Viver com um gato com deficiência requer muito mais cuidado e paciência, especialmente nos primeiros meses de vida. Eles são mais rejeitados na hora da adoção, e podem passar a vida inteira em abrigos ou mesmo na rua. Alguns gatinhos cegos, surdos ou paraplégicos, no entanto, tiram a sorte e encontram um lar cheio de amor para viverem uma vida o mais próxima do normal. 

Quais raças de cachorro mais combinam com você?

Preencha todos os campos para participar.

É só preencher e começar!

Escolha uma opção abaixo

Não tenho pets
Tenho cão
Tenho gato
Tenho cão e gato
Autorizo receber comunicações e publicidade da NESTLÉ®.

O Charlinho (@charlinhodaquinta) nasceu com as patas dianteiras tortas, resultado de uma malformação fetal. A história do bichano mobilizou muita gente na torcida para que ele superasse esse desafio ainda bebê e sobrevivesse. Ele se tornou ainda um embaixador da adoção especial! O Patas da Casa entrevistou a Ingrid Marques, tutora do Charlinho, para saber detalhes da rotina com um gato com deficiência e como ele vem ajudando a dar mais visibilidade à ong que o resgatou.

A história do Charlinho, gato que não andava resgatado no RJ

Após encontrar uma gatinha grávida em um bairro do Rio de Janeiro, a ong "Gatos da Quinta" (@gatosdaquinta) não pensou duas vezes em resgatar a mamãe e seus filhotes. Mas no meio dessa ninhada, estava o pequeno Charlinho, um gatinho que viria a ser o mascote da própria ONG que o tirou das ruas.

Após saírem de uma clínica temporária, essa mãe e seus pequenos foram para o lar da Ingrid Marques - e foi ela quem percebeu que o Charlinho tinha algo diferente: "Já no primeiro dia eu percebi que um deles tinha uma pata 'tortinha' e era muito frágil, então comecei a observar." Ela relata que enquanto via os gatos "amassando pãozinho" na mãe, o Charlinho não conseguia fazer o mesmo.

Charlinho está fazendo fisioterapia para corrigir o problema nas patas

No início, a suspeita era de que ele tivesse a doença do gato nadador, condição onde o principal sintoma é um gato que não anda. Mas após visitar uma veterinária ortopedista, o diagnóstico era uma má formação nas patas dianteiras devido a uma fenda palatina.

A boa notícia é que o Charlinho está respondendo muito bem ao tratamento. Ingrid ressalta que cuidar de um gato com deficiência é um desafio, mas ver os resultados é recompensador. "Ele está fazendo fisioterapia animal, já melhorou muito e chegou a usar tala nas patas durante um mês. A evolução com as talas foi absurda. Uma das patinhas já foi curada e a outra ainda está no processo", conta. Com o avanço positivo da situação de Charlinho, não foi preciso fazer a adaptação com cadeira para gato com deficiência.

Dificuldade para se alimentar prejudicou o crescimento de Charlinho

O maior charme do Charlinho está no seu tamanho. Hoje ele pesa 500 gramas e tem 15 cm de altura, o que é uma vitória considerando que ele não conseguia se alimentar direito do leite materno nas primeiras semanas de vida. Recuperado, o gatinho está saudável e tem muitas chances de ter uma vida normal daqui um tempo. "A gente fez alguns exames hormonais que deram normais. Mas devido a esses problemas (de desenvolvimento), a veterinária acha que ele sempre será assim, miudinho", explica sua tutora.

 

 

Esse pequeno gato influencer nasceu com as patinhas da frente tortasCharlinho está fazendo fisioterapia e hoje leva uma vida saudávelO brinquedo favorito do Charlinho é o Ribamar, um ratinho amareloCharlinzete é o nome do fandom do CharlinhoCharlinho retribui os cuidados com muito carinho e ronronsO Charlinho é um sucesso por onde passa!

 

Com 120 mil seguidores no instagram, Charlinho virou pet influencer

 

A ideia de criar um perfil para o Charlinho surgiu após Ingrid publicar fotos dele em seu perfil profissional. A situação do pet despertou a curiosidade dos seus seguidores que sempre perguntavam como o pequeno estava. Seu parceiro e as voluntárias do Gatos da Quinta se movimentaram para divulgar o Charlinho e mostrar a rotina desse gato com deficiência.

No começo, o plano era alcançar amigos e conhecidos. Mas após ele participar de uma trend no Tik Tok , tudo mudou "A coisa foi tomando uma proporção que a gente não esperava. Ele foi crescendo e há muito tempo eu já queria contar a história dele. Então decidi criar um vídeo explicando tudo, foi quando ele começou a viralizar." Hoje o perfil de Charlinho no instagram tem mais de 120 mil seguidores. 

Charlinho adora passear e já visitou pontos turísticos do Rio de Janeiro

Natural da Quinta da Boa Vista, no Rio de Janeiro, o Charlinho é um carioca nato e já conheceu diversos pontos turísticos do Rio, como o Jardim Botânico, a Mureta da Urca e o Museu do Amanhã. Mas fora de casa, ele também vira uma atração: "Primeiro que já é um gato passeando. As pessoas falam 'nossa, mas ele é de verdade?', porque ele também é muito pequenininho e comportado na rua."

Fora das redes, Ingrid conta que o Charlinho é um gato brincalhão: "Quando ele tirou as talinhas e começou a correr mais, passou a ser muito brincalhão. Comprei para ele um ratinho de brinquedo, que foi apelidado de 'Ribamar' e ele ficou apaixonado pelo ratinho". Mas além disso, ela também conta o lado amoroso do pequeno: "A gente pega ele para fazer carinho e ele ronrona e ronrona. É um amorzinho".

Gato Charlinho virou embaixador da adoção especial

O dia a dia do filhote é de muita brincadeira e carinhos, provando que um gato com deficiência pode levar uma vida normal e muito feliz. "É muito gostoso ver a evolução dele, então cada dia é uma fofura. Vou dar bom dia para ele, e quando ele escuta minha voz, já vem dando pulinho e balançando o rabinho".

"No começo a gente recebia de mil a dois mil mensagens por dia. Muita gente falando que ele era lindo e que ele inspirava. Também recebemos muita gente dizendo que ver o Charlinho melhorava o dia delas. Ele foi ganhando voz e chegando a pessoas que viam esperança nele". Para Ingrid, são essas fãs, apelidadas de "Charlinzetes", que os motivam a continuar.

Quanto ao futuro, Charlinho será responsável por muitas adoção de gatos! Ele agora é embaixador do Gatos da Quinta, a ong que o resgatou, e a intenção é que ele ajude o projeto a crescer para ajudar mais famílias e gatinhos resgatados.

Redação: Erika Martins

Edição: Luana Lopes