Gatos cinzas são conhecidos por serem aventureiros, e a história de Fumaça - uma gatinha cinza de Brasília - é a prova disso. Com um nome de gato bem intuitivo, Fumaça faz mais do que apenas descansar e aproveitar as horas de lazer no 15º Grupamento de Bombeiros Militar da Asa Sul, no Distrito Federal. A felina, na verdade, é tão ativa quanto qualquer profissional.

Quais raças de cachorro mais combinam com você?

Preencha todos os campos para participar.

É só preencher e começar!

Escolha uma opção abaixo

Não tenho pets
Tenho cão
Tenho gato
Tenho cão e gato
Autorizo receber comunicações e publicidade da NESTLÉ®.

No dia a dia, Fumaça ajuda a hastear a bandeira nacional - tanto de manhã quanto no fim do dia -, faz companhia aos “colegas de trabalho” durante os plantões e sempre está atenta a tudo que acontece. Ou seja, é um gato que realmente encontrou um lar no 15°GBM. Mas, além de ter uma rotina já estabelecida, uma história que  chamou a atenção foi quando Fumaça salvou a vida de alguns bombeiros de um incêndio que se espalhou no quartel.

O relato foi compartilhada no Instagram do Corpo de Bombeiros Militar/DF (@cbmdf) e já reúne muitas curtidas e comentários. Assista ao vídeo na íntegra:


Entenda como Fumaça salvou bombeiros de incêndio no quartel

Fumaça é uma gatinha que vive há mais de dez anos em um Batalhão no Distrito Federal. Desde que chegou, ela foi prontamente acolhida pela corporação e logo virou mascote dos bombeiros do 15º Grupamento da Asa Sul. Em um determinado dia, a gata ajudou a identificar um incêndio que ocorria dentro do quartel, mais precisamente na sala de secretaria. Como não havia ninguém por perto, Fumaça correu para avisar alguém.

É o que o sargento Queiroz conta no vídeo: “Eu tava em um alojamento em cima, e ela subiu as escadas e começou a miar perto de mim. Ficou miando, miando até que eu fui acompanhá-la. Quando eu cheguei próximo à secretaria, estava inundado de fumaça. O fogo já estava pegando no teto. Começou a pegar fogo no roteador e foi se espalhando, e graças à Fumaça a gente viu a tempo.”

Redação: Juliana Melo

Edição: Luana Lopes