Quem é tutor de gato sabe que, apesar de já domesticados, os felinos continuam expressando instintos de caçadores herdados de seus ancestrais. Seja caçando insetos pela casa, escondendo as fezes ou arranhando objetos para marcar território, o instinto de caçador se manifesta cotidianamente no comportamento do gato. Existem muitas curiosidades a respeito desse hábito dos felinos, que não devem ser repudiados ou punidos, mas sim redirecionado para brincadeiras e objetos mais adequados. Quer entender mais as nuances do gato caçador? O Patas da Casa reuniu algumas informações para te ajudar nisso!

Se o seu gato caçador já te presenteou com alguma presa, se sinta especial

Quais raças de cachorro mais combinam com você?

Preencha todos os campos para participar.

É só preencher e começar!

Escolha uma opção abaixo

Não tenho pets
Tenho cão
Tenho gato
Tenho cão e gato
Autorizo receber comunicações e publicidade da NESTLÉ®.

Um dos comportamentos felinos mais intrigantes são os "presentinhos" que alguns gatos trazem aos tutores. Ele pode tanto te trazer uma folha quanto uma presa que tenha caçado, como baratas, besouros e lagartixas (para desespero dos donos). Isso é normal em gatos que têm o instinto caçador mais aguçado, mas tem uma explicação "fofa" por trás que vai até fazer você relevar: isso acontece porque os gatos são animais que gostam de compartilhar aquilo que conquistaram com a família.

Quando um gato traz animais mortos ou até mesmo vivos para o tutor, significa que ele o considera como membro da família. Esse comportamento não tem muita relação com a fome, é simplesmente instinto. A mente do gato estimula ele a fazer isso independente de estar com fome ou não. Às vezes, a “presa” que o gato caçador leva até tutor nem mesmo é algo comestível, como lixinhos e pequenos objetos. Por isso, não se assuste se seu gatinho chegar te presenteando com algo inusitado, ele apenas está dizendo do jeitinho dele que te ama.


O comportamendo do gato caçador não deve ser reprimido, mas sim redirecionado com brinquedos e brincadeiras
O comportamendo do gato caçador não deve ser reprimido, mas sim redirecionado com brinquedos e brincadeiras

Como redirecionar o instinto do gato caçador?

O instinto de caça é um comportamento do gato que não deve ser reprimido. Caso seja uma atitude muito incômoda ela deve ser redirecionada para brincadeiras e brinquedos. Os brinquedinhos que façam com que o gato persiga algum objeto são ótimos para estimular o instinto natural. Ratinho de corda, laser e varinhas de penas são ótimos brinquedos para os gatos instintivos.

Vale ressaltar que os gatos precisam de estímulo mental. Se não tiver nada para caçar ou perseguir, eles poderão começar a procurar algo para suprir a “caçada”. Por isso, não deixe de brincar com seu gato e invista em brinquedos que façam esse estímulo. Os gatos que exercem mais essas brincadeiras são menos propensos a atacar outros animais de estimação ou até mesmo pessoas da casa. Além disso, eles ficam bem mais relaxados e felizes. Se você tem um pet que tenha mais características de um gato preguiçoso que de um gato caçador, não se preocupe! O seu bichano pode apenas não ter esse instinto muito aguçado. 

Cuidado com as “voltinhas” do seu gato caçador

Ao contrário do que pensam muitas pessoas. As famosas “voltinhas” são um comportamento de gato extremamente prejudicial. Além do perigo de atropelamento, envenenamento e brigas, ao sair de casa o gato fica mais propenso a contrair doenças graves como a FeLV e FIV. Por isso a criação indoor é uma forma de proteger a saúde o bem-estar dos felinos, já que aumenta a expectativa de vida deles.

Sair para a rua e voltar com animais mortos ou até mesmo vivos como presentes pode ser muito mais incômodo para o tutor e esse hábito pode, inclusive, prejudicar a fauna nativa do local. A primeira coisa que você deve fazer é evitar que seu gato não fuja, acostumando ele desde cedo a viver dentro de casa. A tela de proteção nas janelas é uma ótima maneira de impedir as voltinhas. A castração do gato também é outra maneira eficaz, já que naturalmente o gato não terá necessidade de sair para acasalar. 

Redação: Hyago Bandeira