pela defesa do organismo. Assim, todo o corpo fica desprotegido e exposto a problemas. É por isso que é muito difícil definir os sintomas da FIV em gatos, já que eles são bem diversos e variam dependendo da parte do corpo que é mais afetada. Os mais comuns são perda de apetite, apatia, problemas respiratórios, estomatites, anorexia e febre.

A FIV felina pode ser dividida em três fases dependendo da ação do vírus no corpo do bichano:

  1. Na primeira fase da FIV, gatos contaminados com a doença passam a apresentar os primeiros sintomas de forma bem sutil. Nesse momento, o vírus da imunodeficiência felina está se replicando, o que pode levar meses;
  2. A segunda fase é a assintomática ou latente, quando de certa forma o próprio corpo neutraliza a ação do vírus e o bichano não apresenta sintomas, o que pode durar meses e até mesmo anos.
  3. Por fim, vem a fase de disfunção imune progressiva, quando o sistema imunológico do gato é muito afetado, o bichano fica bem debilitado e os sintomas são bem mais intensos.

 

A FIV em gatos não tem cura, mas pode ser evitada com alguns cuidados básicos
A FIV em gatos não tem cura, mas pode ser evitada com alguns cuidados básicos

 

 

4) Não é recomendado que um gato com FIV felina conviva com outros gatos saudáveis

 

Uma dúvida muito comum sobre a AIDS felina é se o gato com FIV pode conviver com outros gatos. Por ser uma doença altamente transmissível, isso não é recomendado. O risco do gato contaminado passar a doença para um gato saudável é bem grande. Além disso, não existe uma vacina contra a FIV, então não tem como imunizar os outros gatos contra a doença.

Existem algumas maneiras de reduzir o risco de contaminação. O tutor deve limpar muito bem todos os potes de água e comida, os gatos não podem ter acesso à rua e é fundamental que os bichanos não compartilhem objetos. Dentro de casa deve ter pelo menos três caixas de areia para evitar brigas e competições. O tutor precisa se comprometer ao máximo em ter esses cuidados se quiser ter um bichano com a doença convivendo com um negativado. Porém, é sempre bom lembrar que o recomendado é que o gato com FIV não conviva com outros bichanos.

5) Não existe cura para FIV felina, mas a doença pode ser prevenida

A FIV em gatos não tem cura. O animal portador do vírus precisará de tratamento de suporte pelo resto da vida para reduzir os sintomas e os problemas que podem surgir com a doença. Por isso, é muito importante evitar que o seu animal contraia a FIV. Como não existe vacina para FIV felina, o tutor deve tomar outros cuidados. O ideal é apostar na criação indoor. Quando se restringe o acesso do gato à rua você evita que ele se envolva em brigas, sofra machucados e contraia muitas doenças, dentre elas a FIV. Gatos que dão muitas fugidinhas têm o risco muito maior de serem infectados com o vírus da imunodeficiência felina. Por isso, aposte em telas de proteção para gatos nas janelas, portões e em qualquer lugar onde o pet possa ter acesso à rua.

Por fim, a castração de gato é sempre uma boa solução. O comportamento do gato castrado é diferente. Ele passa a ter menos interesse em fugir de casa e fica mais tranquilo, reduzindo bastante as chances de se envolver em brigas. Por isso, castrar o gato é uma boa maneira de prevenir a FIV felina e muitas outras doenças.

Redação: Maria Luísa Pimenta

Edição: Luana Lopes

Gato

Gato fofoqueiro acorda todo dia de madrugada por um motivo especial

Gatos são super observadores e estão sempre atentos a tudo. Além disso, para quem pensa que não, os bichanos podem, sim, ser bem com...

Adote um animal

Tonquinês: conheça a raça de gato com pelagem degradê

O gato Tonquinês, conhecido carinhosamente como Tonks, é uma das raças de gato mais companheiras e dóceis que existem, indo contra o...

Gato

Todos os dias esse gatinho leva o mesmo presente para a sua mãe humana

Já se perguntou por que os gatos levam presentes para os donos? É comum que a maioria desses “presentinhos” não sejam tão agradáveis...

Adote um animal

Gato laranja vai passear na rua e volta com dois presentinhos adoráveis para a dona

O gato laranja carrega a fama de ser um gatinho bagunceiro, carismático, amoroso e falante. Ele é daqueles que adora uma atenção e e...

Adote um animal

Mulher compra "Lulu da Pomerânia" e toma um susto quando o pet cresce mais que o esperado

O Lulu da Pomerânia chama atenção por sua pelagem exuberante e personalidade simpática. Geralmente, cães dessa raça pesam até 3,5 kg...

Cuidados

Da tentativa de afogar banhista a carinho de estranhos: Golden vai à praia e tutor lista tudo que cachorro aprontou

O Golden Retriever é uma raça de cachorro conhecida pela energia inesgotável e pela enorme paixão por água, características que torn...

Comportamento

Cachorro "rouba" objeto pessoal de idosa e protagoniza uma das cenas mais engraçadas da internet

Um cachorro preto “ladrãozinho” protagonizou uma cena hilária que viralizou nas redes sociais.  Com quase 740 mil curtidas no T...

Gato

Gato fofoqueiro acorda todo dia de madrugada por um motivo especial

Gatos são super observadores e estão sempre atentos a tudo. Além disso, para quem pensa que não, os bichanos podem, sim, ser bem com...

Ver todas