Histórias reais

Como é viver com um cão-guia? Veja o relato de uma pessoa com deficiência visual

Cão-guia: conheça a história da Camila e do Astor
Cão-guia: conheça a história da Camila e do Astor

Auxiliar a vida de pessoas com deficiência visual é a missão do cão-guia. Treinado para agir em diversas situações, esse animal se torna os olhos do seu tutor. A preparação do cão-guia começa ainda nos primeiros meses de vida e seu “trabalho” segue até o início da velhice, quando se aposenta. Esses animais são inteligentes, dotados de doçura e capazes de ter uma ação rápida quando necessário. Mas, como é viver com um cão-guia? Para te responder, conversamos com a Camila Alves, que perdeu a visão na adolescência e hoje tem o suporte do Astor, seu amigo de quatro patas. Conheça essa história!

Cão-guia: como o Astor apareceu na vida da Camila?

A Camila é mineira e se mudou para o Rio de Janeiro depois de passar no vestibular. Ela nasceu com uma doença hereditária chamada retinose pigmentar, que provoca a perda da visão de forma progressiva - geralmente, se manifesta na infância ou adolescência. Camila perdeu a visão completamente quando tinha apenas 15 anos.

A escolha por ter um cão-guia teve um motivo: “eu quis um pela autonomia e liberdade que poderia me proporcionar.” O Astor é um cão-guia Labrador e tem algumas funções essenciais para ajudar na rotina de Camila: desviar de obstáculos baixos, médios e altos, garantir a segurança no deslocamento e encontrar locais essenciais, como entradas e saídas de prédios, cadeiras, balcão, pia e banheiro. O cãozinho também guia Camila ao metrô, trabalho e a própria casa. É, de fato, uma relação de muita confiança!

Como é o treinamento de cão-guia?

O cão-guia não é um animal comercializado. Existem locais específicos que treinam e ensinam como os filhotes devem se comportar e agir em diversas situações. Até ficarem prontos, os cãezinhos vivem com famílias temporárias, que cuidam do animal até aproximadamente 1 ano de vida. Depois disso, eles passam pelo treinamento com um adestrador de cães e pode seguir para o novo dono. Os primeiros meses é de adaptação do peludo com a rotina da pessoa com deficiência visual que o adotou.

Camila adotou o Astor no Instituto Magnus , local onde ele foi treinado. “Ele é o meu segundo cão. A primeira estava para aposentar quando recebi o contato sobre a possibilidade de conhecê-lo. As pessoas que estão fazendo a reposição de seus cães, como era o meu caso, possuem prioridade nessa fila”, explica.

A raça de cão-guia mais comum é o Labrador, mas Pastor Alemão e Rottweiler também podem ser treinados para exercer essa função. Na verdade, o necessário para que o animal seja um cão-guia é ter alguns requisitos de comportamento, como não se distrair com estímulos externos, não ser agressivo, ter foco e facilidade para aprender, além de saber desviar de obstáculos com sagacidade.

Faça o quiz e descubra se você tem alergia a gato!

É só preencher e começar! sem cadastros ou formulários.

Como você fica ao chegar na casa de um amigo que tem um gato?

O que acontece quando se aproxima de gatinhos na rua ou em feiras de adoção?

As crises alérgicas costumam acontecer:

O que acontece quando você fica perto de alguém que está com a roupa cheia de pelos de gato?

Como seu corpo reage ao entrar em contato com um filhotinho de gato na rua?

Quais são os seus sintomas mais comuns durante uma crise alérgica?

O que você faz para melhorar um quadro de alergia?

É bem provável que você tenha alergia a gatos e precise consultar um especialista As crises alérgicas fazem parte da sua rotina, mas será que é por causa dos gatos? Passe livre para ter um gatinho: você não tem alergia aos bichanos!
    É lei: o cão-guia pode acessar qualquer espaço público junto com seu tutor
    É lei: o cão-guia pode acessar qualquer espaço público junto com seu tutor

    Mais Lidas

    Como o gato reconhece seu dono? Descubra esse e outros comportamentos da relação de um felino com o tutor
    Comportamento animal

    Como o gato reconhece seu dono? Descubra esse e outros comportamentos da relação de um felino com o tutor

    A companhia dos felinos é uma delícia, mas tem lá seus desafios, principalmente na hora de tentar entender a linguagem dos gatos. Por serem mais reservados, muitos tutores ficam na dúvida se esses animais realmente apreciam a presença dos humanos, se perguntando como os gatos nos veem. Será que eles são capazes de nos entender? Como o gato reconhece seu dono? Como saber se eles gostam da gente? Para tentar desvendar de uma vez por todas alguns dos comportamentos do gato em relação ao seu tutor, preparamos uma matéria bem especial. Vem com a gente e saiba mais sobre o assunto!

    Mordida de gato: 6 coisas que motivam esse comportamento nos felinos (e como evitar!)
    Comportamento animal

    Mordida de gato: 6 coisas que motivam esse comportamento nos felinos (e como evitar!)

    Os felinos não são muito associados com o ato de morder. Diferente dos cachorros, o comportamento é bem menos frequente nos felinos. É justamente por isso que muita gente acaba ignorando as mordidas por subestimar a força do animal e achar que não vai machucar. A mordida de gato não só pode ocorrer por muitos motivos, como também podem causar acidentes. Geralmente, os gatos dão alguns sinais que antecipam a mordida e é importante que você aprenda a reconhecê-los, assim como também entender as razões que levam o felino a ter essa atitude. Preparamos uma matéria completa sobre o assunto, então chega mais e vem entender porque os gatos mordem!

    Comportamento felino: por que os gatos pedem comida mesmo com o pote cheio de ração?
    Comportamento animal

    Comportamento felino: por que os gatos pedem comida mesmo com o pote cheio de ração?

    Não é segredo para ninguém que os gatos são muito exigentes com alimentação e higiene. E um hábito muito comum observado por todo gateiro é o gato pedindo comida mesmo quando o pote de ração está cheio: eles manifestam a insatisfação com a comida “velha” com muitos miados para chamar a atenção do tutor. Esse é mais um curioso comportamento felino com muitas explicações coerentes por trás.

    Por que os gatos afofam as cobertas e os humanos
    Comportamento animal

    Por que os gatos afofam as cobertas e os humanos

    Quem tem um gatinho já deve ter percebido que eles costumam afofar ou “amassar pãozinho” em algumas circunstâncias específicas. Os movimentos lembram uma massagem. Antes de deitar, quando estão no colo do dono ou quando encontram uma coberta fofinha e macia. Se mesmo sem saber porquê eles fazem isso a gente já acha a coisinha mais linda do mundo, imaginem depois de saber? Vem com a gente desvendar!

    Cão-guia precisa ter foco e não deve ser interrompido quando estiver em serviço

    O cão-guia desperta curiosidade por onde passa, seja pela postura atenta ou mesmo pela fofura da raça. É quase inevitável a vontade de se aproximar e falar com ele. Fique atento: o cão-guia não pode ser distraído quando estiver trabalhando. Esses cachorros têm um propósito e não são apenas cães de companhia: eles precisam ter foco para auxiliar seus donos o tempo inteiro, já que rua e os locais públicos não são totalmente adaptados para pessoas com deficiência. “O cão-guia não é muito comum e preciso chamar a atenção, mas também é cansativo. É preciso falar muitas vezes por dia a mesma coisa, com muitas pessoas diferentes. É um trabalho educativo”, desabafa Camila.

    De acordo com a legislação, o cão-guia pode acessar qualquer local público, mesmo aqueles que não se consideram “pet-friendly”. Infelizmente, a falta de conscientização e de divulgação sobre o assunto, acaba privando a pessoa com deficiência visual de ter acesso aos seus direitos básicos. Camila passou por isso inúmeras vezes: “já aconteceu e ainda acontece! Às vezes brigo, às vezes processo, às vezes deixo passar e às vezes choro! Essa é uma situação de discriminação muito grave. Tento entender as situações e as diferenças de gravidade entre cada uma delas.” A lei ainda prevê multa para estabelecimentos e motoristas que se recusem a transportar o tutor por causa do cachorro.

    Redação: Júlia Cruz

    Como fazer brinquedos para gatos com catnip?

    Próxima matéria

    Como fazer brinquedos para gatos com catnip?

    Como é viver com um gato amputado? Veja 2 histórias e descubra como cuidar de um gatinho com deficiência
    Histórias reais

    Como é viver com um gato amputado? Veja 2 histórias e descubra como cuidar de um gatinho com deficiência

    Um gato deficiente precisa de muitos cuidados, principalmente devido a sua limitação locomotiva. Não é à toa que, na hora da adoção, esses animais geralmente são deixados de lado e dificilmente encontram um lar. Mas é preciso desconstruir esse pensamento e dar uma chance a esses felinos que, assim como qualquer outro bichinho, só quer encontrar uma família para amar e ser amado. Por isso, trazemos hoje duas histórias incríveis de tutores que abriram as portas da sua casa para um gato deficiente. A Gabriela, tutora do Pererê, e o Rafael, que era tutor do Maguila e já tem a sua segunda gatinha paraplégica, Magali, compartilharam um pouquinho da rotina de quem vive com um gato amputado. Confira!

    Cão-guia: qual a importância do animal no dia a dia de pessoas com deficiência visual?
    Cachorro

    Cão-guia: qual a importância do animal no dia a dia de pessoas com deficiência visual?

    Para gerar mais conscientização sobre as necessidades e o dia a dia de pessoas com diferentes tipos de deficiência, a Organização das Nações Unidas (ONU) estabeleceu o 3 de dezembro como o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência. Mesmo quase 30 anos depois (a data foi criada em 1992), a discussão ainda é plausível e necessária. A busca pela independência e autonomia é sempre uma constante na vida de pessoas com deficiência e, em um dos casos, a resposta está em um amigos de quatro patas: o cão-guia. Inteligente, forte, dócil e com uma memória incrível, esse animal é treinado desde os primeiros meses de vida para ser os olhos de quem não pode enxergar.

    Quanto tempo vive um gato?
    Cuidados

    Quanto tempo vive um gato?

    Se dependesse de nós, nossos gatinhos viveriam para sempre, né? Há relatos de gatos que chegam a viver mais de 30 anos, mas estamos falando aqui de recordes mundiais. Na “vida real”,  a idade média de um gato é de 16 anos. Se formos pensar em termos de adoção ou compra de um gatinho para chamar de nosso, precisamos sempre ter em mente que durante toda a sua vida, seremos responsáveis pela saúde, bem estar e segurança deles. Então, nada de querer ter um gato no impulso e depois se arrepender, combinado? Eles sofrem muito com o abandono e podem até ficar traumatizados com humanos em geral.   

    Cachorro Beagle é muito agitado e ciumento? Veja o relato da dona de um cão da raça!
    Raças

    Cachorro Beagle é muito agitado e ciumento? Veja o relato da dona de um cão da raça!

    O cachorro da raça Beagle é conhecido pela animação, muita energia e companheirismo com a família. Para falar da personalidade desse cão, nada melhor do que uma pessoa que vive diariamente com um. A Mariana Almeida é mãe do Guga, de 10 anos, e contou como é a rotina e experiência de ter um Beagle em casa. Chega mais e acompanha esse relato pessoal!

    Ver Todas >

    Passear com cachorro: qual o tempo ideal para gastar a energia do cãozinho?
    Comportamento animal

    Passear com cachorro: qual o tempo ideal para gastar a energia do cãozinho?

    Passear com o cachorro é um dos momentos mais importantes da rotina de um pet. Além de ser uma atividade super propícia para estreitar os laços com o cãozinho com brincadeiras ao ar livre, também é uma forma de incentivá-lo a fazer novos aumigos e gastar toda a energia acumulada. Os passeios são excelentes aliados para manter a saúde física e mental do pet, mas será que você sabe qual é o tempo ideal para passear com cachorro?

    Brincadeiras para fazer com cachorro nos dias chuvosos
    Comportamento animal

    Brincadeiras para fazer com cachorro nos dias chuvosos

    Passear com cachorro é essencial na rotina de qualquer pet. Mas o que fazer nos dias de chuva para suprir essa necessidade? As brincadeiras para cachorro são uma alternativa. Além de gastar a energia e estreitar o relacionamento com o tutor, as brincadeiras servem também como distração para os cães que têm medo de chuva e trovão. É possível usar brinquedos, petiscos e até mesmo os móveis da casa: com um toque de criatividade, você vai conseguir cansar o seu doguinho sem precisar sair na rua nos dias de chuva. 

    Gato triste e com saudade de outro gato: veja como ajudar o seu bichano a lidar com separações
    Comportamento animal

    Gato triste e com saudade de outro gato: veja como ajudar o seu bichano a lidar com separações

    Poucas pessoas sabem, mas os gatos sentem saudades e têm diferentes formas de demonstrar isso. Uma situação em que o sentimento pode ser claramente observado é quando dois gatos vivem juntos - mesmo que não sejam irmãos ou mãe e filho -, mas em um determinado momento eles precisam se separar, seja por conta de uma mudança de casa ou porque um deles faleceu.

    Brinquedos de nylon para cachorro são seguros para todas as idades e portes?
    Comportamento animal

    Brinquedos de nylon para cachorro são seguros para todas as idades e portes?

    Os brinquedos para cachorro são importantes em todas as fases de vida de um bichinho de estimação. Eles servem para divertir, distrair e até mesmo gastar a energia de um cãozinho. Além das conhecidas bolinhas, existem vários outros tipos de acessórios para a diversão do pet. Os brinquedos de nylon para cachorro podem ser encontrados em diferentes modelos e formatos e são muito indicados, principalmente, para cães que adoram roer tudo. 

    Ver Todas >